Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Poemas a Marco Paulo

por talesforlove, em 17.04.21

O Concurso Literário Natureza 2020-2021 terminou no passado dia 13 de Abril. Todavia, tal como previsto no regulamento, fazemos um breve prolongamento de tempo para receber mais alguns poemas para homenagear Marco Paulo. Por outras palavras, até final de Abril, ainda recebmos poemas para homenagear Marco Paulo!

Entretanto, partilha-se um programa de Bruno Nogueira, com forte componente ambiental:

https://www.tsf.pt/programa/tubo-de-ensaio/emissao/agua-com-sabor-a-fukushima-13567652.html

E, já agora, este sobre petições...

https://www.tsf.pt/programa/tubo-de-ensaio/emissao/agarrados-as-peticoes-13562999.html

Portanto, partilha-se, novamente, esta petição para Portugal, e que fz muito sentido em tempos de Covid-19:

https://peticaopublica.com/mobile/pview.aspx?pi=movimento8

 

Finalmente, partilha-se sobre a felicidade...

https://fuiprocrastinar.blogs.sapo.pt/530-ser-feliz-da-trabalho-567385

 

Para terminar, hoje, apresenta-se a seguinte poesia de Viviane P.:

 

Isolamento

 

Eu me perdi no sofrimento,

Vi tanta gente triste , tanto vento.

Fiz até analogia entre a chuva e o sentimento.

Eu não vivo mais a contento...

Não tenho mais um parágrafo, vírgula, acento,

Só tenho mesmo hiatos, um e outro momento.

Frases curtas, miúdas e um pensamento,

Me expresso em contingências sem qualquer questionamento.

Sigo a passos lentos, mente em arrebatamento.

Ah, o futuro não está mais em andamento...

Eu me enganei , me faltou discernimento!

E, no meu peito veio o arrependimento,

De não ter percebido o grande acontecimento:

A virada no mundo, o afastamento!!

Por que não mudei meu comportamento?

Agora é um a um em isolamento!

Eu sinto muito, ah, como eu lamento...

Mas, deixo aqui meu depoimento:

A tristeza sim é que é aprisionamento!

E ainda que obrigatório o distanciamento,

Posso desejar-lhe em um aceno, um cumprimento,

Dias melhores, dias de paz e de acolhimento!

 

Até breve.

 

 

 

 

Dois poemas do Brasil

por talesforlove, em 28.01.21

Hoje partilhamos dois poemas do Brasil.

 

Sem nome, por Viviane P. (Brasil, 2021)

 

Eu queria viver em um mundo de sonhos dourados!

Mas, a realidade é uma floresta cheia de perigos e  desafios.

Não sei como permanecer  serena diante de tantos horrores.

Como  manter o meu olhar  nas flores que eu sei que ainda estão pelo caminho

 quando o que os meus olhos enxergam é dor e solidão?

Não, não, me recuso a ser assim infeliz para sempre.

Eu quero  viver no mundo de promessas que minha infância me mostrou nos livros  de contos de fadas!

Quero reis e rainhas que não adoecem nunca,

quero viver em um castelo

poupada da desilusão  de ser apenas um humano fadado à morte!

Ainda que eu saiba que são desejos inatingíveis ,

deixe-me  sonhar ,

porque é isso que torna minha travessia  por esses campos áridos possível.....

 

I wanted to live in a world of golden dreams!

But the reality is a forest full of dangers and challenges.

I don't know how to stay calm in the face of all these horrors.

How do I keep my gaze on the flowers that I know are still in the way

 when what my eyes see is pain and loneliness?

 No, no, I refuse to be this unhappy forever.

I want to live in the world of promises that my childhood showed me in fairy tale books! I want kings and queens who never get sick,

 I want to live in a castle spared the disappointment of being just a human doomed to death!

Although I know that they are unattainable desires,

 let me dream,

because that is what makes my crossing through these arid fields possible.....

 

Circo, por Maria C. (Brasil, 2021)

 

Pequenino, mascarado, espalhafatoso,

rebolando qual  enlouquecido  bailarino,

ele é vendaval  adentrando o picadeiro.

A multidão aplaude, grita, gargalha...

- Viva o palhaço, gritam da arquibancada.

 

           Compenetrado, ele imita os animais:

           ora é touro brabo, o toureiro enfrentando;

          ora é gato tristonho conclamando

          as gatas  todas espalhadas no telhado.

          Depois, é cão amigo, latindo a seu dono.

          Enfim, braços abertos, é pássaro voador.

          Aplausos mil aprovam a performance.

 

Falsa cara de choro, despedia-se o palhaço,

quando interrompido  pela voz infantil:

- Espere, meu palhaço, gosto de você,

volte, não tenho gato nem cachorro.

Você me convenceu, agora quero ter.

 

Ele agradece a todos tantos aplausos,

em especial, abraça e beija a menina.

Voltará logo a sua casa, sem crianças.

Ele é apenas um velhinho solitário.

O circo? Sua única alegria nesta vida.

 

Este segundo poema, lembra o papel do Circo também enquanto entidade que apoia os animais e merece ser apoiada em tempos de pandemia.

 

Até breve,

Rui

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D