Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

"Nella Fantasia" por Summer Watson

por talesforlove, em 13.03.18

 

 

[Em Italiano]

 

Nella Fantasia

Nella fantasia io vedo un mondo giusto

Li tutti vivono in pace e in onestà

Io sogno d'anime che sono sempre libere

Come le nuvole che volano

Pien' d'umanità in fondo all'anima


Nella fantasia io vedo un mondo chiaro

Li anche la notte è meno oscura

Io sogno d'anime che sono sempre libere

Come le nuvole che volano


Nella fantasia esiste un vento caldo

Che soffia sulle città, come amico

Io sogno d'anime che sono sempre libere

Come le nuvole che volano

Pien' d'umanità in fondo all'anima

 

[Em Inglês]

 

In My Fantasy


In my imagination I see a fair world,
Everyone lives in peace and in honesty there.
I dream of souls that are always free,
Like the clouds that fly,
Full of humanity in the depths of the soul.

In my imagination I see a bright world,
Even the night is less dark there.
I dream of souls that are always free,
Like clouds that fly.

In my imagination there exists a warm wind,
That breathes on the cities, like a friend.
I dream of souls that are always free,
Like clouds that fly,
Full of humanity in the depths of the soul.

 

Fonte: http://lyricstranslate.com/en/nella-fantasia-my-fantasy.html

 

[Em Português]

 

Na minha fantasia 

Na minha imaginação eu vejo um mundo justo, 
E lá todos vivem em paz e honestidade. 
Eu sonho com almas que são sempre livres, 
Tal como as nuvens que voam, 
Cheias de humanidade até às profundidades do seu ser. 

Na minha imaginação eu vejo um mundo luminoso 
Onde mesmo a noite é menos sombria 
Eu sonho que lá as almas são sempre livres, 
Como nuvens a voar 

Na minha imaginação existe um vento quente 
Que sopra sobre a cidade, como um amigo 
Eu sonho com almas sempre livres, 
Como nuvens que voam, 
Cheias de humanidade até ao mais recôndito lugar do seu ser.

 

Nota: Tradução para Português por Rui M.

 

 

 

Selecionados Categoria Conto - Excepto 3 Vencedores Principais

por talesforlove, em 19.02.18

Tí­tulo

Autor

Paí­s

Classificação

       

Arraia (31)

Pedro Albeirice da Rocha

Brasil

Menção Honrosa

Miragem (39)

Natália Vale

Portugal

Selecionada

O anjo das matas (57)

Celso Lopes

Brasil

Menção Honrosa

A flor de Iridanis (64)

Mitro Vorga

Portugal

Menção Honrosa

       

O fazer bem (84)

Luís Amorim

Portugal

Menção Honrosa

A luz azul da resignação (88)

Rui Cruz

Portugal

Menção Honrosa

Novos Franciscos (92)

Aldenor Pimentel

Brasil

Selecionado

Epí­logo materno (95)

Rafael Torres

Brasil

Selecionado

A vingança da colmeia (99)

Laisa Ribeiro

Brasil

Selecionada

Planeta ameaçado (101)

Teresa Morais

Portugal

Menção Honrosa

Filha única (107)

José dos Reis Santos

Brasil

Selecionado

       

Do barro à  margem (123)

Magnus Langbecker

Brasil

Menção Honrosa

Para recordar o fogo de Pedrógão, a 17 de Junho de 2017

por talesforlove, em 17.07.17

Verão 2017

 

Queria que o tempo do calor fosse perfeito.

Braços espraiados, manhã fresca e nova,

bolhas de sonhos a rebentar nas ondas, no peito,

e um ar leve, perfumado, morno, rarefeito, que renova.

 

Mas tudo se foi na veloz labareda,

que comeu os sonhos de outros, como bolos,

deixou o açúcar converter-se em nada e

a água do rio elevar-se para as nuvens,

e de lá se desprenderem em gotas,

sem dádiva, em choro que tolhe.

 

E por cá ficamos todos, a olhar para lá,

pelo ecrã, pelos olhos de outrem, pelos nossos,

a ver o que se desfez, tudo outra vez.

Muito mais sós.

 

Para mim, não será o mesmo, este Verão

embora o meu seja mais do mesmo, que o dos outros não será.

Todos sofremos profundamente à vez, para sermos assim:

capazes de nos ampararmos com força no coração.

 

 

 

Deles se desprenderam amigos, escoaram-se vidas,

que são abóbadas sem pedra, são céu, rimas perdidas,

são agora janelas sem cortinas, sem adeus;

restando-lhes o terno consolo de Deus.

 

12 e 14 e 16 de Julho de 2017

por Rui M.

 

espumabolhas2017.jpg

 

Quase no Final da Feira do LIvro de Lisboa... 2017

por talesforlove, em 14.06.17

Uma frase de Fernando Pessoa:

 

"Descobri que a leitura é uma forma servil de sonhar. Se tenho de sonhar, porque não sonhar os meus próprios sonhos?"

 

Fernando Pessoa

Feira do Livro de Lisboa 2017, Livros & Viagens

por talesforlove, em 07.06.17

Este ano a Feira do Livro de Lisboa realiza-se de 1 a 18 de Junho, sendo que entre 1 e 6 de Junho foi possível observar, por telescópio, a lua e Júpiter.

A Lua Cheia no céu de Lisboa em noite de Livros... aumentada 66 vezes.

luacheia6Junho2017ok.gif

 Júpiter e as suas luas...

jupiter6Junho2017ok.gif

 O céu "original" sem ampliação...

ceu6Junho2017ok.gif

 

 

Há algo de mágico nestas imagens, somos levados a relativizar tudo, inclusive todas as ideias e sonhos contidos nos livros que ali nos rodeiam a todos. Afinal, o nosso tudo é nada perante a imensidão do universo. Quanta beleza!

 

Entretanto, como o preço dos bilhetes de viagem para a Lua é bastante elevado, podemos pensar, imaginar, viajar até ao Brasil.

Fica o convite a conhecer melhor o Brasil através de uma visita à página de viagens:

http://cantodomundo.com.br

 

Um abraço e boas leituras.

 

 

Poesia original "Em Primavera"

por talesforlove, em 17.02.17

Em Primavera

 

Sou primavera, de luz, radiante,

Nunca serei turista, somente,

Sou folha, luz verde, clorofila,

Sou estático, leal, perene,

Respiração, redução de oxigénio.

 

Florença, dos meus sonhos intemporal,

Sou flor, do masculino espinho;

Sou viagem imaginária, sem avião, sem bagagem,

Sou renascido em (r)esperança primaveril,

Também que não voa, por não reconhecer o céu.

 

Sou apenas porque ser é pertencer.

 

Mas, o mundo contém-me, não fujo.

E se não posso, é melhor não querer...

 

Há lá árvore que não voe em folha

e não seja mundo, fixa, raiz, profunda?

 

por Rui M.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D