Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Um poema em tempos de Outono

por talesforlove, em 25.09.21

Em tempos tão ativos por questões de proteção ambiental, fica um poema.

 

Nuvens

 

Longos brancos partilhados

Partículas tão belas quanto frias

De sentimentos neutros recortados

Tais quais de violoncelos e melodias

Por vezes, o vento forte leva-as…

E estende-as, estende-as, alonga-as, alonga-as… estica-as… prolonga-as… dispersa-as……

Até que o sopro é o horizonte

E sem porto por lá se ficam, noutra margem…

Que de sonhos se veste.

 

Existem pessoas para as quais a vida é um jogo nulo,

A cada nascer do dia, um por do sol,

A cada nascimento, uma morte,

A cada olá, um adeus,

A cada confissão, uma incompreensão,

A cada soletrar, um desencantar.

 

Mas, a cada mão que se toca, nova vida.

A cada desencanto, um novo recanto

A cada canto, renovado encanto

A cada sofrimento, um ensinamento

A cada circuito partido, um porto amigo

A cada mentira, uma defesa em gota cristalina

A cada silêncio, uma melodia

 

E a cada dor, amor

Para cada folha em branco, poema

Por cada estrela, calor

A cada soletrar, um partir sem pena

 

As nuvens são neutras, não sentem,

E assim, são mais felizes que tristes,

Porque ser neutro é estar no meio.

 

nuvens poema.jpg

Uma livraria em Bucarest:

Editura ART Creativ Bucureşti | Facebook

 

Partilha-se igualmente uma App amiga do ambiente:

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.silentmanager.g29.silentmanager

 

Até breve.

Tempo de Ciência, Esperança, Pandemia e Poesia

por talesforlove, em 21.01.21

Hoje, é tempo de recolhimento, mais velhos, mais novos, todos juntos, porque todos contam e todos devem estar protegidos, para a esperança prevaleça. Fica este apelo. E que haja sentido de comunidade. Protejam-se.

Fica ainda o apelo a que apoiem não só os Profissionais de Saúde mas também os Profissionais de Ciência.

Podem apoiar aqui:

Carta aberta por um investimento urgente em Ciência em Portugal : Petição Pública (peticaopublica.com)

https://peticaopublica.com/mobile/pview.aspx?pi=movimento8

E participem, em Abril, no Concurso Natureza 2020-2021, algumas publicações atrás neste blog.

Partilha-se ainda um poema de Antonio Cisneros - Então, nas águas de Conchán (Verão de 1978) no programa O Som que os Versos Fazem ao Abrir.

O Som que os Versos Fazem ao Abrir de 20 Jan 2021 - RTP Play - RTP

https://www.rtp.pt/play/p3076/e518950/o-som-que-os-versos-fazem-ao-abrir

 

Até breve.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D