Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

17 Junho e Crítica Literária

por talesforlove, em 16.06.21

Fica aqui, hoje, uma fotografia pelas vítimas dos incêndios de 2017 em Portugal.

Um pequeno nada.

17junho2021.JPG

 

Apresenta-se igualmente a Tentativa de Crítica Literária

“Anzóis do Tempo . Poemas minimalistas .” por Claudete Soares

 

O Livro “Anzóis do Tempo . Poemas minimalistas .” de Claudete Soares é mais uma agradável surpresa da Autora.

Anzóis são objetos metálicos, consistência sólida, ponta encurvada e afiada, com formato próprio para conter uma isca que servirá de chamariz para um peixe.

Um peixe é um ser vivo aquático que além de ser considerado um alimento humano, por vezes é decorativo e outras vezes é ainda um símbolo. Todavia, está ausente do título, no qual surge, a palavra “tempo”. Como se refere “do” e não “de” assumimos que o tempo é o utilizador dos anzóis. Ele é o pescador! Mas quem é este Tempo? São momentos, instantes, em que surgem impactos em nós, os quais são sentimentos, pelo menos é o que parece transparecer em grande parte do vasto conjunto de belos poemas.

O adjetivo “minimalista”, que igualmente surge no título, só pode dizer respeito à dimensão dos poemas, quando medidos por número de palavras ou versos, i.e., uma única frase em composição poética, sendo que, neste caso concreto, são três. A sua mera inclusão na primeira porta de entrada da Obra, poderá ser visto como algo depreciativo, à luz determinados olhares e, nesse caso, é injusto pois a cada um dos conjuntos de três versos corresponde a procura a posteriori corresponde à tarefa hercúlea de retratar o que se sente, a fazer lembrar os poemas Japoneses do estilo Haiku.

Partindo do título para depois olharmos para os versos, parece surgir um enigma: “Porquê este Tempo?!” Este parece querer pescar-nos através de pequenos acontecimentos, também eles apenas pequenos ou minimalistas, só se olharmos para os segundos que tomam nas nossas vidas. Acredito que vem à superfície emocional de quem lê este Livro que somos o que sentimos, o que este Tempo nos fez sentir e que tantas vezes não controlamos e portanto, não somos assim tanto o que comemos, como por vezes parece ser lugar comum assumir; afinal, estes anzóis não dizem respeito à comida que queremos ver no nosso prato.

Aliás, até podemos pensar que somos devorados por este tempo, que somos nós as vítimas ou sortudos(as) destes anzóis predatórios que não são metálicos mas de matéria do dia-à-dia. Claro, estimada(o) leitor(a), que qualquer Livro nos pode fazer pensar sobre o Tempo, sucede, porém, que este contém poesia do Tempo, a qual pode ser vista como o resultado de uma pescaria do Sr. Tempo. E este resultado poético, surge às mãos de Claudete Soares: uma pessoa que investe o seu Tempo e recursos para partilhar o que vê ou julga ver, tal qual lhe é humanamente possível. E tudo se desenrola, eventualmente, como se o peixe escrevesse sobre a sua experiência aquando do processo de ser pescado…

Aqui o olhar poético sobrepõe-se ao olhar mais pragmático, sobrepondo à morte a vida, revisitada em cada instante, em cada página voltada, como se fosse um passo no decorrer dessa vida dominante, a qual é vista a partir de três pontos distintos em capítulos separados: … das horas; … da vida; e, … natureza. E aqui o papel do Tempo parece ser inferiorizado pela Autora, ao referir “Pescando instantes”. Não há dúvida que se não fosse o seu (o nosso) olhar atento, para o labor do Tempo, nada retiraria mas, como diria Isabel Allende: “en las historias radica el secreto de la vida y del mundo”, ou seja, ela, enquanto observadora e ladra de histórias da vida poderia sobreviver enquanto escritora. Não seria mais que isso.

Neste Livro, nesta Obra esmerada, delicada e bela, esteticamente e literariamente, Claudete Soares é também ela alguém que tenta capturar para si o mundo e utiliza o seu dom poético natural para poder retratar e nos fazer sentir, aquilo que é o Sr. Tempo que dita. Importa ser…

 

A própria nos transmite um rebuliço de Tempo na página 83:

Os olhos da noite

Pranteiam saudade.

Nem a lua dorme

 

E, “imediatamente” antes, na página 22, paradoxal, transmitindo imensidão temporal, surge:

Beijos de anjos

acendem lanternas

do tempo

 

Sonhamos a cada momento, com esta união de grafismo e literatura, sendo que o primeiro apelo estético, só mesmo com o livro nas nossas mãos se poderá realmente sentir e compreender.

Que bela leitura e que belo tempo passado a contemplar estas paisagens literárias talhadas pelo tempo.

 

Obrigado pela vossa atenção.

 

Este Livro pode ser encontrado em:

www.travassoseditora.com

travassos@travassoseditora.com

 

imagem do livro.jpg

 

 

Até breve.

Dois poemas do Brasil

por talesforlove, em 28.01.21

Hoje partilhamos dois poemas do Brasil.

 

Sem nome, por Viviane P. (Brasil, 2021)

 

Eu queria viver em um mundo de sonhos dourados!

Mas, a realidade é uma floresta cheia de perigos e  desafios.

Não sei como permanecer  serena diante de tantos horrores.

Como  manter o meu olhar  nas flores que eu sei que ainda estão pelo caminho

 quando o que os meus olhos enxergam é dor e solidão?

Não, não, me recuso a ser assim infeliz para sempre.

Eu quero  viver no mundo de promessas que minha infância me mostrou nos livros  de contos de fadas!

Quero reis e rainhas que não adoecem nunca,

quero viver em um castelo

poupada da desilusão  de ser apenas um humano fadado à morte!

Ainda que eu saiba que são desejos inatingíveis ,

deixe-me  sonhar ,

porque é isso que torna minha travessia  por esses campos áridos possível.....

 

I wanted to live in a world of golden dreams!

But the reality is a forest full of dangers and challenges.

I don't know how to stay calm in the face of all these horrors.

How do I keep my gaze on the flowers that I know are still in the way

 when what my eyes see is pain and loneliness?

 No, no, I refuse to be this unhappy forever.

I want to live in the world of promises that my childhood showed me in fairy tale books! I want kings and queens who never get sick,

 I want to live in a castle spared the disappointment of being just a human doomed to death!

Although I know that they are unattainable desires,

 let me dream,

because that is what makes my crossing through these arid fields possible.....

 

Circo, por Maria C. (Brasil, 2021)

 

Pequenino, mascarado, espalhafatoso,

rebolando qual  enlouquecido  bailarino,

ele é vendaval  adentrando o picadeiro.

A multidão aplaude, grita, gargalha...

- Viva o palhaço, gritam da arquibancada.

 

           Compenetrado, ele imita os animais:

           ora é touro brabo, o toureiro enfrentando;

          ora é gato tristonho conclamando

          as gatas  todas espalhadas no telhado.

          Depois, é cão amigo, latindo a seu dono.

          Enfim, braços abertos, é pássaro voador.

          Aplausos mil aprovam a performance.

 

Falsa cara de choro, despedia-se o palhaço,

quando interrompido  pela voz infantil:

- Espere, meu palhaço, gosto de você,

volte, não tenho gato nem cachorro.

Você me convenceu, agora quero ter.

 

Ele agradece a todos tantos aplausos,

em especial, abraça e beija a menina.

Voltará logo a sua casa, sem crianças.

Ele é apenas um velhinho solitário.

O circo? Sua única alegria nesta vida.

 

Este segundo poema, lembra o papel do Circo também enquanto entidade que apoia os animais e merece ser apoiada em tempos de pandemia.

 

Até breve,

Rui

 

 

 

 

Filmes, Poesia e Evento Literário na Amadora em meados de Setembro

por talesforlove, em 13.09.19
De 13 a 15 de Setembro de 2019, pelos 40 anos da Cidade da Amadora (Área Metropolitana de Lisboa), decorre a IV Festa do Livro da Amadora 2019, na Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos, com entrada livre, das 10h00 às 23h00.
 
A Amadora tem uma forte ligação à cultura, não apenas literariamente mas sobretudo quando olhamos para a sua história, sempre próxima das artes visuais e da música. No que diz respeito às artes visuais, destaca-se o Festival Internacional da Banda Desenhada e as pinturas nas fachadas dos edifícios, veja-se o trabalho dos instagrammers @ana_gil_, @eyes.of.rita, @filipesj, @ritacordeiro, @voodoolx, @fesvicente e @silviabernardino. Transpira uma certa arte urbana, feita por artistas urbanos e ainda um olhar nostálgico, sobretudo respeitoso, dirigido a figuras do passado, como Fernando Pessoa e Amália Rodrigues.
 
Veja-se este link:
https://amadoraemfesta.pt/
 
Continuamos, entretanto, com a poesia de Rosemary B. (Brasil), com o poema:
 
CONTROLE
 
 
Como poderei ser uma árvore frondosa,
Se não reconheço minhas raízes?
Se não me identifico,
Com os primórdios da evolução,
Ou da criação?
Somos nação?
Salvem suas almas!
Perdemos o controle.
Ultrapassamos o tolerável,
E as mentes estão em combustão.
Onde demônios brincam de roda,
Com sedutoras dúvidas em forma de canção.
Fazem chacota com a história,
E enquanto engessam a geração.
Optam pela agonia do passado deplorável,
Lugar incômodo, mas reconhecido.
Acham melhor retroceder.
Os jovens estão divididos,
Entre os rumos variados do poder;
Delirando em imensuráveis sonhos.
Fechem seus olhos,
E entoem um louvor aos injustiçados mortos,
Uma música de ninar aos vivos cegos,
Ou a todos, uma simples e redentora oração.
Somos os novos camaleões,
Na camuflagem salvífica contra irreconhecíveis e sorridentes predadores,
Com dentes pontiagudos, clarificados a lazer.
Estamos caindo, alienados,
Aplaudindo na plateia deste circo de horrores.
Engolindo embalagens plásticas,
De coisas mortas,
De coisas prontas.
O quê estará por trás da porta,
Daquilo que somos induzidos a gostar?
Vamos compartilhar!
É legal, e o mal está na moda!
E a bola azul ainda flutua no vácuo,
Abafado e extremamente quente,
Suspensa pela mão invisível,
Para os que creem e os que também não.
Somos crianças numa imensa creche,
Mal educadas,
Deseducadas,
Nunca educadas,
Que por necessidade ou não,
Roubam o lanche do irmão.
A fome não é minha...
Só creio no que sai na mídia!
Os fatos não me importam,
A moda, as marcas e o controle absoluto sim.
São os objetivos da sociedade que evolui amorfa,
Adornando a própria sepultura,
Dos que se tornam estéreis,
Sem compaixão, sem “Rios Doces”, nem cultura.
Abaixo as singularidades!
Os ignorantes se cansam muito fácil.
O raciocínio exige demasiado esforço.
Deleguem nossas vidas à manipulação televisiva ou a qualquer outro.
Se tudo explodir, talvez seja melhor,
Não teremos  que acordar cedo e ir trabalhar.
O que queremos são cinco segundos de fama,
Contudo, o tempo é escasso para tantos subterfúgios,
Encapsulados e sem sinapses,
Dos que não suportam, temem ou não querem se responsabilizar,
Pelo direito supremo do livre pensar.
 
 
Trata-se de um poema que mostra uma ligação profunda entre a realidade social e a ambiental.
Afinal, como garantir a continuidade de um consumo socialmente justificado, se não existir um
conhecimento técnico e social que permita a sua continuidade? Haverá forma sequer de o repensar,
sem criar feridas nas vidas humanas? Continuar a pensar e a viver, com o pano de fundo da degradação climática,
eis aquela que parece ser a realidade a ter em conta.
 
Para finalizar, apresenta-se um Trailer oficial do filme La La Land, a anunciar, para breve, um olhar mais profundo:
https://www.youtube.com/watch?v=lu4RHvouJH8

 

 
 
E ainda o filme sobre António Variações:
https://www.youtube.com/watch?v=0acffB_G9gY

 

 
Obrigado.
Até breve.
 

A Capa da Antologia "Natureza 2018 2019"

por talesforlove, em 06.06.19

capa1Pt.jpg

 

Até breve.

Poemas Vencedores - Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 28.02.19

Finalmente, anunciamos os vencedores da Categoria Poesia, para a Edição 2018-2019 do Concurso Natureza.

Poesia:
“Vida ao vento” Bárbara Rocha de Brasil - 1º Lugar
“Submarino” por Renato TouzPin de Brasil - 2º Lugar
“Chuva” por Maria Catarina Canas de Portugal - 3º Lugar
 
 
Menções honrosas:
 
“CHAYA” por Anna de Freitas de Portugal
“Preservação da vida” por Cristina Cacossi de Brasil
“O Cosmonauta e o Poeta” por Paulo Caldeira de Brasil
“Dança das Flores” por Silvia Ferrante de Brasil

 

Parabéns a todos os vencedores e vencedoras.

O Concurso Natureza tem feito um percurso de reconhecimento dos autores e autoras que acreditam nesta aventura literária e sobretudo acreditam num mundo diferente, em que o ambiente e a sua preservação, por ser central para o nosso bem estar, tem um papel central nas nossas vidas, enquanto comunidade global. 

Muitos trabalhos serão aqui divulgados, ainda que não premiados com primeiros lugares, assim os(asautores(as) assim o autorizem. 
Até breve e boa escrita.

 

Novos livros e nova poesia em 2019

por talesforlove, em 15.01.19

Boa tarde Amigos Autores,

 

Nada melhor do que começar o ano com sol e alguma bela poesia!

É interessante verificar que a par da publicação em papel surge imediatamente a publicação em formato digital. É algo que parece ser bom para o ambiente pois existe menor consumo de papel e o gasto de energia dos equipamentos de leitura parece ser negligenciável. A estes factos acresce que o formato digital é menos oneroso que o formato em papel. Para muitas pessoas, o livro continua a ser algo privilegiado na leitura de poemas e outra literatura, sendo que, podemos alegar, ainda contém a magia das coisas sem tempo e eventualmente sem grande complexidade.

 

Assim, com grande alegria, convidamos à leitura do livro “FAZENDO AMOR COM O UNIVERSO EM VERSOS” (Outubro 2018) de Claudete Soares (Brasil – Bento Gonçalves - RS), Editores Valdir Ben e Vânia Bortoletti, o qual nos apresenta um conjunto de poemas de grande sensibilidade estética e humana, a par de uma composição gráfica belíssima. Entre esses trabalhos encontra-se o seguinte:

 

capa do livroOK.jpg

 

 

 

FELIZ

 

Violinos tocam em mim

quando acordo em ti.

O meu anjo doce

estende um tapete de luz

para revestir o meu dia.

E eu caminho nas rosas das horas

entre perfumes e espinhos.

Feliz.

 

 

 

E ainda, este humaníssimo:

 

DOR DE MENINA

 

A menina chorava...

De feições doces, mas tão sofridas!

Quem saberá das suas feridas?

 

Quem saberá das dores

que lhe escurecem a alma?

Nem as flores, cujos perfumes

lambem a sua face,

conseguem serenar o coração aflito.

 

Ele que quer ganhar o infinito,

fugir desse lugar cruel

que lhe tira o mel da vida

e o cobre com véu os sonhos,

lhe roubando a seiva pueril.

 

Que olhos bondosos poderão vê-la,

e agasalha-la em seu colo,

salvando-a da aflição?

 

 

Para adquirir esta obra, com quase 150 poemas, e também disponível em versão digital/e-book, recomendamos os seguintes contactos: claudete@msrg.com.br e bendesign@bendesign.com.br

  

Ainda outro livro de poesia, que vale a pena conhecer, é “Azul Instantâneo” (2018) por Pedro Vale (Portugal – Madeira). A poesia visual é muito importante neste livro e sem dúvida oferece uma diversidade na interpretação do que se pretende transmitir. Assim, não é de estranhar que o design gráfico da obra, nomeadamente na capa, apresente linhas tão simples, não ofuscando, de forma alguma, o conteúdo poético já de si tão gráfico.

 

IMG_6281azul2OK.jpg

 

Um poema, sem nome, a ler será:

 

Talvez um dia recordes

num qualquer espelho torto

quão simples fora a tua salva

e te lembres daquela vez

em que ceáramos apenas meia

laranja e nada de pão naquela casa cega

com o telhado a verter lágrimas

de fel.

 

E ainda este:

cresceaespuma.jpg

 

Para contactar o autor, recomenda-se o seguinte contacto: valedepedro@gmail.com

 

Finalmente, convida-se à leitura de um poema naturalista por Marcelo de Oliveira Souza, IwA (Brasil):

 

Venezuela!

 

Veneza pequena, está ela

Grande emblema, singela!

Motriz da América,

Via da janela.

Braço forte,

Com clientela

Petróleo bruto

Na cancela,

Estado ativo

Virando favela.

 

O Fruto Maduro

Sofre no duro

Distorce o futuro,

Nesse grande enduro,

Não tem futuro...

Sem cair do pé.

Ninguém acode

Nem perde a fé,

O povo grita,

O sofrimento irrita

Até um dia o fruto Maduro

Que apodrece a árvore

Cair na maré!

  

Venezuela!

 

Venecia pequeña, está ella

¡Gran insignia, sencilla!

Motriz de América,

Vía de la ventana.

Brazo fuerte,

Con clientela

Petróleo bruto

En la cancela,

Estado activo

Que se transforma en barrio de lata.

 

El Fruto Maduro

Sufre mucho

Distorsiona el futuro,

En ese gran testarudez,

No tiene futuro ...

Sin caer del pie.

Nadie ayuda

No pierde la fe,

El pueblo grita,

El sufrimiento irrita

Hasta un día el fruto Maduro

Que se pudre en el árbol

¡Caer en la marea!

 

Até breve.

Abraço.

Seleção dos textos - Concurso Literário "Natureza 2018-2019"

por talesforlove, em 19.12.18

Terminou a data limite para a submissão de textos ao nosso concurso e começou a seleção dos trabalhos. Desejamos a todos um Excelente 2019!

roda A5JPG.jpg

Até breve.

Dois poemas por Ricardo S. (Brasil)

por talesforlove, em 31.07.18
Devasso desejo!
 
O sono profundo toma conta do meu ser;
Vastos são os desejos que afloram no meu corpo ao fechar dos olhos;
O véu da noite brilha radiante; como uma raposa do deserto, eu farejo os teus rastros, sinto a brisa fresca carregar o teu perfume por quilômetros sendo impulsionados pela poeira levantada do teu vestido de cor vermelho escarlate;
Quando balanças teus cabelos e andas com teus passos largos, as flores em tua volta se envergonham com tamanha beleza e se escondem ofendidas;
Tu não és musa, não és miss, muito menos princesa, mas o teu peso, a tua presença física e o teu poder sobre a natureza e os mortais te dão status de Deusa!
No teu caminhar, até a tua sombra ganha vida, quando passas rente ao mar, o teu poder é sentido, deixando as ondas sem direção e longe da calmaria;
Tu carregas em teus braços o segredo da sedução e da servidão, a magia das ilusões, a chama que aquece os corações dos puros, o sono dos amantes e a chave do que se chama amor!
Tu atormentas os homens oferecendo desejos que jamais serão alcançados;
Por que carregar tantos corações apaixonados no teu manto sagrado da perdição, se sabes que todos os homens jamais irão possuir o que querem de ti?
 
Amor à primeira vista
 
Real e lúdico ao mesmo tempo, energia paralisada;
O mundo deixa os seus movimentos de rotação e translação para trás por alguns minutos;
É o começo de uma vida a dois, sabendo que vai dar certo antes de acontecer;
Troca de olhares cheios de mistérios e enigmas incompreendidos pela grande maioria dos seres vivos;
Momento natural e único, eternizado com o doce sabor do tempo;
Amor que já nasce com o tema de uma boa novela ou de uma bela poesia.
Privilegiados, são os que sabem amar com o soprar do vento no rosto, com o calor crescente tomando conta do corpo sendo acompanhado de batidas aceleradas do coração.
Amor a primeira vista, me perdoem os que nunca sentiram; confesso que é para poucos!
 
Até muito em breve.
 

Concurso Literário Internacional "Natureza 2017-2018"

por talesforlove, em 15.11.17

É com grande alegria que anunciamos o início do Concurso Literário Internacional “Natureza 2017-2018” o qual este ano decorre entre 1 de Dezembro de 2017 e termina a 1 de Fevereiro de 2018. A 19 de Fevereiro são anunciados os pré-finalistas e a 28 de Fevereiro os principais vencedores.

Referimos alegria neste anúncio porque este é o reencontro de todos nós nesta aventura literária que tem por um dos seus grandes objetivos sensibilizar para a proteção da natureza. Um reencontro entre amigos. Este ano, pelo menos em Portugal, as alterações climáticas são mais evidentes: os grandes fogos florestais de 17 de Junho e de 15 de Outubro, parecem provar essa realidade. O sofrimento das pessoas foi enorme e notar a substituição de um manto verde pela cor da cinza, é triste. No mundo, o facto de as concentrações de CO2 na atmosfera estarem em níveis muito elevados, só nos pode deixar também atentos.

É tempo de agir, pelo que fica aqui também o convite à vossa participação neste concurso e de seguida as condições de participação e outros detalhes.

 

Nesta edição, procuramos novamente HOMENAGEAR também a comunidade emigrante Portuguesa, através da homenagem a Shawn Mendes!

“Nunca Estarás Só (Escrito à mão)”

https://www.youtube.com/watch?v=N7VCLNBNJQs

 Sem, é claro, esquecer os que ficam em Portugal!

 

 

 

O vídeo de “Nunca Estarás Só (Escrito à mão)” tem uma proximidade com a natureza e uma imagem de uma floresta conservada e verde que só nos pode inspirar e a letra é muito apelativa. Com efeito, é importante que não estejamos sós neste trabalho em prol da natureza.

 

Fica a nossa tradução desta letra para Português:

Nunca Estarás Só (Escrito à mão)

 

Eu prometo que um dia eu estarei do teu lado

Eu te manterei sã e salva

Neste momento tudo é uma loucura

E eu não sei como parar ou ir mais devagar

 

Ei

Eu percebo que há muito para falar entre nós

E eu não posso ficar

Deixa-me apenas abraçar-te um pouco mais agora

 

Toma um pedaço do meu coração

E faz com que seja todo uma parte de ti

Assim, quando estivermos separados

Nunca estarás só

Nunca estarás só

 

Tu nunca estarás só

Quando sentires a minha falta, fecha os olhos

Eu Posso estar longe, mas não ausente

Quando adormeceres hoje à noite

Lembra-te que nos deitamos sob as mesmas estrelas

 

E, ei

Eu percebo que há muito para falar entre nós

E eu não posso ficar

Deixa-me apenas abraçar-te um pouco mais agora

 

Toma um pedaço do meu coração

E faz com que seja todo uma parte de ti

Assim, quando estivermos separados

Nunca estarás só

Nunca estarás só

 

Tu nunca estarás só

Tu nunca estarás só

Tu nunca estarás só

Tu nunca estarás só

 

E toma

Um pedaço do meu coração

E faz dele um pouco de ti

Assim, quando estivermos separados

Nunca estarás só

Nunca estarás só

 

 

Detalhes de Regulamento 2017:

  1. A participação neste concurso é gratuita.
  2. Qualquer pessoa de qualquer país pode participar desde que submeta trabalho redigido em português.
  3. Cada participante pode submeter um poema, sem limite de palavras, e um conto, com um máximo de 3000 palavras.
  4. Os trabalhos devem ser enviados por e-mail para Rui M. (ruiprcar@gmail.com) juntamente com nome, país, contacto electrónico. O assunto do e-mail deve ser “Concurso Literário Internacional ‘Natureza – 2017-2018’”.
  5. Os autores premiados finalistas têm direito a certificado em formato digital.
  1. Todos os poemas seleccionados serão publicados em antologia, a qual estará disponível em formato PDF (possibilidade de vir a existir em Windows), com um custo de 2,5 € (pagamento de donativo por PayPal). Após descontados os custos do concurso, o valor restante será utilizado na compra de árvores e sementes. Os autores premiados têm direito a uma versão gratuita.
  2. Data limite de participação: 1 de Fevereiro de 2018.
  3. Pré-finalistas anunciados a 19 de Fevereiro.
  4. Os resultados finais serão anunciados a 28 de Fevereiro em  http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/.
  5. O primeiro classificado de cada categoria terá direito a prémio no valor de 10 Euros.

 

Tema principal: "Proteção à natureza"

Tema de apoio: "A canção de Shawn Mendes"

 

 

Organizador do concurso:

Rui M.

 

Responsável do Júri:

Edweine Loureiro

Poeta e escritor Brasileiro radicado no Japão.

Premiado internacionalmente.

 

Principal patrocinador:

Rui M. Publishing

 

==================================

Parceiros iniciais 2017 (lista não definitiva):

  

1) Jornal Bom Dia - Luxemburgo

http://bomdia.eu 

 

2) Blog do Lucabe - Brasil

http://www.lucabe.com.br/

 

Este ano a App LinbonTourism em associação (sem custo; basta seguir botão lado esquerdo):

https://www.microsoft.com/store/apps/9nblggh3335s

 

Para nos seguir:

http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/data/rss

ou, no início do blog, submeter o e-mail e seguir os passos indicados.

 

Pinturas disponíveis:

folhas1withletters.jpg

flor1comletras.jpg

 

Contributos de autores

por talesforlove, em 02.11.17

Por Ester Galhardo dois poemas

 

A criação do mundo

 

Criou Deus no princípio o Universo em seis dos dias.
Era o mundo disforme e vago com negrume.
Mas pairava o Espírito n’águas arredias
E disse o Altíssimo: haja luz. E veio o lume.

E separou o clarão das trevas, dia e noite,
No primo dia. E houve, pois, tarde mais aurora.
Disse idem: haja firmamento na torrente
Chamando a base de Céu no dia de agora.

Por continuação disse nos dias seguintes:
Ocorra uma separação entre a água e o sedento -
Quer dizer, entre o mar e a plaga, o rio e os lotes –,
Produzam as planícies árvores e o mato,

Façam-se luminares no Céu, o sol e a lua,
Nasçam seres viventes no ar e ainda no mar
E ao ser terrestre: reproduza. A Terra é tua.
Viu então que era boa a feitura posta a amar.

Façamos, pois, o homem a nossa imagem e,
Conforme a nossa semelhança, disse Deus.
Governe sobre a Terra, do golfinho ao bode,
Das bestas das águas profundas e de Zeus.

E do barro montou Deus a um belo boneco
De contornos e sapiências a Ele iguais.
Por toda parte projetada de seu corpo,
Felicidade e devoção usava a mais.

O boneco era de estatura intimidante,
De perfeição a um pecador inesperável.
Era aos olhos de Deus um ser exuberante
Ainda que fosse por Ele reprovável.

Sabia o Altíssimo que o homem decairia,
Que pecaria na primeira tentação.
Mesmo assim as narinas Ele sopraria

Dizendo-lhe: é muito bom em exatidão.

 

Galhardo

 

Doces, as águas, das Minas Gerais,
Onde peixes subiam infinitos,
Alegres, nos gentis mananciais,
E vida permitiam aos distritos.

Agora, essa lama, vede! Olhais!
Carregada, corre, com mil detritos,
Radioativos, e, morte, provais.
Quem, pois, irá pagar por tais delitos?

-A natureza, com danos funestos;
-Os moradores, sem teto e comida;
-O Brasil, pela beleza perdida.

Pois vós, mesmo que em erro manifesto,
Governadores, em falta homicida,
Nunca tereis parte em ação vindita!

 

 

 


"Rondó do Planeta" por Mardenia Maria, publicado no livro em e-book “Sinta a CALIDEZ dos poemas” na Amazon.com
www.amazon.com.br/s/ref=nb_sb_noss?__mk_pt_BR=ÅMÅŽÕÑ&url=search-alias%3Ddigital-text&field-keywords=calidez&rh=n%3A5308307011%2Ck%3Acalidez

 

Rondó do planeta

 

O planeta está sofrendo
E nós desobedecendo
Jogamos lixos nas ruas
Com a chuva vai enchendo

O planeta está morrendo
E nós desobedecendo
Devastamos as florestas
E a terra vai se aquecendo

O planeta está sofrendo
E nós desobedecendo
Queremos tecnologia
Impactou o meio ambiente

O planeta está sofrendo
E nós desobedecendo
Os desastres naturais
Estão bem mais frequentes

O planeta está sofrendo
E nós desobedecendo
Tudo desequilibrado
Anseios prevalecendo
Resiliência humana!
Buscar tanta ostentação...
E será que vale a pena?

 

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D