Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor após Agosto. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor após Agosto. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

“Tons de Natureza” em Antologia Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 19.07.20

Hoje um poema de Lúcio, contido na Antologia Natureza 2018-2019, recorda o calor da natureza, a sua força e vida renovada. Existe uma beleza de paz, quando se observa o sol a passar por uma folha verde.

 

Tons de Natureza

 

Grama, sombra, folha e brisa

Sentado e pensando no que passou

Admirando o verde, a natureza

Eu sou "ela", ela "sou" eu ...

 

Água, corpos, calor e areia

O verão chegando, cores, sol e mar

Admirando a vista, a natureza

Tentando intensamente a vida gastar

 

Suor, montanha, cachoeira e árvores

Caminhando sem parar

Admirando a selva, a natureza

Antes mesmo de escalar.

 

Escalar? Meu Deus!

Céu azul e pássaros a cantar

Onde o céu encontra o chão

A vida parece por um fio estar!

 

Pois é ... Não há vida nesta Terra

Sem verde, sem mar e sem a natureza

Finalizo este poema exclamando

Respeite-a, ame-a e admire sua beleza!

 

Até breve.

“Dança das Flores” por Silvia F. em Antologia 2019

por talesforlove, em 16.07.20

Hoje partilhamos um poema presente na Antologia 2018-2019:

Dança das Flores

 

Vejo flores ao vento num jardim imenso
Elas dançam enlevadas
por esse som que o vento faz
Roçam-se, abraçam-se,
enroscam-se e beijam-se
E a melodia dos ventos,
as deixam ficar cada vez mais unidas
Bailam, contorcem, acariciam-se
 
Vislumbro outras flores
com seus sonhos e seus momentos
Esses, talvez, fiquem só na imaginação
Só no desejo, só no olhar
Porém existem e quem sabe,
em seu jardim,
até deixassem-se bailar
 
Aí, quando tudo vira calmaria
e o vento silencia
Cada uma retorna ao seu lugar,
e serenas, buscam novas emoções
 
Quem sabe a chuva...
A força da terra...
Ou o toque de um beija flor

 

Aé breve.

Poema de Eduardo Waack - "Vastidão" pela Natureza (Brasil)

por talesforlove, em 12.06.20

Hoje partilhamos um poema que é uma luta pela defesa da natureza, em toda a sua dignidade.

 

VASTIDÃO

 

Outra noite se perdeu,

De mim um pouco mais.

As pessoas falam de tempos futuros.

Que tempos seriam aqueles

Em que não nos matamos?

 

Vejo o inverno passar,

Não sei se sou ou se fui.

Que outras vozes seriam aquelas

Que não nos gritariam por justiça?

 

Eu acredito na fé que remove montanhas,

Embora tema os espinhos

E as farpas sonoras que cravam

Em meu corpo.

 

Infernos cotidianos crises opressões

Há quanto tempo abrimos nossos olhos

Nossas mentes

Há quanto tempo ainda assim

Somos tapados ignorantes, eu me condeno,

 

Resta-me o ocre veneno

Das línguas afiadas, a dor de uma paixão

Que não conhecerá mais cura

O abismo de gentes

A me provocar desertos.

 

Vieste florir esquecida

Nos jardins de minha vida.

As pessoas amam e destroem a natureza.

Onde estás, minha amiga? De qual

Árvore arrancada cantas para mim?

 

Até breve.

"Plantação" por Viviane P.

por talesforlove, em 03.06.20

Hoje fica aqui um belo poema Brasileiro.

 

Plantação

 

Tem gente que planta couve,

O outro nem sabe o que houve.

Outros  plantam solidão,

Mas há quem plante compaixão.

O outro planta uma serpente,

Outros plantam o bem na gente.

Alguns plantam só tristeza,

Outros não! Plantam leveza.

Se aqueles plantam dor,

Outros tantos  só amor!

E, parando a comparação,

Vou abrir  meu coração:

Se aquele planta dores,

Perdão!

No meu canto eu planto flores!

 

Até breve.

Poesia, Alimentação I, Inspiração

por talesforlove, em 03.05.20

A poesia, podemos dizer, tem algo a ver com a alimentação, na medida em que, em boa medida, é também um ato de saborear. Como curiosidade podemos ler o seguinte poema de Fernando Pessoa, em que “a alimentação surge como algo bebível”.

 

Bocas roxas de vinho

 

Bocas roxas de vinho

Testas brancas sob rosas,

Nus, brancos antebraços

Deixados sobre a mesa:

Tal seja, Lídia, o quadro

Em que fiquemos, mudos,

Eternamente inscritos

Na consciência dos deuses.

Antes isto que a vida

Como os homens a vivem,

Cheia da negra poeira

Que erguem das estradas.

Só os deuses socorrem

Com seu exemplo aqueles

Que nada mais pretendem

Que ir no rio das coisas.

(29-8-1915)

http://arquivopessoa.net/textos/2969

Odes de Ricardo Reis . Fernando Pessa

 

 

 

 

Alimentação 1

 

O livro “Desperdício alimentar” (Setembro 2018), por Iva Pires, fala-nos do lixo que criamos ao desperdiçar alimentação, muita dela em bom estado mas que perdemos por fazermos as más opções ou simplesmente por descuido. Muito curioso é referir a escassez e o aumento de preços que surge normalmente em épocas de crise ou convulsão, como a 2ª Guerra Mundial ou a recente Crise Financeira Internacional, ambas a fazer recordar, em parte, a situação que vivemos nos nossos dias com o Covid-19. Até ao momento não podemos dizer que já se tenha verificado um aumento generalizado de preços, eventualmente porque a pandemia ainda é recente ou porque o contexto é muito diferente.

Acresce que no livro ficamos a conhecer uma certa perspetiva das fontes ou causas desta realidade e verificamos que em 2010, 53,6 % deste desperdício, estava diretamente relacionado com as famílias… Ou seja, existe aqui algo em que todos nós podemos contribuir enquanto pessoas autónomas e livres. Podemos, quem sabe, imaginar de novo a nossa forma de cozinhar, por exemplo, e porque não, fritar umas cascas de batata bem lavadas? E quem sabe temperá-las com uma pitada de sal e pimenta? Imaginar de novo a nossa cozinha não tem de ser algo enfadonho, pode mesmo ser divertido! Outra sugestão será fazer iogurtes de sabores, com pedaços, se quisermos, e depois utilizá-los para misturar com chantili e rechear um bolo delicioso!

 

Não há dúvida que a alimentação é central nas nossas vidas, que nos permite viver biologicamente, e chega mesmo ao ponto de ser responsável por doenças se em excesso (obesidade) ou em defeito (avitaminoses). Todavia, mesmo antes de uma fruta ser comestível, podemos dizer que já nos alimenta, quando contemplamos um campo florido ou respiramos o oxigénio que as árvores frutíferas produzem. Em próxima publicação vamos olhar com algum detalhe para o ato de plantar uma árvore.

 

Ficam ainda dois poemas “saborosos” e uma imagem inspiradora.

 

Estrelas novas

 

Venham estrelas novas

de constelações distantes.

Sonhei estar convosco,

pisar as vossas terras planetárias,

planícies imaginárias,

cores que me acariciam e inspiram.

 

Imagino-me a sofrer convosco as distâncias

inatingíveis, os planaltos de luz noturna,

os verdes a ser um dia,

o querer sem poder ser além.

Uma água cristalina como a lonjura,

uma verdade plena e doce como o luar.

 

 

Por Karina I.:

Sob Pedras e Flores:

 

Vou colher um canteiro inteiro

Só com as flores que tenho a jogar.

Já que as pedras só me machucam

Ao menos há algo a me consolar!

 

Porque com pedra sobre pedra

Uma muralha eu já construí

Estou cercada em minha própria cidade

E já não há mais para onde partir.

 

Jogue flores, quando vierem as pedras

Assim diz o ditame popular

Mas vejam as pedras no meio dos rios

A água passa, e elas continuam por lá.

 

Versos curtos, versos longos

o que me importa?… ainda há salvação?

Vou rolando com minhas pedras

E assim seguindo, com minha nobre missão:

                                                                                tecer poesias!

 

a esperanca é uma flor reguea.jpg

 

Até breve.

"Tudo é possível" poema de São Gonçalves (2015) e Conselho Covid-19

por talesforlove, em 13.04.20

Apresentamos o poema vencedor do Concurso Literário em Homenagem ao Senhor Manoel de Oliveira, Cineasta Português:

 

Tudo é possível
 
tudo é possível quando a esperança se cola à vida

no passar dos anos, décadas desfilando

num olhar atento ao mundo

à memória,à historia de um pais amado,revisitado!
 

Tantas histórias contadas na tela de cinema

a vida,o drama ,a comédia

a luta infinda dos homens de fé


transmutações de vida, de sonhos

o silêncio impenetrável nas horas de criação

centenária a vida de um homem

 
a magia  do cinema transmitida de geração em geração!

 

Fica aqui também um conselho para quem deseja desinfetar uma superfície e tem água oxigenada em casa, a qual está num frasco com indicação de fora de prazo. Com efeito, a água oxigenada, ou peróxido de hidrogénio, degrada-se rápidamente após o frasco aberto e mesmo que não seja aberto, este líquido degrada-se a um ritmo aproximado de 0,5 % ao ano. A melhor forma de o testar será derramar um pouco e verificar se ainda faz borbulhas, sendo que se ainda produz borbulhas então está em condições.

Para mais detalhes recomenda-se o seguinte texto:

file:///C:/Users/Rui/Desktop/H2O2%20Hydrogen%20Peroxide.pdf

Até breve.

Foto do Zoo de Lisboa (3) e um Poema

por talesforlove, em 18.03.20

A 12 de Março no Zoo de Lisboa.

Zoo 3 30.jpg

 

Em verde e cinza

 

A cidade que ignora a natureza

ignora a dádiva do oxigénio...

A natureza que ignora a cidade

ignora um dos seus belos frutos...

 

Cimento, areia, água, prego, aço frio,

movimento, ceia, mágoa, dor, amor...

Flor, planta, ave, humano, condor,

Todos, pedaço ao largo de rio...

 

Entre a cidade e a floresta

há mais em comum que pedaços frios:

Existe o calor do sonho,

sem tempo, morada ou resignação!

 

a 25 de Abril de 2017

 

Até breve.

Foto do Zoo de Lisboa (2) e um Poema

por talesforlove, em 17.03.20

Uma outra foto no Zoo de Lisboa a 12 de Março de 2020.

Zoo 2 30.jpg

Dislexia semântica

 

Há a frustração do correr mas jamais chegar.

A castração da criação pedindo perdão.

O impulso súbito de não querer ser em vão.

A travagem brusca de quem se quer deitar.

 

Há a inconsistência de amar a vida e a morte,

De quem por Destino aceita a tal sorte

E ainda o florido imenso do Alentejo

E ainda a ausência de quem já não vejo.

 

Mas há ainda a força das palavras

A força da fonte que jorra no Verão

E o vermelho rubro do sangue do meu coração.

 

E há o trocar do sofrer por sofrer

Pelo eterno amanhecer, renascido,

De quem perdura por tanto escrever...

 

Até breve.

Foto do Zoo de Lisboa (1) e um Poema

por talesforlove, em 16.03.20

No Zoo de Lisboa a 12 de Março 

zoo1 30.jpg

 

Branca Flor

 

Também tenho uma rosa branca para ti.

É a mais bela flor que já vi.

As suas pétalas são doces: come-as...

A sua cor é pura: concorda e observa-as...

 

Pega nela com cuidado e crê.

Cheira-a e deixa-te enlevar,

Pelo clamor de quem primeiro a vê,

Pela resignação de quem se deixa levar.

 

Mas, o caule que lhe dá vida tem espinhos.

E o branco suja-se mais depressa...

E és tentada a com ela beber doces vinhos...

 

Mas, a sua beleza consola-nos, não é?!

E a sua cor de neve é doce e leve,

Ainda que a sua vida seja de estames e breve...

 

Até breve.

Poema "Verdes recortes" por Rui M.; Bruno Nogueira e a Austrália

por talesforlove, em 24.02.20

Hoje surge um novo poema, pelo autor do Blog.

Adicionalmente, fica um programa de rádio do Humorista Bruno Nogueira, em que, em Tubo de Ensaio, no dia seguinte ao Dia de Reis, nos fala, sobretudo, dos Incêndios na Austrália. Afinal, um exemplo, de como se pode olhar com algum humor uma tragédia e assim, respirar e seguir em frente. Há que evitar tragédias iguais, ou similares, no futuro.

 

Verdes recortes, por Rui M.

 

Uma noite fotografei folhas pelos céus...

Veleiros negros, recortados de luar

e todo eu me evaporei naquele frio,

de contraluz, de imensidão e proximidade.

Senti-me como se já não estivesse ali,

Mas sim no firmamento, longe...

 

Sôfrego expirar de calor...

 

Na lente da máquina retive-a num momento,

mas está lá, eternizada para quem a quiser ver;

a Árvore empresta os ramos, eu as mãos,

Deus a luz, a lua seduz e nós,

os outros: a ilusão, que pinta de magia,

esta vida que em nós nasceu, um dia.

 

Aqui o Tubo de Ensaio de Bruno Nogueira.

https://d2al3n45gr0h51.cloudfront.net/ngx-audio/2020/01/tubo7_20200107014059/mp3/tubo7_20200107014059.mp3

 

Até breve.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D