Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Julho e Agosto 2019: Seca em Angola, Fogos em Portugal, Vaga de Calor na Europa e Calor em Nova York (1)

por talesforlove, em 26.07.19

Neste preciso momento, praticamente em simultâneo, verificamos seca em Angola (estará o deserto do Namibe a crescer?), fogos em Portugal (teremos nós percebido os reais impactos da alteração climática, ou será apenas o mal dos eucaliptos?), uma vaga de calor na restante Europa (iremos no futuro, nós em Portugal, de férias para o Reino Unido para ter dias de calor e um verão azul suficientemente longo?) e o calor em Nova York (será normal?). Esta é apenas uma observação, sem respostas, apenas perguntas e percebemos que muitas vezes a pergunta é ainda mais importante que uma resposta.

Este é mais um texto neste blog, para nos fazer pensar, nada mais. Estamos já de seguida a ler poesia, talvez a suavidade das palavras nos inspire.

 

Peixinhos, por KARINA ALDRIGHIS

 

Peixinho dourado,

Peixinho listrado,

Borbulha no aquário

Blu, blu, blu, blu…

 

Batendo no vidro,

De um lado ao outro,

Ele fica nervoso!

Blu, blu, blu, blu…

 

Nadadeiras em riste,

Cauda empinada,

Nado sincronizado.

Blu, blu, blu, blu…

 

Algas no aquário,

O baú do pirata

A ostra gigante.

Blu, blu, blu, blu…

 

Ele abre e fecha

Sua boca engraçada,

E borbulha hilário!

Blu, blu, blu, blu…

 

Com pedrinhas ao fundo

Multicoloridas

Ele sobe e desce.

Blu, blu, blu, blu…

 

Não cansa de viver

Em um mundo quadrado

De vidro transparente?

Blu, blu, blu, blu…

 

Até agora que eu saiba

Nenhum morreu afogado,

Que fato inusitado!

Blu, blu, blu, blu…

 

NOTA: Do livro “Ninho de Borbuletas” (2018), com tradução para Inglês por Leandro Monteiro

 

Amizade de Verdade, por Marcelo de Oliveira

 

Amizade de Verdade

Tempestade,

Luta, letargia

Aborrecimento todo dia

Quem diria...

Que a amizade sobrepõe a tudo

Tudinho...

 

Fortalece, quando de verdade

Nem sempre a gente sabe tudo

Nunca a gente sabe nada

Mas o que sempre sabemos

É que a amizade de verdade

Fica para sempre.

 

Nota: Instagram de Marcelo de Oliveira: marceloescritor

 

Dois discursos por Greta Thunberg (Suécia - em Inglês com legendas)

UN COP24 - Discurso de Greta Thunberg (com legendas)

https://www.youtube.com/watch?v=EpvuS0EbywI

 

https://www.youtube.com/watch?v=H2QxFM9y0tY

 

 

Ainda, embora sem legendas (dublagem), fica este vídeo para podermos perceber a dimensão das manifestações inspiradas por Greta Thunberg. Sem dúvida, um movimento único e oportuno.

https://www.youtube.com/watch?v=uRgJ-22S_Rs

A Antologia "Natureza 2018-2019" estará disponível no final da próxima semana.

Até breve.

Poema de Verão - Um simples dia

por talesforlove, em 14.07.19

Um simples dia

 

Sol

nuvem

céu

Assim é o dia,

ilusão de luz,

tempo de rir,

vontade de partir.

ceu1.jpg

Até breve.

1 de Maio de 2019: Poesia e o Livro "Rosa Branca Floresta Negra"

por talesforlove, em 01.05.19

 

Alguns Poemas

 

"Mitocôndrias", Por Viviane P. (Brasil)

 

 

É até estranho falar que  existem dentro de mim coisas tão pequeninas.

Elas se ajeitam e  fazem tudo acontecer em minhas  células.

Sem que eu o sinta,  enquanto  aqui fora a vida  acontece também.

Não, não  é simples assim, a meu ver....

Há um conjunto de fatores que  transforma esta organela celular em algo importante.

Nesta  energia que meu corpo precisa tanto!

Engraçado isto.

Pensei que a energia de que falo fosse fruto de meus pensamentos!

 

Na verdade, as tais  mitocôndrias é que são as baterias do meu viver!

Sim, estes  fios granulados , dinâmicos, sempre metabolizando ,

Quebrando carboidratos  e ácido graxos geram energia em mim!

Sim! Estão  relacionadas com a produção de energia para a célula,

Um processo conhecido como respiração celular.

E, até nos gametas estão, pois   garantem   sua capacidade de locomoção.

 

Mas, afinal, e eu?  O que sou  então?

Nada mais  que um indivíduo  que cria confusão,

Que cria medo, vingança, ódio e paixão!

Quisera ser mitocôndria  no mundo, energia geradora de vida,

No trânsito, no trabalho,  em casa,  na avenida......

Mas, como qualquer um  inserido no contexto social,

Me limito , entre acordar e dormir,  a fazer o mal.

Com tanto estrutura  em mim ( como lamento),

  Não sou capaz  de gerar energia para o bem!

Pobre de mim, ser civilizado,

Procurando mitocôndria onde ninguém tem!

 

 

 

Um poema por Regina G. (Brasil)

 

O silêncio tece o tempo.

Mansos os rebanhos,

plangentes os chocalhos.

A melancolia funde-se com o pó

que se evola do chão.

              Esparsa, a sombra dos arvoredos.

Muros de xisto, centenários,

   ostentam flores róseas nos silvedos,

anunciando as negras amoras

que aguardam o Verão.

Colho uma.

Tépido, um fio de sangue 

desponta na mão.

                in Quando o mel escorre nas searas

 

 

"IDAI!", por Emerson Zulu (Moçambique)

 

Porquê devastas a minha terra
E me torturas depois de ter sido palco de uma desnecessária guerra
Porquê tu matas as cenas?
Tu me darás as pernas?
Porque os seus ventos fortes
À pista do zinco desgovernado, a elas amputaste

E daí se amo ficar a Beira do mar
Tinhas é que me atirar por baixo da árvore?
Ou lançar sobre mim a parede que jurei erguer para oprimir a minha vergonha!

IDAI!
Ainda evocas a fúria das águas
Para arrastar os corpos por si estatelados no seu grito de mágoa
Veja a minha CHIVEVE, para um passeio já não serve
Veja a minha MUNHAVA
A sua cumplicidade já não caça o Mbava

IDAI!

Sabes tu o valor de uma vida?
Vejo me em dívida!
Porque a minha colheita tu e as águas destruíram
Como farei então para pagar a dívida que os outros contraíram
Te lembraste de ventanejar com força nos bolsos dos políticos
Como na maternidade o fizeste?

Sem vergonha…!

Aos mortos mataste continuamente
Nem em casa mortuária te convenceste
Ao corpos as paredes derrubaste
Lá vai o pranto malvado e veloz
Exumar as sepulturas
Destruir as infra-estruturas
E ainda apagar a Luz
Para no sombrio envergonhares a nossa espécie

Inundações!
Vocês serão a educação para minha geração?
Porque nesta noite te fizeste de mansinho para melindrar o meu coração.
Acaso devo eu a ti alguma justificação?
Veja quão descomunal é o meu aparecimento
De que te ergues tu com o nosso sofrimento?

Vai para onde não desabroches mais
Vai que a ti mesmo te sufoques da sua fúria
Para que a minha nação outra vez sorria.

 

Um Segundo olhar sobre “Rosa Branca Floresta Negra”

 

O Livro “Rosa Branca Floresta Negra” também suscita interesse porque tem uma dimensão ecológica que desde logo cativa e envolve, começando pelo seu título que nos dá uma pista sobre a sua apologia implícita de defesa da natureza, que nos embala ao longo das nossas vidas tal qual ao longo desta história. É verdade que, aquando da instrução militar dada a John, o aviador norte-americano caído na Floresta Negra, se refere que a natureza tanto nos pode ajudar como voltar-se contra nós e por isso devemos estar sempre atentos, e também é verdade que se nomeia a guerra como um “animal feroz”, mas é a esta natureza em parte “neutra” em parte “benévola” que devemos as nossas vidas.

A Rosa Branca não é aqui apenas um nome puramente estético, cativo da beleza que nomeia, nem sequer unicamente um símbolo no contexto histórico das vivências que a autora nos propõe no decorrer temporal desta obra. É muito mais que isto, é mesmo algo intemporal. Na Antiguidade, era uma flor consagrada a deusas da mitologia, como Afrodite, a deusa Grega do amor, que seria Vénus para os Romanos. Afrodite teria nascido da espuma do mar e esta tomou a forma de uma rosa branca, significando pureza e inocência. Mais tarde, durante a Idade Média, a rosa, independentemente da sua cor, ao ser colocada no teto da sala de reuniões significaria o segredo relativo a tudo o que ali fosse falado. Atualmente, pode significar charme, humildade, pureza, verdade, segredo, jovialidade, sendo para a Igreja, símbolo da Virgem Maria. Sem que seja revelado o porquê de termos Rosa Branca no título do livro, podemos já tentar adivinhar o motivo e acreditar que ele é positivo. Todavia, não o revelarei aqui.

A Floresta Negra deve o seu nome ao verde-escuro dos seus pinheiros, o qual não evita a beleza da sua paisagem, garante quem a já visitou pessoalmente, e não emocionalmente, como a maioria de nós. Trata-se de um local com mística e inspirador de alguns contos tradicionais muito antigos. Esta floresta, em pleno Inverno, não irá dar alimento a Franka e John, mas sim abrigo, ou seja, permite-lhes preservar a vida e mesmo a neve e o gelo ajudam a camuflar a sua existência vulnerável e quase invisível. E esta observação é mesmo assim, porque, este não é um livro que se pretenda afastar da realidade; é a própria autora que logo no início nos diz que a narrativa é inspirada em acontecimentos reais, embora alguns factos e datas tenham sido alterados em seu benefício.

Assim, seres vivos como a rosa e os pinheiros da floresta, são elementos fundamentais desta história, por vezes mais aventura, por vezes mais romance. Biologicamente são-nos complementares, pois libertam o oxigénio que nós “consumimos” e consomem o dióxido de carbono que nós “produzimos”. Emocionalmente são-nos benéficos, na medida em que nos amparam nos momentos de maior debilidade, caso tenhamos a oportunidade ou bênção de os ver. Nesta obra, homens e plantas surgem num mesmo contexto histórico, ao mesmo nível de reflexão e esperança num futuro de paz e serenidade. A confiança entre estranhos e entre homens e natureza, em tempos de guerra, é também central neste livro, e a sua construção surge de forma gradual, tal qual o fim do Inverno e das neves, e é por tudo isto que este livro, na sua simplicidade e profundidade, se revela fascinante.

 

Alguma Bibliografia:

ASTROCENTRO (Acedido 16 Abril 2019); “Significado de Rosa Branca”; https://www.astrocentro.com.br/blog/bem-estar/significado-rosa-branca/

RETRATOS E RELATOS (Acedido 16 Abril 2019); http://retratoserelatos.com/quem-tem-medo-do-lobo-maulobo-mau/

 

 

(2/2) Dedicado ao meu Amigo André Mendes

 

Saxophonist Amy Dickson - Philip Glass' Violin Concerto No 1. - Exclusive C Music TV video

O link: https://www.youtube.com/watch?v=ZdUWPA_AX6o

 

Até breve.

 

 

Poemas Vencedores - Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 28.02.19

Finalmente, anunciamos os vencedores da Categoria Poesia, para a Edição 2018-2019 do Concurso Natureza.

Poesia:
“Vida ao vento” Bárbara Rocha de Brasil - 1º Lugar
“Submarino” por Renato TouzPin de Brasil - 2º Lugar
“Chuva” por Maria Catarina Canas de Portugal - 3º Lugar
 
 
Menções honrosas:
 
“CHAYA” por Anna de Freitas de Portugal
“Preservação da vida” por Cristina Cacossi de Brasil
“O Cosmonauta e o Poeta” por Paulo Caldeira de Brasil
“Dança das Flores” por Silvia Ferrante de Brasil

 

Parabéns a todos os vencedores e vencedoras.

O Concurso Natureza tem feito um percurso de reconhecimento dos autores e autoras que acreditam nesta aventura literária e sobretudo acreditam num mundo diferente, em que o ambiente e a sua preservação, por ser central para o nosso bem estar, tem um papel central nas nossas vidas, enquanto comunidade global. 

Muitos trabalhos serão aqui divulgados, ainda que não premiados com primeiros lugares, assim os(asautores(as) assim o autorizem. 
Até breve e boa escrita.

 

Um poema de Natal por Marcelo Souza (Brasil)

por talesforlove, em 24.12.18

Sonho de Natal 

Muito cansado 
Com o corpo esmaecido 
Voltei do centro animado 
Com as compras do Natal. 

Recolhi-me para dormir 
E tive um sonho encantado 
Onde cada presente comprado 
Ia diminuindo até sumir. 

Ao passo que o presente 
Ficava ausente 
Um necessitado 
Deixava de sofrer, ficando contente! 

Jesus Cristo abençoou 
Todos que estavam em angústia 
E o solitário ficou solidário, 
Esquecendo dos seus problemas. 

O doente voltou ao normal 
E o violento comemorou sem igual 
Num sonho de Natal 
Onde nada é impossível, 
Nada é normal... 

Só basta a gente sonhar 
E realizar, mexendo com as emoções, 
Pois o sonho de amar 
Está incrustado em nossos corações. 


Até breve.

Poema - "Va pensiero…" por Regina Gouveia (Brasil/Portugal)

por talesforlove, em 04.12.18

Va pensiero…

Outrora, cruzavam os mares barcos negreiros apinhados de gente

espoliada de tudo- dignidade, crença, família, nome, terra.

Na bagagem levavam apenas revolta e saudade.

Oh mia patria, sì bella e perduta!....

Não imaginavam para onde iam, não sabiam por que razão partiam.

Esperavam-nos o tronco, as minas, os engenhos, a violência,

a discriminação, a mais desumana crueldade.

Di Sionne le torri atterrate …

Hoje, outro mar, outros barcos, igualmente apinhados de gente.

Fogem da violência, do terror, do medo, da fome, da guerra,

Levam na bagagem a esperança de uma vida decente.

O simile di Solima ai fati, traggi un suono di crudo lamento…

Por vezes cúmplices, tempestades, ventos indómitos,

mar revolto e sobranceiro, ondas altivas, poderosas,

tragam, vorazes, barcos e vidas, num repente.

Arpa d'or dei fatidici vati, perché muta dal salice pendi?

Hoje, como outrora, Neptuno, Poseidon, Éolo e outros deuses mais,

não importa a heteronímia, assistem impassíveis a toda a ignomínia.

Hoje, como outrora, indiferentes à brutalidade e ao horror,

homens oprimem outros homens sem o mínimo pudor.

Efémero poder…. Extinguir-se-á na inevitável hora da partida.

Va pensiero sull'ale dorate.…

Qual bálsamo, a música de Verdi permanecerá dulcificando a vida.

 

Até breve.

Quase lá.

por talesforlove, em 04.10.18

Quase lá.

Mais um concurso literário,

dias, noites e estrelas de calor, cá,

um ano decalcado em letras, à porta,

pretas, azuis, vermelhas, ondas espetrais;

as palavras, as tais, que só o seu significado importa,

se denota em cada sonho. Profundo. Livre.

 

Até breve.

Um poema...

por talesforlove, em 19.07.18

Imaginem-me Verde…

 

(Parte I)

Verde, como uma árvore de raízes enterradas,

Em água gelada no Verão, terra, húmus e pedras aladas,

Que os teus olhos jamais verão,

Porque esta estação é só minha:

Reflexo nos meus olhos, meu coração,

Na qual sou fixo, Vida que não caminha.

 

Imaginem as minhas folhas no céu,

O vento a tocá-las como a um instrumento musical,

A tocar, a tocar, a tocar… Por séculos

e séculos, e Verões, Outonos, Invernos

e Primaveras sem fim…

E deita-se no chão um corpo, e outro,

e sentam-se, e ambos são elevados pelo

som. Lhes dá paz; infinda.

 

Imaginem as minhas folhas no céu,

um instrumento musical, dedilhado pelo vento,

por séculos, a tocar, a tocar, a tocar,

Invernos, Verões, só estas duas estações,

e tempos sem fim…

E enlevados pela música são dois corpos:

um sentado, olha o céu, filtrado por mim,

o outro, de pé, olha em redor e para cima,

ambos em paz. Universo feito de paz…

 

Por Rui M. a 19 de Julho 2018

Poema "Incêndio" por N. Lopes - Recordando os Fogos de Pedrógão

por talesforlove, em 17.07.18

 

Incêndio
 
Esta sombra encarnada de sangue
agarrada aos passos desta gente
é agora sofrimento bumerangue
um vai e vem da dor que se sente
 
É sofrimento do tamanho do céu
caído nas cinzas que se respiram
cobrindo as almas com um véu
dos corpos que daqui partiram
 
E é de lavaredas este interior terra
acesas no peito dos que a sentem
gritos ouvidos dos vales até à serra
na suplica a Deus que os afugentem
 
Aí fogo queimado para sempre aceso
aí chuva semente de sangue corrente
trás tu a liberdade a este povo preso
ao trauma do corpo e de alma doente

 

E que de ti se construa nova esperança
levantando a sombra que lhe dá o corpo 
renascida natureza que o sentir alcança
sol e terra semente de vida pelo morto 
 
E que dessa dor de incêndio profundo
se salvem as grandes pedras brancas
como pombas de esperança no mundo
fechando as portas da dor com trancas

 

Boas leituras e até breve.

 

 

Em Abril 2018

por talesforlove, em 01.04.18

Abril de 2018 recebe-nos de braços abertos. É tempo de partilhar o poema vencedor do Concurso Literário, e apresentar um olhar sobre a novela "O outro lado do paraíso" e ainda contribuir, um pouco, para ultrapassar o problema da vespa asiática.

 

O poema vencedor do Concurso Literário "Natureza 2017-2018"

 

As tempestades de areia

 

O deserto como um mar
(substrato: o sal universal: medula)
E o avolumar de suas ondas-dunas
E os vales lacunas entre outras dunas.
Oceano messiânico alastrando-se
                                             invadindo
                                                   propagando

                                                         (propaganda)                                                                                                                

 

Khamsin. Simum. Ghibli. Harmattan.
Legião tentacular endiabrada a esbravejar:


                                                 ¡A-VAN-ÇAR. EIA!


                                                                 ¡ A-VAN-ÇAR. EIA!


                                                                            ¡  A-VAN-ÇAR. EIA! 

                                                                                                             

Tal qual o degelo dos blocos de matéria-outra
De matéria-areia
Expandisse e dilatasse suas beiras
                                                       margens
Para muito além de seus próprios limiares
                                                                      orlas
Um Midas não-aurífero, arenífero
Tudo ferindo num ferino açoite ensandecido
Até que o globo circunscrito a uma-una camada tênue
Totalitária tessitura de clausura rasa
Cedesse enfim à ambição da abolição de todas as fronteiras
E instituída a tirania da saciedade
Em que tudo é deserto e nada foge:
Cárcere sem grades. Cânceres sem grades. Metástase

 

Por Arzírio Cardoso - Brasil

 


Um breve olhar sobre a novela Brasileira "O outro lado do paraíso" (atualmente em exibição no Canal SIC em Portugal)

 

Tocante e comovente, estamos perante uma história a fazer-nos sonhar com o lado bom do Brasil.
Podemos olhar para a luta ou dilema, entre a possibilidade de exploração de esmeraldas na terra rural, longe da cidade, e a possibilidade de manutenção de tudo como está, nessa mesma região. Vislumbra-se um pedaço de luta pela conservação da natureza: será mais valiosa a paz e beleza daquelas terras ou a riqueza material que estas guardam? E, todavia, também as esmeraldas possuem uma beleza muito própria.
A poesia das paisagens e dos passeios pelos quais as personagens nos levam, será como uma mensagem subliminar: "Venham até aqui". O verde da floresta e matiz esverdeado e cinza dos rios, preenche-nos de curiosidade por um calor muito distante. Uma paz morna, por vezes, de "eterno" verão. Tudo isto nos é mostrado e dado a sentir, com o auxílio de imagens, algumas delas panorâmicas.
A apresentação da novela é um aperitivo para o que se segue. A letra da música contém uma mensagem ética que de certa forma funde a natureza da paisagem à nossa natureza interior; a humanidade. A natureza selvagem surge com uma dimensão divinizante de si própria e dos personagens que a têm como palco das suas vidas. A câmara de filmagem "corre" pelas paisagens, tal como os nossos olhos levados pelo exercício da imaginação ao longo desse "modelo" perfeito para uma verdadeira obra de arte.
Esta novela leva-nos a paisagens tão próximas do âmago do ser humano que a natureza nela retratada não se separa do sentir das personagens, incluindo o da personagem principal: Clara. Existe, sente-se, um "ser de arte", no sentido metafísico, tal como Diderot (1751-1772) a definiu na Encyclopédie ou Dictionnaire raisonné des sciences, des arts et des métiers. Porquê? Porque, por vezes, a história nos leva a sentir no limiar do surpreendente, no limiar do que não esperamos. Afinal, como se pode esperar vivenciar tantos sentimentos através de uma história imaginária, transposta para o ecrã? Afinal, estávamos enganados, foi possível.

 

 


A tragédia da vespa asiática em Portugal (velutina nigrithorax)

 

Como o nome indica, a vespa asiática é originária da Ásia, em concreto, da Ilha de Java (Indonésia). Atualmente, tem ameaçado seriamente a vida das abelhas europeias produtoras de mel pelo que têm sido feitos alguns estudos com o objetivo de saber melhor como a controlar e eliminar. Em particular, o ciclo biológico das vespas é muito útil conhecer: com efeito, entre Setembro e Fevereiro, as obreiras morrem e as novas vespas fundadoras hibernam; entre, Abril e Maio, estas vespas fundadoras começam a construir ninhos primários, usualmente com forma esférica, com diâmetro de cerca de 50 mm; depois, entram as novas colónias em atividade total, sendo nesta fase que se tornam uma grande ameaça a outros insetos.
Como a combater?
Além de armadilhas compradas em casas de apicultura, existem ainda iscos artesanais feitos com: i) água de derreter cera de favos velhos, e o seu pólen, após fermentação, para não atrair abelhas; ii) mistura, em partes iguais, de groselha, cerveja preta e vinho branco.
Para a destruição dos ninhos devem-se contactar as Câmaras Municipais.
Esperamos que este seja um pequeno, mas eficaz, contributo para salvar a abelha doméstica.

 

 

Um obrigado Stephen Hawking pelo exemplo de perseverança e pelo bom humor.

 

220px-Stephen_Hawking.StarChild.jpg

 


Obrigado e até breve.

 

Nota: Para subscrever este blog, por favor, coloque o seu e-mail na caixa no topo e siga os passos, após clicar em "subscrever".

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D