Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A nossa Antologia Natureza

por talesforlove, em 18.11.21

Bom dia.

É com enorme satisfação que partilho a capa da Antologia Natureza, pela primeira vez em papel. Evidentemente, em papel reciclado! Contém alguns poemas e contos dos Concursos Literários e ainda sugestões amigas do ambiente.

Em caso de interesse, o contacto encontra-se no topo do blog.

imagemreduzida.png

Assinala-se ainda a data de nascimento de José Saramago, a 16 de Novembro.

Até breve.

Fogo de Vulcão e Fogo da Humanidade

por talesforlove, em 01.10.21

Recentemente, a erupção de um vulcão em Las Palmas, Ilhas Canárias, tornou evidente que existe poluição de origem natural e com impacto na saúde humana. Um artigo científico, sobre a atividade vulcânica nos Açores e seu impacto na saúde humana é o seguinte: "Sleeping volcanoes, awaking health issues: the hazardous effects of hydrothermal emissions on the human respiratory system" por Patrícia Garcia et al.. Infelizmente, este trabalho encontra-se apenas disponível em Inglês. Neste texto refere-se o impacto da poluição atmosférica através das vias respiratórias. Para evitar os efeitos nefastos, sugere-se, por exemplo, que quem vive em habitações térreas durma nos pisos superiores.
No conto seguinte, incluído na Antologia Natureza 2020-2021, refere-se um outro fogo, causado por ação humana. Também ele igualmente perigoso... Entretanto, fica a nota que ainda não foi possível iniciar a publicação de um conto em parcelas, periodicamente, tal como já referido anteriormente.

 

“Projecto Urano” por Alberto A.


Nos anos 1980-2000, a região do Corno da África foi “terra de ninguém”,
afundando sempre mais em uma sangrenta guerra civil. O tráfico ilegal
fundara por aí o paraíso internacional das descargas de lixo. Barcos,
carregados com lixo tóxico e radioactivo, viajavam da Europa em
direcção ao Oceano Índico. Recifes, caranguejos, lagostas, conchas do
mar, palmeirais e manguezais, o perfume de incenso e mirra, as memórias
épicas de comerciantes e viajantes... Todo aquele mundo ficou poluído,
submerso sob montes de lixo tóxico e radioactivo. Os marinheiros
pagavam as consequências, quando tomavam banho no mar.
Para resolver os problemas da poluição radioactiva na Europa, um
engenheiro realizou o “Projecto Urano”: torpedos, carregados com
escórias radioactivas, eram jogados no fundo do Oceano, ao longo das
praias da Somália.
No mês de Dezembro de 2004, um terremoto sacudiu a ilha de Sumatra.
Vagas gigantes, com até trinta metros de altura, atravessaram todo o
Oceano Índico. Houve quase trezentos mil mortos, mas as perdas ao longo
da costa africana não foram graves, pelo menos não em termos de vidas
humanas. A maré do maremoto arrasou e deslocou milhares de metros
cúbicos de areia, destruindo grandes extensões de recifes de coral,
trazendo à luz tambores, torpedos e recipientes de resíduos perigosos.
Muitos daqueles recipientes começaram a flutuar, abrindo-se e
derramando seu conteúdo nas praias.
Luminescências raras podiam ser vistas à noite, nos recifes, e a morte
de caranguejos e lagostas se espalhava como uma epidemia ao longo da
costa. Tapetes de peixe morto ficavam colados nas praias ao pé das
palmeiras. Centenas de animais no fundo do mar morreram de
contaminação. As populações costeiras relataram distúrbios raros:
anemia, inchaço, problemas respiratórios, insuficiência hepática.
Um pescador encontrou um pedaço de metal brilhante, preso no recife.
Ele tocou o cilindro e recebeu uma cruel sensação de queimação. O braço
enfraqueceu e a pele caiu, queimada, como se tivesse tocado uma
substância ácida. Então o cabelo começou a cair. Ele morreu lenta e
dolorosamente. Um fogo interior o devorou, nenhum médico, nenhuma cura
poderia salvá-lo. O que ele encontrara era lixo radioactivo, uma
pequena parte da imensa quantidade de lixo que os navios despejaram
na costa da região.
Mohamud era um menino de seis anos, brincava com seus amigos na praia.
À medida que a maré baixava, eles perseguiam os caranguejos. Com a
27
maldade ingênua das crianças, os chutavam, como se estivessem jogando
bolas.
Um dia, Mohamud viu uma caixa escorrendo um líquido verde denso e
vagamente fluorescente. O garoto tocou e esfregou as mãos, como fazia
com sabão. Foi o maior erro de toda a sua jovem vida. Desde então, o
menino foi consumido por uma dor terrível. Não comia, não dormia e se
contorcia, não conseguia mais se segurar nas pernas. Todo o cabelo dele
caiu. Ficou rapidamente debilitado. Para o nosso amiguinho,
infelizmente, nada podia ser feito. Mohamud ainda não tinha sete anos.
Quem sabe que o sacrifício dele – e de outros como ele – não constitua
o preço por que aquela terra, com seu mar, retorne à paz e à beleza
do passado? Queria lembrá-lo como um pequeno símbolo, uma gota no oceano
de sofrimento que continua assombrando o Corno da África. Um sacrifício
que pode nos convencer a salvar os povos, os mares, as praias dos países
equatoriais, paraísos condenados, em um mundo sem paz nem
desenvolvimento.

 

Até breve.

 

Fado, Verão e Esquecimento

por talesforlove, em 26.07.21

Por estes dias sente-se o Verão, sente-se aquela vontade de férias, que mais parece programada que livre. Felizmente, hoje o dia foi já mais veraneante, o sol apareceu e banhou-nos com a sua alegria radiante. Não vale a pena ler tanto como antes :-) A não ser que se estenda a toalha e depois se leia, um pouco, por palavras e depois se leia o horizonte. 

Confuso?! Talvez! Realmente, às vezes mais vale esquecer parte da realidade que nos rodeia e estarmos abraçados apenas àquela que nos faz mais felizes.

Sim, talvez seja tempo de nos convertermos ao Verão, pelo menos ao seu lado bom.

"A Conversão" um poema de Ana Luísa Amaral:

https://www.rtp.pt/play/p1109/e554110/a-vida-breve

Sem dúvida, um belo poema cheio de amor, natureza e calor.

Ainda para nos mantermos nestes passos mais tranquílos e alegres, um belo Fado por Teresinha Landeiro "Amanhã", com um cheiro a mar e boa disposição:

E entretanto, fica o nosso adeus aos Santos Populares de 2021, que parece terem ficado em casa e abandonado todos os outros que por eles esperavam, os malandros. O Fado de Teresinha Landeiro "Santo António Traiçoeiro (Fado Fininho)":

 

Fica também a nota que algures num futuro próximo, este blog irá fazer a experiência de publicar um conto novo, passo a passo, semana, mês, tempo após tempo.

 

Até breve.

Para as vítimas dos Fogos e Cheias

por talesforlove, em 17.07.21

Os recentes incêndios no Canadá, Chile e EUA, com as altas temperaturas a acompanhar a tragédia, só por si já eram manifestações importantes de alterações climáticas e/ou ação nefasta dos seres humanos sobre o ambiente.

Recentemente, as cheias na Alemanha, confirmadas como um resultado de aquecimento global, somam ao espanto já antes sentido... Afinal, é mais uma situação difícil de entender.

 

Fica hoje um conto por Vitor G. (Brasil), no qual a natureza é vista com alguma apreensão. 

 

Título: Conhecendo a natureza

 

Eu estava voltando do trabalho para casa, andando pelas ruas

movimentadas e escutando nada a não ser o som de motores e buzinas. O

ar estava fresco, mas eu sentia a poluição do trânsito, que o deixava

mais pesado. Já começava a anoitecer e as luzes dos postes já se

acendiam, tingindo o solo de um tom ora amarelado, ora azulado, num

contraste entre quente e frio que dava um aspecto ambíguo às ruas.

Isso se dava por estarem substituindo as lâmpadas de vapor de sódio,

amareladas, por lâmpadas LED mais modernas, de tom azulado. Segui pelo

caminho, observando as luzes e o intenso azul-escuro do céu que

anoitecia.

 

Caminhei pensativo, com as mãos nos bolsos e cabeça arriada, olhando

para o chão e desviando dos lixos que via pelo caminho. Minha vida era

infeliz. Eu podia até ter um trabalho que pagasse razoavelmente bem,

mas não tinha mais nada, nem amigos, nem família. Nada. Pensei em como

minha vida era desse jeito devido à maneira como a sociedade moderna

vive. Nós nos afastamos da natureza de tal maneira, que vivemos num

mundo artificial, fazendo atividades artificiais e vivendo

relacionamentos artificiais.

 

Imaginei então que eu pudesse buscar ter mais contato com a natureza.

Isso talvez me fizesse bem, mesmo que se fosse apenas por alguns dias.

Eu estava prestes a entrar de férias no trabalho, então imaginei que

eu pudesse aproveitar alguns dias em algum lugar mais afastado.

Cheguei em casa e logo pesquisei na internet por locais turísticos,

com natureza, próximo de mim. A maior parte dos lugares que eu

encontrava eram hotéis fazenda, mas não era o que eu queria. Eu queria

ter contato com algo natural, que pudesse me sintonizar com a natureza

de uma forma mais primal, então continuei pesquisando até encontrar um

hotel próximo a um morro na região. Não era um morro muito alto. Seu

ponto máximo estava a 405 m de altitude. Podia não ser tão alto, mas

para mim, que vivia preso dentro da cidade, seria algo fabuloso.

 

Pesquisei então pelos atrativos turísticos do local e vi que haviam

diversas trilhas que poderiam ser feitas. Isso era exatamente o que eu

precisava. Fazer uma trilha até o topo do morro certamente me faria

bem e me conectaria com a natureza, há tanto desconectada, pelos

longos anos preso dentro da mesma cidade.

 

Eu nunca havia feito uma trilha como essa antes e não fazia ideia do

que levar, então pesquisei na internet e encontrei diversos vídeos

explicando as dificuldades que eu enfrentaria e me recomendando que

utilizasse calças compridas, tênis, boné ou chapéu e repelente, além

de levar água para ir bebendo durante o percurso. Foram ótimas dicas.

Eu já pensaria em ir de calça e tênis, mas não teria lembrado de levar

o repelente.

 

Sem delongas, fiz minha reserva no hotel e já no dia seguinte, comprei

o repelente numa farmácia. Aguardei ansiosamente até que entrasse de

férias, para comprar minha passagem e me preparar. Arrumei minha mala

dias antes, colocando tudo que precisava e conferindo várias vezes,

para me certificar de que não estava esquecendo nada. Enfim, o dia

chegou e caminhei com a mala nas costas até a rodoviária, onde peguei

o ônibus que me levaria ao local. Foi uma viagem tranquila e sem

eventos. Passei a maior parte do tempo olhando pela janela e

observando como a paisagem se transformava gradualmente, à medida que

eu me afastava dos centros urbanos. O cinza era substituído pelo verde

e as caóticas construções de concreto e argila eram substituídas,

primeiro por longos campos repletos de gramíneas, onde podia-se ver

numerosos rebanhos pastando sob o ameno sol da manhã. Em seguida, os

campos eram substituídos por densas matas, por onde os raios de sol

sequer conseguiam atingir o solo. Eu me aproximava do local.

 

Desci do ônibus num pequeno povoado próximo ao morro e de lá, segui

para o hotel, onde desfiz minha mala e tomei um banho. Em seguida,

desci para almoçar num restaurante próximo. Era um local rústico e de

comida caseira. Não havia nada de luxuoso, mas a comida era gostosa.

Retornei ao hotel para escovar os dentes e então caminhei até o parque

do morro, onde aguardei na recepção de turistas, enquanto esperava que

o pesar do almoço se aliviasse. A recepção era uma construção simples,

onde várias pessoas entravam e saíam. Os que estavam chegando, paravam

para ler as informações sobre o lugar, enquanto os que estavam

retornando, paravam para descansar.

 

De acordo com as informações nos cartazes, o morro tinha 405 m de

altitude, o que não era nada espantoso, mas era o ponto mais alto da

região e possuía um dos maiores isolamentos topográficos do país, de

aproximadamente 2000 km, significando que em um raio de 2000 km não

havia nenhum ponto mais alto do que aquele. Após ler diversas

curiosidades sobre o local, saí e caminhei rumo à trilha. Eu estava

preparado, com a roupa adequada, repelente e água. Não levei mais nada

e sequer carreguei o celular para tirar fotos, pois eu queria me

aproximar da natureza.

 

Iniciei a caminhada entusiasmadamente, em rápidas passadas. À minha

frente havia um grupo de jovens, que ocupavam toda a espessura da

trilha, então procurei a primeira oportunidade de deixá-los para trás

e segui. Passei por algumas pessoas que subiam sozinhas, alguns casais

e um grupo da terceira idade, que pareciam ser os mais animados de

todos.

 

Eu estava tão acostumado a andar em planícies, que a subida me cansava

facilmente. Eu sentia o esforço dos músculos das minhas pernas,

enquanto minha respiração ofegava. Percebi que eu jamais conseguiria

chegar ao topo se andasse daquela maneira, então diminuí o passo e

parei para descansar em alguns pontos. Logo vi algumas das pessoas que

eu havia deixado para trás me ultrapassando.

 

Bebi um pouco da água e continuei. Dessa vez, andei mais calmamente,

observando a paisagem. Havia a mata para ambos os lados e a trilha era

a única parte onde se podia andar. Estava ligeiramente escuro, apesar

de estar em pleno início de tarde. O verde das folhas parecia

refrescar a minha visão, há tanto contaminada pelo cinza O ar, embora

mais difícil de respirar, era agradável e de pureza inigualável.

Caminhei por entre as folhagens, escutando os sons de pássaros por

toda parte, num coro que superava em beleza a música de qualquer

orquestra. Segui, acompanhando a trilha com cuidado, sempre observando

onde pisava. Eu estava prestes a entrar em contato com a natureza e

conhecê-la como nunca antes.

 

Precisei fazer mais uma pausa e bebi o restante da água que eu tinha.

Meu suor escorria pelo rosto e meu coração estava disparado. Sentei

numa pedra e descansei por um longo tempo, até que me recuperasse por

completo. Não tardou até que o grupo de jovens passasse por mim, me

deixando para trás, numa ironia que parecia ser proposital.

 

Levantei então e continuei a subida, que se tornava mais íngreme. Os

músculos das minhas pernas doíam a cada passo e eu já me perguntava se

eu não deveria retornar, mas eu precisava me aproximar da natureza e,

certamente, o topo do morro seria um formidável ponto para meditação.

Além do mais, dizem que o caminho de volta é sempre mais fácil, então

persisti, ainda que em fortes dores.

 

Mais uma pausa foi necessária e dessa vez eu não tinha água para

beber. Enquanto eu repousava, o grupo da terceira idade me

ultrapassou, me deixando constrangido com a situação. Eles claramente

não viram maldade alguma em me ultrapassar e me cumprimentaram

calorosamente antes de seguir. Pensei em acompanhá-los, mas eu ainda

não havia descansado o suficiente. Olhei para uma placa de indicação e

vi que eu já estava na altura de 320 m, então não faltava muito para

terminar a subida.

 

Com sede, fome, cansado e dolorido, continuei o percurso, que se

tornava tão íngreme, que eu já apoiava as mãos no chão para ajudar,

mas, ainda assim, persisti na minha subida. O sol já não estava mais

tão intenso e, sob as folhagens, formava-se uma sombra assustadora,

que me dava uma sensação de pressa como nunca antes, fazendo com que

eu adiantasse os passos, apesar da minha condição física.

 

Eu já cruzava com diversas pessoas descendo o morro, fazendo o caminho

de volta. Muitas delas eu reconhecia, pois haviam subido comigo ou as

vi na recepção. O volume constante de pessoas retornando me fazia

perceber que já estava ficando tarde e que logo o sol se esconderia,

deixando uma profunda escuridão, que muito dificultaria o trajeto. Eu

me perguntei mais uma vez se eu deveria descer logo, mas faltava pouco

e eu precisava muito desse contato com a natureza, então persisti,

usando todas as minhas forças para terminar o percurso.

 

A vegetação já se tornava esparsa e dava lugar a um terreno rochoso,

indicando que eu me aproximava do topo, o que era confirmado pelas

placas de indicação, que mostravam a marca de 390 m. O céu já adquiria

uma tonalidade rosada, sinal de que o sol se aproximava do horizonte e

que eu deveria me apressar ainda mais. Eu apenas subiria ao topo para

contemplar a natureza e logo desceria, antes que escurecesse, pois não

fazia mais sentido retornar no ponto onde eu estava sem visitar o

tipo.

 

O momento chegou e eu estava prestes a atingir o topo do morro, de

onde eu poderia contemplar a natureza como nunca antes. Eu estava

sozinho, o que me daria uma maior introspecção. Um estado de ânimo se

espalhou pelo meu corpo, enquanto eu dava os últimos passos, forçando

minhas doloridas pernas a subir. O céu já estava prestes a iniciar a

escurecer e eu deveria ser breve. Apenas contemplaria brevemente a

natureza e retornaria.

 

Eu não sei o que eu esperava encontrar no topo do morro ou de que

forma a natureza se apresentaria lá de cima, mas a imagem que vi me

chocou, fazendo com que eu repensasse tudo que havia construído a

respeito da natureza. Assim que cheguei ao cume, avistei um gavião que

estava a devorar uma ave menor, que, ainda viva, sacudia o corpo em

vãs tentativas de fuga. A ave estava com o corpo aberto e suas

entranhas expostas, agonizando de dor, enquanto o gavião beliscava sua

carne esporadicamente e a engolia com uma calma perturbadora,

levantando o pescoço e olhando para algo distante a cada nova

beliscada, sem se importar com o sofrimento da ave e sequer se dando o

trabalho de matá-la antes de comer. A julgar pelo estado em que se

encontrava, a ave parecia estar ali há algum tempo, numa incessante

agonia, sem forças para sequer clamar por socorro.

 

Ao me aproximar, o gavião se assustou e voou, largando a desafortunada

ave para trás, diante dos meus olhos, em sua agonia terminal. Era uma

imagem perturbadora, que me fazia questionar minha subida ao morro.

Tentei observar a paisagem, mas eu não conseguiria ignorar o

sofrimento da ave, porém, ao mesmo tempo, não havia nada que eu

pudesse fazer para salvá-la, pois sua morte era inevitável naquelas

condições.

 

Incomodado com a cena e sentindo compaixão pela ave, decidi que o mais

correto a se fazer seria matá-la de uma vez, para pôr fim em seu

sofrimento. Porém, eu não possuía nada comigo que pudesse ser

utilizado para matar a ave, então teria que pisar em cima dela, com

toda a minha força. Olhei em seus olhos e vi o retrato da agonia. A

ave parecia implorar para que eu a matasse, então, relutante, fechei

os olhos e desferi um forte golpe com os pés, numa tentativa

fracassada de encerrar sua vida, mas que causou apenas mais sofrimento

ao animal e me deixou perturbado por acertar algo de textura maleável,

que se movia em agonia, em efêmera tentativa de escapar.

 

Com um forte sentimento de culpa, tentei pisar mais uma vez, para

matá-la, mas, novamente, a ave não morreu. Eu já entrava em desespero

por causar ainda mais sofrimento ao animal, em vez de encerrá-lo,

então, movido pela aflição, dei uma sequência de pisadas fortes sobre

o bicho, que finalmente encerraram sua vida.

 

Ofegante, me afastei e observei o corpo do animal, já inanimado. Eu

havia subido o morro para conhecer a natureza e havia visto o seu pior

lado. Passei meus momentos de introspecção pensando no que havia

acabado de acontecer e desde então, eu tive a consciência do quão

cruel ela pode ser e nunca mais a glorifiquei como havia feito.

 

Se desejar fazer algo em memória das vítimas, poderá, por exemplo, fazer menos uma viagem de automóvel (movido a combustíveis poluidores) ou diminuir a velocidade durante a viagem. Ambas formas de diminuir a emissão de gases responsáveis pelo eveito de estufa.

Até breve.

Sobre o 2º Poema Vencedor e Fado

por talesforlove, em 22.06.21

Prepara-se a partilha do Poema em 3º Lugar na corrente edição do Concurso Natureza 2020-2021 mas, antes ficam aqui umas merecidas palavras sobre o Poema que ficou em 2º Lugar, já partilhado.

Com efeito, trata-se de uma alegoria do mar, das sereias, enfim dos sonhos. Aqueles que se confundem com as águas e que nos fazem emergir e submergir quando o Fado do Tempo nos permitir. Transborda cor imaginada e um acreditar em algo quase metafísico, quase não perceptível. É bom ler o poema que cheira a mar e a paixão.

Assim, deixa-se aqui o fado "Mapa do Coração" por Ana Moura. Sobretudo, para quem sente saudade de um passeio plenamente livre pelas ruas de Lisboa.

Até breve.

2o Poema de Junho

por talesforlove, em 06.06.21

Aqui se partilha o Poema 2º Classificado do Concurso Literário. 

 

Lágrimas de sereia, por Regina Gouveia (Portugal)

 

 

As sereias leves dos cabelos roxos,

róseos, azuis ou de brancura alvar,

dançavam, lascivas, nas águas do mar.

Lembravam medusas.

Inspiravam poetas.

 

Dos seus olhos vagos e ausentes

se, porventura, lágrimas corriam,

com as águas do mar se confundiam.

Sereias, quais musas,

inspiravam poetas.

 

Talvez seus olhos verdes, de videntes,

previssem desgraças que rondavam o mar-

“Mermaid tears”, que nunca iriam chorar.

Lágrimas rudes, obtusas,

que não inspiram poetas.

 

“Plasticus marítimus”, espécie invasora.

Quando incautos humanos a criaram,

provavelmente não imaginaram

sequelas escusas,

que não inspiram poetas.

 

Pérfidas, “falsas medusas” infestam o mar,

ostentando as cores mais diversas.

Tartarugas ingénuas, pelo mar dispersas,

ingerem-nas, confusas.

Choram os poetas.

 

Plâncton “Errante”, alimentas seres marinhos,

de protozoários “insignificantes”

a raias, golfinhos e baleias gigantes.

A nenhum te recusas.

Cantam-te os poetas.

 

Pródigo, a maior fonte de oxigénio do planeta,

tu, minúsculo plâncton, tão generoso,

infiltrado por um inimigo poderoso.

“Esférulas intrusas”!

Choram os poetas.

 

Em que mares nadarão hoje as sereias

que enlouqueciam os marinheiros com seu canto?

Em que mares lembrarão medusas,

com seus cabelos longos e olhares de quebranto?

Em que mares recordarão tempos de glória?

Quiçá em mares de lágrimas, do seu sentido pranto.

 

Até breve.

A poesia de 1 de Junho

por talesforlove, em 01.06.21

Hoje apresenta-se o Poema Primeiro Classificado da Edição 2020-2021 do Concurso Literário Internacional Natureza.

Por ser Dia da Criança poderemos ceder à tentação de crer que apreciar uma poesia é algo que, verdadeiramente, apenas só pode ser real se tivermos a nossa mente aberta ao que nos rodeia, no sentido inocente. Não é verdadeiro este ponto de vista pois o que está em causa pode ser também ler algo emocional que se assemelha a ler uma história, como em um livro de 300 páginas. Um pouco exagerada na dimensão a comparação, é certo, mas o que interessa mesmo é o que temos pela frente e o que é retratado.

Este poema é um pouco de romance, é um pouco de natureza, muito de ligação entre humanidade e essa natureza e conta-nos uma história, se a ela estivermos abertos. Existe liberdade e alegria nestas palavras que nos trazem asas de imaginação. Uma música de floresta cheia de vida.

O melhor será mesmo ler e perceber o que está em causa. Fica o convite!

 

O gaio por Teresa Barranha (Portugal)

 

É a segunda vez que um gaio espreita a minha janela.

É do mais incomum, ver uma ave tão bela,

que parece trazer, naquelas penas azuis,

um pedacinho de céu.

E será isso mesmo…

Terão decidido em convenção,

todas as aves que se escondiam dos homens,

mostrarem-nos que há outras paragens

onde nos podemos olhar sem medo.

Até ver o gaio, na minha janela,

o homem era seu predador

hoje, esta ave tão bela,

mostrou-me que se veste de amor,

com aquelas penas de céu,

onde ele e eu

partilhamos o sentido da liberdade.

Liberdade que nasce,

primeiro, nos pássaros,

que cresce com a nossa imaginação,

e voa, com o gaio na minha janela,

sem precisar de o ter na mão.

 

 

Uma fotografia apelativa da Primavera.

tulipas para blog.png

 

Apresenta-se em breve o segundo classificado.

Até breve.

Concurso Natureza 2020-2021 - Primeiros Resultados

por talesforlove, em 09.05.21

Bom dia!

Divulgam-se os primeiros resultados do Concurso Literário Natureza 2020-2021!

No próximo dia 13 de Maio, esperamos divulgar os restantes trabalhos que serão também incluídos na Antologia. Só depois serão partilhados os poemas a Marco Paulo!

 

POESIA:

1º lugar: “O Gaio” por Teresa Barranha (Portugal)
2º lugar: “Lágrimas de Sereia” por Regina Gouveia (Portugal)
3º lugar: (empate técnico)
“Cores de Novembro” por Catarina Canas (Portugal)
e
“Flores Urbanas” por Marcelo Souza (Brasil)


CONTO:

1º lugar: “O Amigo” por Sónia Rodrigues (Brasil)
2º lugar: “Projecto Urano” por Alberto Arecchi (Itália)
3º lugar: “Conhecendo a Natureza” por Vitor Gonçalves (Brasil)

 

Muitos parabéns!

Muito obrigado aos Membros do Júri pelo trabalho atento de ler todos os poemas e contos recebidos.

Entretanto, como hoje chove em Portugal, partilha-se a canção "Chuva" pela Fadista Mariza.

 

Até breve.

 

 

 

No Dia da Língua Portuguesa

por talesforlove, em 05.05.21

Hoje, por António Gedeão

 

Quero adormecer na areia

loira da praia remota

enquanto no azul vagueia

a asa de uma gaivota

 

Até breve.

O nosso Marco Paulo

por talesforlove, em 11.04.21

Bom dia.

Relembra-se que no Concurso Natureza 2020-2021 se pedem poemas para homenagear Marco Paulo! Vejam o regulamento neste blog, algumas partilhas atrás.

 

Por este facto, aqui partilhamos duas músicas do Marco e ainda um primeiro poema em sua homenagem. Espera-se que vos inspirem. Divulguem.

Marco Paulo - Nossa Senhora (TV)

Entretanto, partilha-se este texto sobre o Caminho de Santiago:

https://onthewrittenroad.blogs.sapo.pt/150-km-depois-7980

 

Marco Paulo - O que é que fazes esta noite (TV)

 

Marco Paulo, simplesmente
 
És o Homem, o Cantor, de Amor,
Dos espinhos, pedras e luz.
Humilde e simpático que nos seduz
e nos empresta o seu grande calor.
 
E neste torpor de música
Nem percebemos que és marco
das nossas vidas e esperanças,
como se de novo fossemos crianças.
 
O teu sorriso Jovial alegra-nos,
a Fé do teu coração, aquece-nos,
és o nosso Pessoa musical:
como se a tua voz iluminasse a nossa Natureza Humana.
 
Finalmente, fica o convite para conhecer mais sobre Bordalo II:
Obras de Bordalo II em Faro alertam para preservação de cavalos-marinhos da Ria Formosa | TVI24 (iol.pt)
https://tvi24.iol.pt/sociedade/arte/obras-de-bordalo-ii-em-faro-alertam-para-preservacao-de-cavalos-marinhos-da-ria-formosa
 
O Concurso Literário Natureza 2020-2021 termina a 13 de Abril (salvo indicação em contrário).
Até breve.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D