Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A Antologia, Humbelina de Mattos e o Mar

por talesforlove, em 29.11.21

Porque a Antologia Natureza 2015/2021, em papel, contém um poema sobre o mar, aqui fica igualmente um vídeo sobre o filme Terra Nova, de 2021. O mar contém muita diversidade biológica e, por este motivo, deve ser igualmente o foco do estudo e antenção voltados para a preservação do ambiente. O mar dá-nos alimento mas também inspiração para a imaginação.

Mar, por Humbelina de Mattos, Brasil

Imprevisível em meu estado vivo
Sou o mar
Manso, leve e livre
Voraz, potente, exuberante
Guardo em minhas profundezas
Segredos , tesouros , lembranças
Objetos perdidos
Pra sempre, missing

[…]

 

Para obter um exemplar da Antologia, basta enviar-nos um e-mail.

Até breve.

Fado, Verão e Esquecimento

por talesforlove, em 26.07.21

Por estes dias sente-se o Verão, sente-se aquela vontade de férias, que mais parece programada que livre. Felizmente, hoje o dia foi já mais veraneante, o sol apareceu e banhou-nos com a sua alegria radiante. Não vale a pena ler tanto como antes :-) A não ser que se estenda a toalha e depois se leia, um pouco, por palavras e depois se leia o horizonte. 

Confuso?! Talvez! Realmente, às vezes mais vale esquecer parte da realidade que nos rodeia e estarmos abraçados apenas àquela que nos faz mais felizes.

Sim, talvez seja tempo de nos convertermos ao Verão, pelo menos ao seu lado bom.

"A Conversão" um poema de Ana Luísa Amaral:

https://www.rtp.pt/play/p1109/e554110/a-vida-breve

Sem dúvida, um belo poema cheio de amor, natureza e calor.

Ainda para nos mantermos nestes passos mais tranquílos e alegres, um belo Fado por Teresinha Landeiro "Amanhã", com um cheiro a mar e boa disposição:

E entretanto, fica o nosso adeus aos Santos Populares de 2021, que parece terem ficado em casa e abandonado todos os outros que por eles esperavam, os malandros. O Fado de Teresinha Landeiro "Santo António Traiçoeiro (Fado Fininho)":

 

Fica também a nota que algures num futuro próximo, este blog irá fazer a experiência de publicar um conto novo, passo a passo, semana, mês, tempo após tempo.

 

Até breve.

Sobre o 2º Poema Vencedor e Fado

por talesforlove, em 22.06.21

Prepara-se a partilha do Poema em 3º Lugar na corrente edição do Concurso Natureza 2020-2021 mas, antes ficam aqui umas merecidas palavras sobre o Poema que ficou em 2º Lugar, já partilhado.

Com efeito, trata-se de uma alegoria do mar, das sereias, enfim dos sonhos. Aqueles que se confundem com as águas e que nos fazem emergir e submergir quando o Fado do Tempo nos permitir. Transborda cor imaginada e um acreditar em algo quase metafísico, quase não perceptível. É bom ler o poema que cheira a mar e a paixão.

Assim, deixa-se aqui o fado "Mapa do Coração" por Ana Moura. Sobretudo, para quem sente saudade de um passeio plenamente livre pelas ruas de Lisboa.

Até breve.

No Dia da Língua Portuguesa

por talesforlove, em 05.05.21

Hoje, por António Gedeão

 

Quero adormecer na areia

loira da praia remota

enquanto no azul vagueia

a asa de uma gaivota

 

Até breve.

A voar

por talesforlove, em 01.05.21

Voo, por Rui M.

 

Eu voo

Sobre sonhos refeitos em cores

E avisto flores, tais quais estrelas

E montanhas, tais quais colinas marinhas.

 

Voo como se nadasse

Sonho como se rastejasse.

Não sou molusco, não sou lobo

Sei talvez ser lince.

 

E a voar ouço o tocar do vento:

essa melodia, sem dedilhar ou quaisquer teclas.

 

Selvagem..............

 

Piano não o vejo, revejo-me acordado.

Certa apenas é esta loucura solitária.

Esse honesto estado de alma.

A que a música dá asas,

sobre montanhas, frios alheios a raios de sol,

propulsionados pelo sentir,

e nos quais não estás e

para os quais não existo.

 

Findo-me.

Parto de novo,

sobre águas, tais quais nuvens.

 

Florian Christl - Fly (Voar)

https://www.youtube.com/watch?v=bs5fxPI53wQ

 

Até amanhã.

Férias até Setembro 2020

por talesforlove, em 01.08.20

Boa tarde!

Estamos de férias até Setembro. Não se esqueçam de visitar, subscrever, partilhar, olhar.. e serem felizes.

Vem de novo mar e lava tudo o que nos pode fazer olhar turvo,

sem que vejamos o belo e o profundo, como o universo, 

como tu, como a luz do teu azul e do ter verde puro e reluzente.

 

guincho1.jpg

 

Até breve.

Nova foto para inspiração

por talesforlove, em 28.07.20

Bom dia Amigos(as) Autores(as),

Partilha-se uma nova foto para inspiração, quem sabe para uma poesia.

foto2inspiracao.JPG

 

Até breve.

"Paisagem" por Sophia

por talesforlove, em 05.06.20

Paisagem

 

Passavam pelo ar aves repentinas
O cheiro da terra era fundo e amargo,
E ao longe as cavalgadas do mar largo
Sacudiam na areia as suas crinas.

Era o céu azul, o campo verde, a terra
escura.
Era a carne das árvores elástica e dura,
Eram as gotas de sangue da resina
E as folhas em que a luz se descombina.

Eram os caminhos num ir lento,
Eram as mãos profundas do vento
Era o livre e luminoso chamamento
Da asa dos espaços fugitiva.

Eram os pinheiros onde o céu poisa,
Era o peso e era a cor de cada coisa,
A sua quietude, secretamente viva,
A sua exaltação afirmativa.

Era a verdade e a força do mar largo
Cuja voz ,quando se quebra, sobe,
Era o regresso sem fim e a claridade
Das praias onde a direito o vento corre.



Sophia de Mello Breyner Andresen | "Poesia", 1944

 

Até breve.

Luis Sepúlveda, “O Velho Que Lia Romances de Amor”, e a nossa Paz

por talesforlove, em 18.04.20


Paz, é o que mais podemos desejar quando sonhar com um Verão pleno é aquilo que mais necessitamos para sermos mais… não sei se felizes, se alheados (e alheadas), ou simplesmente mais humanos. Sonhar com uns “simples” passos dados junto de um belo rio em Portugal, ou ali mesmo com as ondas do mar, a dissolverem-se em espuma a nossos pés.
Não sei. Apenas julgo saber, e sabemos, que a vida é a teimosia que nos leva mais além, desconhecendo onde poderemos chegar. E acontece que nada disto é mesmo relevante se novamente olharmos o horizonte com os nossos corações e pulmões cheios de paz e tranquilidade.
Lembro de um concerto a que assisti, faz anos, e no qual, como tantos outros, me deixava ir pela música, e por aquela companhia de pessoas desconhecidas, tão diferentes, mas, tão iguais entre si. Tudo isto me fez recordar outros tempos que irão regressar em pleno só que sem a vida de Luis Sepúlveda.
“O Velho Que Lia Romances de Amor” foi publicado em 1989. Já então era um “grito” de ecologia e humanismo. Só conheci este texto há relativamente pouco tempo e compreendi que ele deixa uma marca em todos aqueles que não conhecendo “em pessoa” a Floresta Amazónica ou a América do Sul, sentem um fascínio por aquele verde misterioso, dominante como o mar e tão vivo como os recifes de coral. E… aquelas pessoas que nela habitam, fazem parte daquelas tonalidades, como o sol faz parte dos céus. Por lá, habitam os valentes sem o saber, os rebeldes da natureza que se submetem a ela para serem a vida pura.
É verdade, que muitos de nós nunca vão ouvir a melodia dessas paragens e, no entanto, este livro contém um encantamento que sobrevive, como um bom perfume, muito tempo após a passagem de quem se perfumou.


Hoje, temos, à nossa frente, um caminho verde, acreditemos…

Até breve.

Poemas Vencedores - Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 28.02.19

Finalmente, anunciamos os vencedores da Categoria Poesia, para a Edição 2018-2019 do Concurso Natureza.

Poesia:
“Vida ao vento” Bárbara Rocha de Brasil - 1º Lugar
“Submarino” por Renato TouzPin de Brasil - 2º Lugar
“Chuva” por Maria Catarina Canas de Portugal - 3º Lugar
 
 
Menções honrosas:
 
“CHAYA” por Anna de Freitas de Portugal
“Preservação da vida” por Cristina Cacossi de Brasil
“O Cosmonauta e o Poeta” por Paulo Caldeira de Brasil
“Dança das Flores” por Silvia Ferrante de Brasil

 

Parabéns a todos os vencedores e vencedoras.

O Concurso Natureza tem feito um percurso de reconhecimento dos autores e autoras que acreditam nesta aventura literária e sobretudo acreditam num mundo diferente, em que o ambiente e a sua preservação, por ser central para o nosso bem estar, tem um papel central nas nossas vidas, enquanto comunidade global. 

Muitos trabalhos serão aqui divulgados, ainda que não premiados com primeiros lugares, assim os(asautores(as) assim o autorizem. 
Até breve e boa escrita.

 

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D