Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

2 de Abril de 2019: Água, Ambiente, Moçambique e “Rosa Branca, Floresta Negra”

por talesforlove, em 02.04.19

A água é considerada fonte de vida, sem dúvida, mas, o furacão Idai com o a sua força e água associada acaba por ser um exemplo de que esta, quando em excesso, pode ser uma fonte de morte. A falta de água, ao contrário, provocando uma seca, como tem sucedido várias vezes em Portugal Continental durante este século, tem suscitado forte preocupação e também ela exige uma adaptação da nossa forma de viver.

 

Água fonte de vida

 

Ontem e hoje recomeçou a chover abundantemente em várias regiões de Portugal, sendo, sem dúvida, um sinal de esperança para todos nós.

Mas, veja-se o que estava a suceder em Portugal antes destas chuvas:

https://www.ipma.pt/pt/oclima/observatorio.secas/

 

A situação é de tal modo digna de atenção que já existe um “Observatório das Secas”. A necessidade de novos comportamentos torna-se importante, portanto, para acautelar um futuro mais seguro para todos nós. Por exemplo, se tivermos em atenção o custo do tratamento da água potável que bebemos nas nossas casas e que sai das nossas torneiras, talvez, seja uma boa ideia aproveitar captar e armazenar alguma água da chuva, quando possível, para pequenas tarefas diárias como lavar vegetais ou lavar janelas ou o carro. Imagine-se o impacto que este pequeno gesto teria se multiplicado por muitos lares. Repare-se que mesmo a água utilizada para estas tarefas simples é tratada como se fosse utilizada em consumo humano. Algo que só pode ser justificado pelos custos de distribuição da água, a qual não deve ser feita de forma duplicada.

 

Furacão Idai e Morte em Moçambique e África

 

É certamente do conhecimento de todos nós o impacto que o Furacão Idai teve em África e sobretudo em Moçambique. Muitas vidas roubadas, localidades inteiras destruídas, de novo o debate sobre as alterações climáticas e mesmo a localização de habitações face ao mar, cujo nível médio das suas águas tende a subir.

Basta olhar para estes dois jornais online e podemos ver detalhes que nos podem fazer levar a pensar na efemeridade das nossas vidas e da sua fragilidade:

https://www.mundoportugues.pt/tag/ciclone-icai/

https://www.publico.pt/mocambique?page=2

 

É neste contexto que aqui deixamos um poema por Stelio F. que obteve o 2º Lugar na Categoria Poesia no Concurso Literário “Natureza 2018-2019” (Versão em Inglês)

 

Paint me

 

Paint with forgetfulness

like the wall of time

with smoke flashing souvenirs

in all private emotions

Paint me with a brush

Paint me

grab me

No brush

With coal

  ripping me off the ground

slowly paint without haste

with dry ink

that prides itself

on this screen that is life

without coming

in the roots of my being

from my intimate pleasure

 

Tradução para Português por Rui M.

 

Pinta-me

 

Pinta com esquecimento

tal como a parede do tempo

com lembranças psicadélicas de fumo

com todas as emoções privadas

Pinta-me com uma escova

Pinta-me

Agarra-me

Sem pincel

Com carvão

   arranca-me do chão

pinta-me lentamente sem pressa

com tinta em pó

que se orgulha

neste ecrã que é a vida

sem vir

nas raízes do meu ser

do meu prazer íntimo

 

foto2ok.jpg

foto3ok.jpg

 

 

“Vozes da Primavera” (2017) por Maria A. S. Coquemala

 

Novamente, com a Primavera, justifica-se uma nova visita ao livro “Vozes da Primavera” (Editora Porto de Lenha, Brasil, contato@portodelenha.com) o qual nos encanta com a beleza da sua escrita. O livro é composto por um conjunto de contos com uma prosa muito cativante e com um ritmo muito próprio. Sem dúvida, uma oportunidade de leitura cativante e instrutiva, nesta Primavera que agora começa (em Portugal).

 

É tempo agora de olhar, pela primeira vez, um livro que nos fala de personagens que salvam as suas vidas na Floresta Negra. As árvores bebem a água para viver.

 

Um primeiro olhar sobre o livro “Rosa Branca, Floresta Negra”, por Eoin Dempsey (Irlanda)

 

“Aqueles que queimam livros acabarão um dia por queimar pessoas.” Esta parece ser a frase-chave no livro “Rosa Branca, Floresta Negra” (Editora Minotauro) a qual se bastaria a si mesma para nos fazer pensar. A profecia desta frase concretizou-se durante o regime Nazi na Alemanha da 2ª Guerra Mundial. Não será o objeto livro que está em causa mas sim as ideias que nele se perpetuam e através delas as pessoas que com elas viveram e nelas acreditaram. Hoje, os nazis poderiam queimar equipamentos kindle, por exemplo, para alcançar o mesmo propósito. Em “Rosa Branca, Floresta Negra” a crueldade contra as outras pessoas surge-nos como um crescendo: 1º anulam-se as pessoas psicologicamente, de forma cada vez mais absoluta, e depois, em 2º lugar, anulam-se fisicamente… Talvez hoje os Nazis tivessem de desligar toda a internet pois a liberdade não era um valor em que confiassem. 
Quem não se adequava aos padrões de Adolf Hitler, o Furer, seria aniquilado fosse ou não fosse Alemão e foi isso que a heroína, a enfermeira Franka Gerber, viveu, perdendo toda a família, ainda que o seu pai tivesse sido morto por um bombardeamento dos Aliados a edifícios civis. Fruto da depressão profunda que se apoderara dela, ela dirigia-se um dia para a Floresta Negra, para se suicidar, mas, todavia, não o fez, porque encontrou um soldado recém caído de paraquedas na neve, com ambas as pernas partidas. Salvando-o salvou-se.

 

[Continua]

 

Até breve.

Poemas Vencedores - Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 28.02.19

Finalmente, anunciamos os vencedores da Categoria Poesia, para a Edição 2018-2019 do Concurso Natureza.

Poesia:
“Vida ao vento” Bárbara Rocha de Brasil - 1º Lugar
“Submarino” por Renato TouzPin de Brasil - 2º Lugar
“Chuva” por Maria Catarina Canas de Portugal - 3º Lugar
 
 
Menções honrosas:
 
“CHAYA” por Anna de Freitas de Portugal
“Preservação da vida” por Cristina Cacossi de Brasil
“O Cosmonauta e o Poeta” por Paulo Caldeira de Brasil
“Dança das Flores” por Silvia Ferrante de Brasil

 

Parabéns a todos os vencedores e vencedoras.

O Concurso Natureza tem feito um percurso de reconhecimento dos autores e autoras que acreditam nesta aventura literária e sobretudo acreditam num mundo diferente, em que o ambiente e a sua preservação, por ser central para o nosso bem estar, tem um papel central nas nossas vidas, enquanto comunidade global. 

Muitos trabalhos serão aqui divulgados, ainda que não premiados com primeiros lugares, assim os(asautores(as) assim o autorizem. 
Até breve e boa escrita.

 

Novos livros e nova poesia em 2019

por talesforlove, em 15.01.19

Boa tarde Amigos Autores,

 

Nada melhor do que começar o ano com sol e alguma bela poesia!

É interessante verificar que a par da publicação em papel surge imediatamente a publicação em formato digital. É algo que parece ser bom para o ambiente pois existe menor consumo de papel e o gasto de energia dos equipamentos de leitura parece ser negligenciável. A estes factos acresce que o formato digital é menos oneroso que o formato em papel. Para muitas pessoas, o livro continua a ser algo privilegiado na leitura de poemas e outra literatura, sendo que, podemos alegar, ainda contém a magia das coisas sem tempo e eventualmente sem grande complexidade.

 

Assim, com grande alegria, convidamos à leitura do livro “FAZENDO AMOR COM O UNIVERSO EM VERSOS” (Outubro 2018) de Claudete Soares (Brasil – Bento Gonçalves - RS), Editores Valdir Ben e Vânia Bortoletti, o qual nos apresenta um conjunto de poemas de grande sensibilidade estética e humana, a par de uma composição gráfica belíssima. Entre esses trabalhos encontra-se o seguinte:

 

capa do livroOK.jpg

 

 

 

FELIZ

 

Violinos tocam em mim

quando acordo em ti.

O meu anjo doce

estende um tapete de luz

para revestir o meu dia.

E eu caminho nas rosas das horas

entre perfumes e espinhos.

Feliz.

 

 

 

E ainda, este humaníssimo:

 

DOR DE MENINA

 

A menina chorava...

De feições doces, mas tão sofridas!

Quem saberá das suas feridas?

 

Quem saberá das dores

que lhe escurecem a alma?

Nem as flores, cujos perfumes

lambem a sua face,

conseguem serenar o coração aflito.

 

Ele que quer ganhar o infinito,

fugir desse lugar cruel

que lhe tira o mel da vida

e o cobre com véu os sonhos,

lhe roubando a seiva pueril.

 

Que olhos bondosos poderão vê-la,

e agasalha-la em seu colo,

salvando-a da aflição?

 

 

Para adquirir esta obra, com quase 150 poemas, e também disponível em versão digital/e-book, recomendamos os seguintes contactos: claudete@msrg.com.br e bendesign@bendesign.com.br

  

Ainda outro livro de poesia, que vale a pena conhecer, é “Azul Instantâneo” (2018) por Pedro Vale (Portugal – Madeira). A poesia visual é muito importante neste livro e sem dúvida oferece uma diversidade na interpretação do que se pretende transmitir. Assim, não é de estranhar que o design gráfico da obra, nomeadamente na capa, apresente linhas tão simples, não ofuscando, de forma alguma, o conteúdo poético já de si tão gráfico.

 

IMG_6281azul2OK.jpg

 

Um poema, sem nome, a ler será:

 

Talvez um dia recordes

num qualquer espelho torto

quão simples fora a tua salva

e te lembres daquela vez

em que ceáramos apenas meia

laranja e nada de pão naquela casa cega

com o telhado a verter lágrimas

de fel.

 

E ainda este:

cresceaespuma.jpg

 

Para contactar o autor, recomenda-se o seguinte contacto: valedepedro@gmail.com

 

Finalmente, convida-se à leitura de um poema naturalista por Marcelo de Oliveira Souza, IwA (Brasil):

 

Venezuela!

 

Veneza pequena, está ela

Grande emblema, singela!

Motriz da América,

Via da janela.

Braço forte,

Com clientela

Petróleo bruto

Na cancela,

Estado ativo

Virando favela.

 

O Fruto Maduro

Sofre no duro

Distorce o futuro,

Nesse grande enduro,

Não tem futuro...

Sem cair do pé.

Ninguém acode

Nem perde a fé,

O povo grita,

O sofrimento irrita

Até um dia o fruto Maduro

Que apodrece a árvore

Cair na maré!

  

Venezuela!

 

Venecia pequeña, está ella

¡Gran insignia, sencilla!

Motriz de América,

Vía de la ventana.

Brazo fuerte,

Con clientela

Petróleo bruto

En la cancela,

Estado activo

Que se transforma en barrio de lata.

 

El Fruto Maduro

Sufre mucho

Distorsiona el futuro,

En ese gran testarudez,

No tiene futuro ...

Sin caer del pie.

Nadie ayuda

No pierde la fe,

El pueblo grita,

El sufrimiento irrita

Hasta un día el fruto Maduro

Que se pudre en el árbol

¡Caer en la marea!

 

Até breve.

Abraço.

Até 15 de Janeiro - Versão Inglesa do Concurso Natureza

por talesforlove, em 09.01.19

Caros autores.

Podem encontrar aqui o regulamento para o concurso em Inglês:

https://talesforlove.blogs.sapo.pt/

 

Obrigado.

Até breve.

 

2019 e a São Silvestre 2018 na Amadora

por talesforlove, em 02.01.19

Caros amigos. 
Chegámos a 2019 e esperamos com interesse as surpresas literárias e técnicas relacionadas com a Natureza. 
Mesmo no final de 2018 foi possível assistir à mini-maratona São Silvestre da Amadora e valeu muito a pena. Por um lado, foi incrível perceber que Rui Pinto conseguiu concluir os 10 quilómetros em menos de 30 minutos e, por outro, todo o aparato de pessoas e fotógrafos emprestou uma magia adicional ao evento, já de si muito, muito apelativo. A envolvente ao local ajudou a emprestar um sentimento de comunhão com a natureza, pois os jardins da estação de metro da Amadora-Este e as pinturas de Pessoa e Amália em duas fachadas laterais de edifícios enormes, criavam uma "comunhão verde". E claro, para a maior parte de nós o metro é o meio de transporte mais amigo em termos de custo e de preservação do meio ambiente. Afinal, podíamos ir a correr até ao local de trabalho, mas, em menos de meia hora, só mesmo para campeões! 

bolanasaosilvestre2018.jpg

Prova_S_Silvestre_2018Pequena.jpg


Desejamos a todos um excelente 2019, com muita literatura, natureza e esperança renovada. 
Até breve.

 

Seleção dos textos - Concurso Literário "Natureza 2018-2019"

por talesforlove, em 19.12.18

Terminou a data limite para a submissão de textos ao nosso concurso e começou a seleção dos trabalhos. Desejamos a todos um Excelente 2019!

roda A5JPG.jpg

Até breve.

A Bernardo Bertolucci...

por talesforlove, em 10.12.18

Para o realizador de "O Último Tango em Paris"

"Summer in Paris (Hommage à Satie)" - Luke Faulkner

Tradução "Verão em Paris" por Luke Faulkner

 

Até 15 de Dezembro, pode participar no nosso "Concurso Literário Natureza 2018-2019". Condições em publicação de Setembro 2018.

Até breve.

Fogos na Califórnia....

por talesforlove, em 14.11.18

Hoje na Califórnia...

 

https://www.nytimes.com/2018/11/11/reader-center/california-fires-how-to-help.html

 

https://pt.euronews.com/2018/11/13/fogos-na-california-ja-fizeram-mais-de-40-mortos

 

https://www.dn.pt/mundo/interior/fogos-na-california-neil-young-desafia-donald-trump-sobre-ciencia-10169097.html

 

Até breve.

20 anos do Prémio Nobel a José Saramago

por talesforlove, em 08.10.18

FotoJoseSaramago.jpg

 Uma sua citação:

"Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito, é uma tentativa de colonização do outro. "

Fonte: http://www.citador.pt/frases/citacoes/a/jose-de-sousa-saramago

 

José Saramago, podemos dizer, foi, de facto, a semente que germinou, cresceu e deu fruto: ideias, sonhos, livros.

Parabéns!

 

Até breve.

Um poema...

por talesforlove, em 19.07.18

Imaginem-me Verde…

 

(Parte I)

Verde, como uma árvore de raízes enterradas,

Em água gelada no Verão, terra, húmus e pedras aladas,

Que os teus olhos jamais verão,

Porque esta estação é só minha:

Reflexo nos meus olhos, meu coração,

Na qual sou fixo, Vida que não caminha.

 

Imaginem as minhas folhas no céu,

O vento a tocá-las como a um instrumento musical,

A tocar, a tocar, a tocar… Por séculos

e séculos, e Verões, Outonos, Invernos

e Primaveras sem fim…

E deita-se no chão um corpo, e outro,

e sentam-se, e ambos são elevados pelo

som. Lhes dá paz; infinda.

 

Imaginem as minhas folhas no céu,

um instrumento musical, dedilhado pelo vento,

por séculos, a tocar, a tocar, a tocar,

Invernos, Verões, só estas duas estações,

e tempos sem fim…

E enlevados pela música são dois corpos:

um sentado, olha o céu, filtrado por mim,

o outro, de pé, olha em redor e para cima,

ambos em paz. Universo feito de paz…

 

Por Rui M. a 19 de Julho 2018

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D