Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

3 Partilhas e 3 Olhares sobre o nosso mundo: uma homenagem

por talesforlove, em 12.07.20

Hoje ficam aqui três partilhas.

Sendo que na próxima atualização voltaremos à nossa veia literária e de pura natureza.

Um belo blog que nos fala hoje sobre cães:

https://opinioesepostasdepescada.blogs.sapo.pt/entao-e-como-foi-adoptar-um-cao-109677

No episódio 266 de "O Amor É" o Professor Júlio Machado Vaz fala-nos da atualidade com o seu olhar tão envolvente:

https://www.rtp.pt/play/p266/o-amor-e-fim-de-semana
 
 
E finalmente, uma homenagem ao Bombeiro falecido hoje (ontem) no Fogo da Serra da Lousã.
https://www.msn.com/pt-pt/noticias/ultimas/bombeiro-morre-em-incêndio-na-serra-da-lousã-há-quatro-feridos/ar-BB16CqjC?ocid=spartan-dhp-feeds

 

Este é um Blog de e para a Felicidade para Todos e para a Natureza mas de facto, temos momentos assim.

 

Até breve.

 

Um poema ao Sr Manoel de Oliveira

por talesforlove, em 23.05.20

É com grande alegria que partilhamos um dos poemas que foi vencedor do Concurso Literário dedicado ao Sr Manoel de Oliveira, em 2015.

A Força da Natureza, por Sara T.

 

Árvore de raiz funda

afunda-se na imaginação.

De folha persistente

- destacado combatente -

atravessa a intempérie

para que aclamemos:

“fora de serie!”

 

Oliveira.

Árvore generosa

que nos serve o alimento:

azeitona, azeite, deleite!

De folha pontiaguda

deixa muda

a audiência.

É hoje uma referencia.

 

Árvore e homem,

folha e guião,

dão fruto na sua estação.

E presos aos galhos da criação

estão A Caixa, A Carta, A Caça

e todo o Vale Abraão,

colhidos com a devoção

de famintos espectadores em massa.

 

E o tempo passa,

e a vida cresce

e todos os anos

a mesma árvore floresce.

Que a noite comece!

Quente e perfumada

Para irmos

juntos

ao cinema.

 

lave as maos.jpg

 

Até breve.

Frases 1 - Sophia

por talesforlove, em 27.04.20

natal 2019 cantora anabela.jpg

Por Sophia

Esta é a madrugada que eu esperava

O dia inteiro e limpo

Onde emergimos da noite e do silêncio 

E livres habitamos a substância do tempo

 

Até breve.

"Tudo é possível" poema de São Gonçalves (2015) e Conselho Covid-19

por talesforlove, em 13.04.20

Apresentamos o poema vencedor do Concurso Literário em Homenagem ao Senhor Manoel de Oliveira, Cineasta Português:

 

Tudo é possível
 
tudo é possível quando a esperança se cola à vida

no passar dos anos, décadas desfilando

num olhar atento ao mundo

à memória,à historia de um pais amado,revisitado!
 

Tantas histórias contadas na tela de cinema

a vida,o drama ,a comédia

a luta infinda dos homens de fé


transmutações de vida, de sonhos

o silêncio impenetrável nas horas de criação

centenária a vida de um homem

 
a magia  do cinema transmitida de geração em geração!

 

Fica aqui também um conselho para quem deseja desinfetar uma superfície e tem água oxigenada em casa, a qual está num frasco com indicação de fora de prazo. Com efeito, a água oxigenada, ou peróxido de hidrogénio, degrada-se rápidamente após o frasco aberto e mesmo que não seja aberto, este líquido degrada-se a um ritmo aproximado de 0,5 % ao ano. A melhor forma de o testar será derramar um pouco e verificar se ainda faz borbulhas, sendo que se ainda produz borbulhas então está em condições.

Para mais detalhes recomenda-se o seguinte texto:

file:///C:/Users/Rui/Desktop/H2O2%20Hydrogen%20Peroxide.pdf

Até breve.

A Antologia Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 11.08.19

Caros Amigos e Autores,

É com enorme prazer que informamos estar “concluída” a produção da Antologia Natureza 2018-2019.

A conclusão deste trabalho poderia nunca ser dada como real, dada a tamanha beleza dos trabalhos recebidos e selecionados e a inspiração por ela suscitada.

Este ano, a Antologia divide-se em Caderno 1 e Caderno 2, em quase 300 páginas de sucesso crescente.

 

Fica um abraço suave e incondicional, como o de uma árvore, tal qual a árvore e o amor na música seguinte:

“Ombra Mai Fu” (“Sombra nunca foi” ou “A árvore nunca foi sombra”) por Franco Fagioli.

 

 

E como estamos em Agosto, tempo de regresso a Portugal de imensos Emigrantes Portugueses, fica uma música de homenagem, com um vídeo realizado durante uma dessas viagens de regresso, por exemplo, a partir de França.

 

“Meu querido mês de Agosto” por Dino Meira.

 

https://www.youtube.com/watch?v=KmIQws6geFY

 

Um enorme Muito Obrigado a todos e Até Breve.

 

Homenagem a Dina

por talesforlove, em 12.04.19

Hoje faleceu a Dina, a cantora de "Amor de água fresca", uma canção cheia de "força" e referências a natureza. Fica aqui uma muito humilde homenagem a alguém com quem tive o privilégio de falar uma ou duas vezes, por sermos quase vizinhos. Alguém com talento e simpatia. 

Obrigado Dina.

A letra disponível aqui:

https://www.vagalume.com.br/dina/amor-dagua-fresca.html

 

Obrigado pela vossa visita.

Até breve.

13 de Março de 2019

por talesforlove, em 13.03.19

Caros Amigos e Autores,

 

Hoje pensamos um pouco sobre moda e ambiente, depois lemos um poema por Rui M. e finalmente, homenageamos Avicii (Tim Bergling), o DJ Sueco que partiu prematuramente a 20 de Abril de 2018.

 

O ambiente e a moda:

 

O conceito de “armário capsula”, já conhecido por tantas pessoas pode ser algo muito amigo do ambiente. Trata-se de ter um número limitado de peças de roupa que combinam perfeitamente umas com as outras e, portanto, significa ter menos roupa e utilizar mais a que temos.

Assim, se a nossa procura por roupa diminui a produção de roupa, eventualmente, também diminuirá, idealmente na mesma proporção, o que significa um estímulo a uma menor utilização dos recursos naturais.

Não defendo que a nossa vida se torne um suplício, no que diz respeito a vestir algo que gostamos, não o fazendo porque queremos ser mais “verdes”.

Fica apenas um “lembrete” relativamente a esta ideia, que até podemos tentar aplicar em parte. Porque não?

 

“Rosa Azul” por Rui M.

 

I

 

Doce é o vento do teu céu,

Que cai suavemente sobre os vales profundos

E os verdes que neles habitam,

Recobrindo os seus monstros, que neles vivem,

Quando liberto a minha imaginação, pura,

Sem a alegria da novidade, porque,

Tudo em ti me aprisiona com a tua força,

Feita de encantamento, como numa história

Das mil e uma noites e de uma esplanada

Na noite de faculdade.

 

De sonho é esse vento que me abraça,

Que beija as tuas faces e as de todos,

Que vem e tudo preenche,

Tal como quando uma criança adormece,

Embalada com a correria da tarde e já

Não sente o corpo; e seja o prolongamento

Do ambiente que a envolve e lhe garante tudo:

O futuro e ela são, então, suportados pela natureza.

A mãe de todas as cores e também tua mãe,

Que és azul como nunca uma rosa foi.

 

II

 

Não fosse o ser humano parte da natureza,

e tu não serias natural…

Fosse o mar sempre verde esmeralda ou escuro,

e tu não serias da cor dos oceanos…

Fosse eu imensamente desatento,

e tu não me surpreenderias tanto…

Sou atento, já não me julgava capaz de sentir surpresa.

Não fosse este mundo às vezes tão injusto…

Não te seria eu tão grato, por existires.

Não há espinho em ti que não seja meu,

porque o sangue que foge dos meus dedos

é a liberdade de te acariciar tal como és,

quem ama, ama plenitude,

não há dor que suplante o amor.

Estou certo, não sei porquê,

que terias sempre de existir,

para que o universo fosse pleno

e o azul do cosmos que cintila,

nos anéis de gelo e pó de Saturno,

decidiu repousar, em ti,

Vénus século XXI, que o seduziste,

até um só serem.

Como o arco e a mão de criança,

que brinca, brinca, brinca.

 

rosaok3.gif

 

Por Avicii.

Este vídeo, além de ser muito apelativo, mostra-nos muito verde e inspira-nos a seguir sempre em frente.

Avicii - Wake Me Up (Official Video)

 

 

Podemos encontrar o vídeo e gostar em:

https://www.youtube.com/watch?v=IcrbM1l_BoI

 

Até breve.

Um poema por Eloísa Ávilla em Homenagem a Nelly Furtado

por talesforlove, em 04.02.19
ESTRELA NELLY FURTADO
 
 
 
Sentir-se e cantar como um pássaro...
 
É a sensibilidade da estrela luso-canadiana.
 
 
 
No ritmo da batida de um tambor...
 
Na melodia dos versos inspirados em seus jardins
 
Viajo...
 
 
Em meu universo
 
Na rede da varanda
Enlaçada ao meu amor...
 
Sou grata a sua canção
 
Que faz pulsar os nossos corações...

 

1 de Agosto - Homenagem a Celeste Rodrigues - Homenagem ao Fado

por talesforlove, em 01.08.18

Agosto chegou com o seu calor. Talvez um pico de calor devido ao aquecimento global ou apenas, tão só, um capricho da natureza.
Mas hoje, despediu-se de nós uma força da natureza: Celeste Rodrigues, aos 95 anos, pelo que o melhor será reconhecer que após este facto, nada mais há que se possa dizer.

Fiquemos pois com dois vídeos em sua homenagem, e muita saudade.

 

 

 

 

Até breve.

Boas leituras, bom descanso e um abraço. 

Dia de 1 de Junho 2018

por talesforlove, em 01.06.18

Junho começa com o Dia da Criança. Símbolo também da esperança, futuro, sonho e presente.

Em Portugal, neste Junho, pela primeira vez, recorda-se o um ano após as mortes nos fogos florestais de 2017; sobretudo a tragédia de Pedrógão. Todos nós sabemos o que isso significa e significou; não é necessário, portanto, esclarecer o que esclarecido está. Queremos um novo horizonte mas, ainda neste mês de Maio esse evento, muito atual, se fez de novo nos seus tons próprios. Faleceu uma pessoa anónima, de seu nome João, a cortar erva/mato quando caiu de uma barreira com cerca de 2 metros de altura. Fim breve e com a simplicidade que fora a sua vida. Convém homenagear o anónimo, pois quem o faz?! O herói simples do dia comum que ninguém menciona por não se julgar merecer o gasto de tempo na escrita de um breve texto. Aquele que mesmo que fosse esquecido, ninguém repararia nesse facto e para quem ninguém tem necessidade de fazer a derradeira vénia publica. A homenagem aos mais notáveis faria quase um sentimento de dignidade a quem a faria mas, neste caso, esse sentimento é-nos mais pessoal, um exemplo, vindo de uma parte do mundo mais remota.

Entretanto, voltando a página, redescobrimos ou recordamos a combinação ardente de 2017: fogos florestais e a Feira do Livro de Lisboa. Em 2018, a pena mecânica criou mais um exército de livros comercialmente dispostos e apresentados (quase sempre), no Parque Eduardo VII. O tempo mais fresco brindou o país com a sua presença “salpicada”, um ou outro dia, com subtil chuva, pelo menos até ao dia de hoje. Mas será Junho assim tão morno?

À parte de perguntas como esta, “difusas”, dizem as “más línguas” que uma imagem pode erradicar a necessidade de 1000 palavras; motivo pelo qual vos oferecemos estas fotos:

 

 

1feira2018.jpg

 

2Feira2018.jpg

3Feira2018.jpg

 

 

Queremos acreditar que este ano a Feira terá ainda mais visitantes; nota-se uma enchente de famílias, de leitores, de turistas, de simples “olharapos”, que parece antever tal hipótese. Sem esquecer a nostalgia de feiras passadas… Afinal, onde está o telescópio que nos permite ver, lá longe, a lua cheia, redonda e perfeita como gostaríamos que fossem as nossas vidas?!
As poesias impõem-se pois novamente.

Por Joan B. (EUA – Califórnia)

 

WHY ME?

 

There are so many times in one’s life

When we quietly murmur “Why Me?

Complications, frustrations and worry

Seem to take over our lives and

Depression sets in.

We must remember that we are not alone

In how we feel.

The world today is full of negative images and writing.

How much more do we need to take hold of our own

Self in a determination to bring thoughts that are positive.

We are thankful for the gifts we have been given

And take in the beauty that surrounds us in nature.

Healing does not take place overnight but as we

Take one day at a time and look at a beautiful sunset or

Perhaps an aura of a rainbow stretching across the sky,

We look to our future with strength of mind and the knowledge

That there will be brighter days ahead.

 

Tradução para Português, por Rui M.

 

Porquê eu?

Quantas vezes na vida de alguém
Quando silenciosamente murmuramos “Porquê eu?”
As complicações, frustrações e a preocupação
Parecem dominar a nossa vida e
A depressão se instala.
Temos de nos recordar que não estamos sós
Na nossa forma de sentir.
O mundo dos nossos dias está repleto de imagens e literatura negativa.
Tornando tão maior a necessidade de nos apropriarmos da nossa própria literatura
Com a determinação para materializar pensamentos positivos.
Nós estamos gratos pelos presentes que nos têm sido dados
E tomamos para nós a beleza que nos rodeia através da natureza.
A cura não acontece durante a noite mas na forma como nós
Encaramos cada dia de cada vez e vemos um maravilhoso pôr-do-sol ou
Talvez a aura de um arco-íris que se espraia pelo céu.
Nós olhamos para o futuro com confiança e o conhecimento
De que haverão dias mais cintilantes à nossa frente.

 

Nota: Dedicamos este poema a todos quantos sabem o que é a depressão e a todos quantos respeitam esta doença; em especial aos bons, os verdadeiros, profissionais de saúde que se preocupam com a dignidade da pessoa. Aqueles e aquelas que abraçaram a sua profissão por vocação e não como resultado de um mero exercício contabilístico.

 

E também se impõe a alegria de perceber que o livro que originou este blog, “Tales For The Ones in Love” já chegou ao Brasil. Ei-lo forte e intemporal, nas mãos da talentosa Escritora Brasileira Maria Coquemala.

 

LivroM2018.jpg

 

 

Para terminar, fiquemos com a força das ideias, feitas música.

Que as entenda quem tiver olhos para as sentir.

 

2 Cellos – Theme from Schindlers’ List

 

 

 

Até breve.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D