Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Fernando Pessoa: D. Dinis em Mensagem

por talesforlove, em 16.04.20

Um poema de Fernando Pessoa.

 

Sexto

 

        D. DINIS

 

Na noite escreve um seu Cantar de Amigo

O plantador de naus a haver,

E ouve um silêncio múrmuro consigo:

É o rumor dos pinhais que, como um trigo

De Império, ondulam sem se poder ver.

 

Arroio, esse cantar, jovem e puro,

Busca o oceano por achar;

E a fala dos pinhais, marulho obscuro,

É o som presente desse mar futuro,

É a voz da terra ansiando pelo mar.

9-2-1934

Mensagem. Fernando Pessoa. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1934 (Lisboa: Ática, 10ª ed. 1972).

 - 31.
 

nomuseu1.jpg

Nota: fotografia no Jardim do Museu de História Natural de Lisboa (Fevereiro 2020)

 

Até breve.

Biólogo e Artista Plástico

por talesforlove, em 09.09.19

O Artista Plástico e Biólogo Fernando Grade faleceu ontem, aos 64 anos, vítima de cancro. Era um defensor de causas ambientais e gostava de falar do impacto da ação humana no Algarve, que era a sua terra. Evidentemente, o facto de ser Biólogo proporcionou-lhe uma visão mais detalhada, mais próxima, da realidade e por isso, e também por ter ousado ser também Artista Plástico, o seu legado deverá continuar a ser tido em conta. Muitos de nós não o conheceríamos, todavia, tal não se deverá ao seu desmerecimento mas acima de tudo à nossa limitação humana. Sim, hoje, a luta pela conservação da natureza parece revestir-se, ironicamente, de contornos "artísticos", no sentido de ser uma arte delicada, de difícil execução e até, não raras vezes, difícil compreensão.

A Arte surge aqui como uma intermediária sensível entre a debilidade da ação humana e quem com ela contacta, através deste "filtro", este olhar, frequentemente sem palavras, que nos faz sentir de novo uma realidade, uma dualidade: entre o que gostaríamos de ser, ao agir, e aquilo que realmente conseguimos ser, ou quase ser... Trata-se de um alerta, através de uma linguagem individual, mas movida por causas e não só estética.

Duas páginas que nos podem informar mais sobre o seu legado:


https://www.sulinformacao.pt/2019/09/morreu-fernando-grade-artista-plastico-e-defensor-de-causas/

https://www.sulinformacao.pt/2018/07/pedro-cabrita-reis-esta-exposicao-e-uma-luz/

 

Até breve.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D