Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via blogsnat@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via blogsnat@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Uma Foto Um Conselho

por talesforlove, em 27.03.20

Vivemos uma situação muito estranha e fica aqui um conselho aos amigos e amigas leitores(as) que estão em casa.

Uma forma comprovada de suportar situações de isolamento é, por exemplo, ter um caderno em que cada folha é um dia, em que se indicam tarefas a realizar, eventualmente para determinadas horas.

Caso não tenha um caderno mas uma folha de papel, pode-se reservar uma ou duas linhas, para cada dia, para o mesmo objetivo.

Por fim, verificar que se conseguiu algo, pese embora as dificuldades, significa que valeu a pena. 

Nós valemos a pena.

20200326_141201 (1).jpg

 

Até breve.

Poesia e Esperança e Fado

por talesforlove, em 23.03.20

É assim

 

É à luz dos teus poemas

Que deslindo mil teoremas

Primeiro o do amor, depois o da dor

e por fim o desse sideral calor.

 

É pela luz da tua poesia

Que nessa tristeza dolente

Sinto a paradoxal alegria

De quem sofre e está contente.

 

E é assim que da ombreira desejo,

Feitas a lápis de cor, as cores deste meu amor,

Rendido ao poético tremor deste ardor.

 

Sou finalmente o além aquém,

Sem nexo, sem mais nada só

Sinopse do frio azul com a luz distante.

 

(Final de 2016)

 

È così



È alla luce delle tue poesie
Che scopro mille teoremi
Prima dell'amore, poi del dolore
e infine il caldo di quel sidereo.

È alla luce della tua poesia
Che  in questa dolente tristezza
Sento la paradossale allegria
Di chi soffre ed è contento.

Ed è così che dalla soglia del desiderio,
Fatte in matita colorata, i colori di questo mio amore,
Arreso al poetico tremore di questo ardore.

Sono finalmente lontano,
Senza un collegamento, senza nient'altro solo
Sintesi del freddo blu con la luce lontana.

(Fine del 2016)

 

Joana Amendoeira: Todas as horas sao breves (2010)

Até breve.

 

“Lobos, Humanidade e Florestas” Parte II – CORONA

por talesforlove, em 13.03.20

Esta relação de medo e ódio como o lobo assemelha-se quase à nossa relação com o corona vírus, no sentido em que neste momento muitos de nós se sentem perseguidos por uma besta. Existe entre o homem e a natureza uma balança que se desequilibra em determinado momento. Agora somos nós a presa, mas uma presa que reage e luta... A circunstância atual não podia ser mais adequada a esta analogia. Infelizmente.

A situação em Itália é como se fosse um vislumbre do pavor e ficção, e ainda assim vemos sinais de unidade/união entre as pessoas.

É provável que esta situação venha a servir para aprendermos ainda mais os valores da entreajuda e depois de superarmos esta fera microscópica, só visível em microscópio electrónico, eventualmente tenhamos alguns dias de Verão tardio, feito de Paz e Tranquilidade.

Vamos acreditar e HOJE somos todos Itália!

Fica um vídeo com música do filme Franco-Italiano “Cinema Paradiso” ou em Português “Cinema Paraíso”, de 1988.

https://www.youtube.com/watch?v=ozkqm2ifMw8

 

E hoje é o dia de aniversário do autor do blog.

Um abraço a todos os leitores e leitoras, voltem sempre e partilhem, subscrevam.

Obrigado.

Até breve.

A Antologia Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 11.08.19

Caros Amigos e Autores,

É com enorme prazer que informamos estar “concluída” a produção da Antologia Natureza 2018-2019.

A conclusão deste trabalho poderia nunca ser dada como real, dada a tamanha beleza dos trabalhos recebidos e selecionados e a inspiração por ela suscitada.

Este ano, a Antologia divide-se em Caderno 1 e Caderno 2, em quase 300 páginas de sucesso crescente.

 

Fica um abraço suave e incondicional, como o de uma árvore, tal qual a árvore e o amor na música seguinte:

“Ombra Mai Fu” (“Sombra nunca foi” ou “A árvore nunca foi sombra”) por Franco Fagioli.

 

 

E como estamos em Agosto, tempo de regresso a Portugal de imensos Emigrantes Portugueses, fica uma música de homenagem, com um vídeo realizado durante uma dessas viagens de regresso, por exemplo, a partir de França.

 

“Meu querido mês de Agosto” por Dino Meira.

 

https://www.youtube.com/watch?v=KmIQws6geFY

 

Um enorme Muito Obrigado a todos e Até Breve.

 

1 de Julho 2019: dia de Verão e Presente feito Futuro

por talesforlove, em 01.07.19

Estamos em pleno verão e em grande parte de Portugal, as temperaturas continuam amenas. Com alguma frequência sentimos mesmo algum frio. Será o aquecimento global com uma das suas variações de temperatura inesperadas? Não sabemos mas suspeitamos.

O poema de Marina B. é como um grito neste contexto, em que nem tudo o que poderia ser feito é feito para que o clima não mude e não sejamos afetados por essa realidade.

 

O RIO DA MINHA VIDA

 

O rio da minha vida

Verteu corredeiras

Chorou serenatas

Dormiu e acordou no remanso.

 

O límpido rio da minha vida

Jorrava exuberância

Mais do que banho

Era brinquedo

Evento.

 

Hoje escorre condoído

Em fiapos de esgoto

Sem cor e sem perfume

Desfalece em fase terminal.

 

Os homens?

Obtusos

Tampam os olhos

Entorpecem sentimento.

 

E aquele rio da minha vida

(Como outros)

Outrora infância

Outrora florescência

É excremento do homem!

 

Por hoje termina-se com a música "Meravigliosa creatura" de Gianna Nannini, Itália, uma das preferidas do meu amigo André Mendes, autor de receitas de culinária inclusivas.

 

 

Um abraço a todos.

Até breve.

Fogo de papel

por talesforlove, em 01.06.19

A 17 de Junho e a 15 de Outubro, do mesmo ano, abateu-se sobre Portugal uma catástrofe ambiental provavelmente sem paralelo no passado. Os fogos florestais não só tiraram a vida a mais de 100 pessoas, de uma forma horrível e quase em direto através dos canais televisivos, como ficou evidente a total incapacidade para as evitar. Querer salvar alguém e não o conseguir é certamente uma das maiores dores que um ser humano que sobreviva a uma catástrofe poderá sentir, quero acreditar.

Depois do choque vieram os ‘porquês’ sempre dignos de debate mas também e sem possibilidade alguma de refreamento surgiram as respostas evidentes para todos, ainda que não sejam peritos: por exemplo, o excesso de eucalipto. Agora, é também aparentemente evidente que o muito que entretanto foi feito não é suficiente, afinal havia tanto que deveria ter sido realizado antes e que não o foi, certo? Parece que o potencial excesso de eucalipto nas zonas ardidas espera apenas o tempo devido para se voltar a manifestar, após o crescimento das árvores em recuperação…

Tudo o que acabo de referir parece ser óbvio, assim como é garantido que o plástico a ser substituído pelo papel nas embalagens significa resolver um problema com um outro potencial problema, se bem que aparentemente menos drástico. Em 2016, na Europa, 40 % do plástico usado servia em embalagens e em segundo lugar no consumo, surgia, com 20 %, o setor da Construção (Fonte: PlasticsEurope). Este facto, significa que a eliminação ou a redução do plástico no acondicionamento dos produtos, é o caminho certo. Todavia, no futuro, é uma hipótese o regresso do plástico às embalagens porque, por exemplo, o projeto europeu EcoBioCap, desenvolveu um biopoliéster biodegradável, ou seja, um novo plástico. Convém recordar que se o plástico atual fosse biodegradável não seria o problema que hoje é e o abate de árvores para produção de papel acondicionador de produtos não seria necessário. Sem dúvida, pelo menos neste caso, devemos ter uma esperança fundada em dias melhores.

Até breve.

2019 e a São Silvestre 2018 na Amadora

por talesforlove, em 02.01.19

Caros amigos. 
Chegámos a 2019 e esperamos com interesse as surpresas literárias e técnicas relacionadas com a Natureza. 
Mesmo no final de 2018 foi possível assistir à mini-maratona São Silvestre da Amadora e valeu muito a pena. Por um lado, foi incrível perceber que Rui Pinto conseguiu concluir os 10 quilómetros em menos de 30 minutos e, por outro, todo o aparato de pessoas e fotógrafos emprestou uma magia adicional ao evento, já de si muito, muito apelativo. A envolvente ao local ajudou a emprestar um sentimento de comunhão com a natureza, pois os jardins da estação de metro da Amadora-Este e as pinturas de Pessoa e Amália em duas fachadas laterais de edifícios enormes, criavam uma "comunhão verde". E claro, para a maior parte de nós o metro é o meio de transporte mais amigo em termos de custo e de preservação do meio ambiente. Afinal, podíamos ir a correr até ao local de trabalho, mas, em menos de meia hora, só mesmo para campeões! 

bolanasaosilvestre2018.jpg

Prova_S_Silvestre_2018Pequena.jpg


Desejamos a todos um excelente 2019, com muita literatura, natureza e esperança renovada. 
Até breve.

 

Fogos na Califórnia....

por talesforlove, em 14.11.18

Hoje na Califórnia...

 

https://www.nytimes.com/2018/11/11/reader-center/california-fires-how-to-help.html

 

https://pt.euronews.com/2018/11/13/fogos-na-california-ja-fizeram-mais-de-40-mortos

 

https://www.dn.pt/mundo/interior/fogos-na-california-neil-young-desafia-donald-trump-sobre-ciencia-10169097.html

 

Até breve.

"Rui" um poema por Viviane P. (Brasil)

por talesforlove, em 31.08.18

Rui
 
Rui Carlos de Avelar
Rui Raposo  Aragão
Rui Alcântara Moreira
Rui Augusto de Queiroz
Rui Alberto Porto e Silva
Rui de Castro Andrade Costa
Tua  escrita me deu voz!
 
 
 
Rui Batista Brito Sousa
Rui Mota Borges Vaz
Rui das Fontes Alencar
Rui Mathias de Bragança
Rui Felipe de Albuquerque
Rui Mendonça Escobar
Rui Seabra Maciel
Rui: me destes esperança!
 
 
 
Rui Machado de Aguiar
Rui Lopes de Assunção
Rui Rodrigues Pereira
Rui Mendes Valadão
Rui Fernandes de Jesus
Rui Pereira Pinto Alves
Rui : eterna gratidão!

 

Muito obrigado pela gratidão e apoio.

Sabe bem ser bem-vindo e reconhecido.

 

Até breve.

 

Fogos na Grécia e no Norte da Europa

por talesforlove, em 24.07.18

Uma nova tragédia ambiental.

 

Mais informação aqui:

https://observador.pt/videos/atualidade/fogos-na-grecia-as-chamas-ja-nos-queimavam-as-costas-quando-mergulhamos-no-mar/

e

https://www.dn.pt/mundo/interior/fogos-na-grecia-causam-pelo-menos-24-mortos-e-mais-de-100-feridos---novo-balanco-9628835.html

 

Um novo poema para esta situação, faz sentido.

Quem o desejar escrever pode enviar para: ruiprcar@gmail.com

 

Um abraço.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D