Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Hoje Dia Mundial do Sonho II: "Sonho" por Rui M.

por talesforlove, em 25.09.20

Sonho

Sonho. Com um dia reluzente, redondo como o mundo,

com os mares a curvarem-se perante o horizonte,

com as libelinhas levadas até à maresia, levadas pelo vendo,

que entre marés as leva a sobrevoar as águas,

e a mim a sonhar com golfinhos que saltam mais alto,

que as memórias, que as montanhas distantes.

 

Sonho. Com algas, em fraternidade, que os meus pés envolvem,

Como quem abraça alguém que se ama, se chama,

e Sonho com mergulhos em águas superficiais onde

a música da água e os sons baleares se misturam

com as hormonias dos camarões e os UV do sol

nas cores dos corais… que Sonham com o dia.

Faço surf sobre estes Sonhos…

 

Sonho. Com céus de esperança, que se refletem em batoréus,

mede-palmos, arranca-olhos, a voar rasantes, em Sonhos,

e com aranhas negras penduradas em estrepoeiros.

Sonho. Com o ar quente do céu, suave como um ardor de vida

e ouço passos sobre terras, crepitantes, sobre ervas,

os meus passos até ao rio,

onde entro numa jangada e remo, remo…

Vou sem parar, entre amieiros, ondulantes,

e salpicos de águas verdes, frias.

 

E, por fim, além da última esquina do rio:

de novo o mar… de novo abraçar,

de novo Sonhar…

1 de Setembro 2018

por talesforlove, em 01.09.18

Este é um blog dedicado a literatura e à natureza, sediado em Portugal, pelo que se justifica plenamente olhar para Espanha. Fomos ver como o escritor Cervantes (de Dom Quijote de la Mancha) marcou este país. Fomos a Anadaluzia e verificámos como a sua cidade principal, Sevilha, homenageia os seus escritores. Vimos belas planícies, quentes, como fogo, e flores dependuradas em belíssimos vasos, mesmo junto a monumentos com jardins poéticos.

 

 

andalucia1.jpg

andalucia2.jpg

andalucia3.jpg

 

 

 

Esta natureza poética, recorda-nos o Peru, com Leo Rojas (El Condor Pasa) e a sua música sempre muito irmã da floresta e das montanhas selvagens.

 

 

 

Neste Agosto, os fogos em Monchique relembraram a importância de uma Floresta bem gerida.

 

https://observador.pt/2018/08/04/mais-de-40-incendios-em-todo-o-pais-fogo-de-monchique-agravou-se-e-ficou-descontrolado-durante-a-tarde/

e

https://www.publico.pt/2018/08/07/sociedade/noticia/fogo-de-monchique-ja-destruiu-mais-de-16500-hectares-1840300

 

     

 

 

 

Afinal, como diria Emily Dickinson:

 

Florescer – é Resultar – quem encontra uma flor

E a olha descuidadamente

Mal pode imaginar

O pequeno Pormenor

 

Nota: tradução de João D.

 

Terminamos com um poema da Polónia, por Eliza S.

 

Translated by Artur Komoter

 

Just for a Moment

 

If the world stopped for a moment,

I could sit,

listen to the silence that becomes,

watch how

a river stops flowing,

how the trees congeal into motionlessness.

 

If the world stopped for a moment,

and I with it?

I would not see

flowering meadows,

where a river becomes just a line,

and the still trees

look like sculptures,

I would not hear the ubiquitous silence.

 

If the world stopped

even for one day

then people –

could not hurt people.

 

Tylko na chwilę

 

Gdyby świat zatrzymał się na chwilę,

mogłabym usiąść,

posłuchać jak staje się cisza,

patrzeć jak

rzeka przestaje płynąć,

jak drzewa zastygają w bezruchu.

 

Gdyby świat zatrzymał się na chwilę,

a ja razem z nim?

Nie widziałabym

ukwieconych łąk,

na których rzeka staje się tylko linią,

a nieruchome drzewa

wyglądają jak rzeźby,

nie słyszałabym wszechobecnej ciszy.

 

Gdyby świat zatrzymał się

choć na jeden dzień

wtedy ludzie –

nie mogliby krzywdzić ludzi.

 

Tradução para Português por Rui M.

 

Apenas por um momento

Se o mundo parasse por um momento,
Eu poderia sentar-me
ouvir o silêncio que surgiria
e observar como
um rio pára de fluir
e como as árvores se detêm em gélido imobilismo.

Se o mundo parasse por um momento,
e eu com ele?
Eu não veria
prados floridos,
onde um rio se torna apenas uma linha,
e as árvores imóveis
fossem semelhantes a esculturas,
Eu não ouviria o silêncio omnipresente e total.

Se o mundo parasse
mesmo por um dia
então as pessoas -
não poderiam ferir as pessoas.

 

 

Subscreva este blog.

Até breve.

MINHA ILHA por Shmavon Azatyan - Arménia

por talesforlove, em 04.04.16

MINHA ILHA

 

Tu és a minha ilha celestial

para a qual eu nado

para me aportar

longe da maledicência de todo o mundo.

 

O mar é frio,

o dia é sombrio,

eu estou dormente –

os meus sentimentos tornam-se frígidos.

Todavia tu

tens o poder no meu coração.

 

Eu esforço-me até ti:

o dia de outono encurta

além das águas altas –

a vida esvanece-se,

e o salto do

brilho da venda dos olhos

desperta a minha antecipação.

 

E então a predisposição

que eu divinizo

nos teus gestos

perde a sua superioridade.

 

Quando chega o tempo

em que nós finalmente podemos falar

a ilha já desapareceu.

 

Entre tu e eu

o mar espraia-se sobrecarregado com céus sombrios;

apenas a topografia anónima

que nós ambos nos preocupámos em observar

é o que nos pode levar

para junto um do outro.

 

Nota: poema vencedor do concurso "Nature 2015", original em Inglês "MY ISLAND"

 

 

Concurso Literário Internacional - “Poemas e contos sobre a natureza — 2015”

por talesforlove, em 25.06.15

A floresta respira e, como resultado, o planeta terra também respira, dando-nos o oxigénio de que necessitamos para viver. Durante o Inverno, no hemisfério norte, onde está a maioria da terra não submersa do Planeta, muitas árvores perdem as folhas, e o dióxido de carbono aumenta na atmosfera, de que resulta um pequeno aumento da temperatura global. Na Primavera e durante o Verão, as árvores criam folhas, que permitem a captura de dióxido de carbono, fazendo com que o clima se torne ligeiramente mais fresco.

Para vos dizer a verdade, considero que as árvores são preciosas onde quer que se encontrem, quer estejam sozinhas numa rua cinzenta quer estejam num pequeno grupo num bonito jardim artificial. Ajudar uma árvore a crescer é como ajudar a crescer uma amizade, é um acto de poesia, e quem sabe que contos podem inspirar os raios solares que atravessam os seus ramos.

Nenhum animal do mundo quer saber de poesia escrita porque lhe basta a poesia visual das flores ou dos recifes coloridos. Os animais simplesmente desfrutam a beleza das dádivas da natureza pura!

Mas você sabe que a subida de temperatura média do mar em dois graus Celcius pode causar sérios danos aos recifes? E sabe que o grande segredo dos cães é a sua amizade e abordagem simpática para connosco? Certamente, sente que toda a criatura viva é Natureza; nós mesmos somos parte da Natureza, e por isso também merecemos um poema… Proteger as flores é proteger-nos a nós.

A vida é especial, e é por isso que fazemos o convite para participar com o seu melhor poema ou conto sobre a Natureza.

Desejamos seleccionar 36 poemas e 4 contos para uma antologia que será publicada como e-book em PDF (e eventualmente para Windows 8).

Regulamento:

  1. A participação neste concurso é gratuita.
  2. Qualquer pessoa de qualquer país pode participar desde que submeta trabalho redigido em português.
  3. Requer-se o preenchimento e envio do questionário (anónimo) disponível em: https://docs.google.com/forms/d/1rmFKGFHAIqWcgXEb3JK6J6HXZXxQmES8kWZnaf0P1vA/viewform.
  4. Cada participante pode submeter dois poemas, sem limite de palavras, e um conto, com um máximo de 3000 palavras.
  5. Os trabalhos devem ser enviados por e-mail para Rui M. (ruiprcar@gmail.com) juntamente com nome, país, contacto electrónico. O assunto do e-mail deve ser Concurso Literário Internacional Poemas e Contos para Natureza 2015’”.
  6. Os autores premiados têm direito a certificado em formato digital.
  7. Os cinco primeiros classificados na categoria poemas têm direito a uma gravação áudio do seu poema.

 

  1. Todos os poemas seleccionados serão publicados em antologia, a qual estará disponível em formato PDF (possibilidade de vir a existir em Windows), com um custo de 2,5 € (pagamento por PayPal). Os autores premiados têm direito a uma versão gratuita. Do valor cobrado nas vendas, serão utilizados 50 % para pagar custos do concurso, 25 % para plantar árvores e 25 % para o prémio monetário do próximo concurso literário.
  2. Data limite de participação: 30 de Setembro de 2015.
  3. Os resultados serão anunciados em finais de Outubro em  http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/.

 

 

Organizador do concurso:

Rui M.

 

Responsável do Júri:

Ricardo Nobre, Doutor em Estudos Portugueses pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

 

Principal patrocinador:

Rui M. Publishing

 

Parceiros:

 

a) Book Park and Arts & Literature (España/Spain/Espanha)

http://www.thebookpark.com

 

b) Blog Destante (Portugal)

http://destante.blogspot.pt/

 

c) Encruzilhadas Literárias (Portugal)

http://encruzilhadasliterarias.blogspot.pt

 

d) Jornal Bom Dia (Luxemburgo)

http://bomdia.eu/participe-em-concurso-literario-internacional/

 

e) Biblioteca de Arganil - Miguel Torga

http://www.bibliotecas.cm-arganil.pt/

 

f) Comissão de Festas de Santa Catarina 2015;

https://www.facebook.com/santacatarina2014

 

Melhores cumprimentos,

Rui M.

 

Fotos inspiradoras:

 

flores.jpg

 

florespequenas.png

 

 

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D