Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Poemas Vencedores - Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 28.02.19

Finalmente, anunciamos os vencedores da Categoria Poesia, para a Edição 2018-2019 do Concurso Natureza.

Poesia:
“Vida ao vento” Bárbara Rocha de Brasil - 1º Lugar
“Submarino” por Renato TouzPin de Brasil - 2º Lugar
“Chuva” por Maria Catarina Canas de Portugal - 3º Lugar
 
 
Menções honrosas:
 
“CHAYA” por Anna de Freitas de Portugal
“Preservação da vida” por Cristina Cacossi de Brasil
“O Cosmonauta e o Poeta” por Paulo Caldeira de Brasil
“Dança das Flores” por Silvia Ferrante de Brasil

 

Parabéns a todos os vencedores e vencedoras.

O Concurso Natureza tem feito um percurso de reconhecimento dos autores e autoras que acreditam nesta aventura literária e sobretudo acreditam num mundo diferente, em que o ambiente e a sua preservação, por ser central para o nosso bem estar, tem um papel central nas nossas vidas, enquanto comunidade global. 

Muitos trabalhos serão aqui divulgados, ainda que não premiados com primeiros lugares, assim os(asautores(as) assim o autorizem. 
Até breve e boa escrita.

 

Poema a Brumadinho por João Alberto Araújo

por talesforlove, em 05.02.19

Porque estamos perante uma tragédia ambiental e humana, fica o seguinte poema.

 

Um pouco de minhas lágrimas...

À BRUMADINHO.jpg

 

Primeiros Resultados do Concurso Literário "Natureza 2018-2019"

por talesforlove, em 01.02.19

É com grande alegria que aqui apresentamos a lista de poemas e contos selecionados para entre eles escolher os finalistas do Concurso Literário “Natureza 2018-2019”

 

CONCURSO NATUREZA 2018-2019

 CATEGORIA CONTO



Autor

País

Alberto Arechi

Itália

 

Juliana Mesquita

Brasil

 

Luísa Fresta

Portugal

 

José da Silva

Brasil

 

Alessandra Barselar

Brasil

 

Evandro Valentim de Melo

Brasil

 

Maia Piva

Brasil

 

Thalita Cini

Brasil

 

Regina Caires

Brasil

 

Marcos Neves Jr.

Brasil

 

Francisco Guilherme 

Brasil

 

Diana Pinto

Portugal

 

Rafael Tsychiya

Brasil

 

Andrea Espindula

Brasil

 

 Ilva Moraes da Silva

Brasil

 

David Ariru

Brasil

 

Maria Thereza Bicudo

Brasil

 

Murilo Christino

Brasil

Eugénia Maria Martins

Portugal

Jéssyca Carvalho

Brasil

 Francisco Alcântara

Brasil

Thayanne Khésse Melo Silva

Brasil

Rosângela Dos Santos Oliveira Aragão De Matos

Brasil

Adônis Delano

Brasil

Luiz Otávio de Oliveira Alves

Brasil

Joaquim Bispo

Portugal

Zilmar Junior

Brasil

Adriano Figueiredo Monte Alegre

Brasil

Eduardo Soares

Brasil

Bruna Cristina Lima Nascimento

Brasil

Sonia Regina Rocha Rodrigues

Canadá

Lúcia de Fátima Carvalho

Brasil

Aldenor Pimentel

Brasil

Luís Amorim

Portugal

Juliana Karol Falcão

Brasil

Margareth Aparecida Leite

Brasil

Ana Carolina Machado

Brasil

 

 

CATEGORIA POESIA





   

País

 

Anchieta de Santana

Brasil

 

Nanci Oliveira

Brasil

 

Renato TouzPin

Brasil

 

Claudia Lundgren

Brasil

 

Odenir Follador

Brasil

 

Jhonatan Mata

Brasil

 

Osmarina Ferreira

Brasil

 

Gabriel Lima

Brasil

 

Lucicleide Nascimento

Brasil

 

Paula Caldeira

Brasil

 

Agnes Messmer

Brasil

 

Silvia Ferrante

Brasil

 

 

Cristina Cacossi

Brasil

 

 

Regina Gouveia

Portugal

 

 

Bárbara Rocha

Brasil

 

 

Marcelo Feres

Brasil

 

 

Solange Santana

Brasil

 

 

Eloísa Ávilla

Brasil

 

 

Aiume Silva da Paixão

Brasil

 

 

Matheus Campos

Brasil

 

 

André Soares

Brasil

 

 

Cesar Theis

Brasil

 

 

Larisa Guimarães

Brasil

 

 

Luiza Azevedo

Brasil

 

 

José Mellega

Brasil

 

 

Bruna Lima

Brasil

 

 

Lucas Santos

Brasil

 

 

Luis Alencar

Brasil

 

 

Vitor Costa

Brasil

 

 

Augusto de Sousa

Brasil

 

 

António Ramalho

Portugal

 

 

Carmen Dias

Brasil

 

 

Ana de Freitas

Portugal

 

 

Jair dos Santos

Brasil

 

Maria Catarina Canas

Portugal

 

Getúlio da Silva Oliveira

Brasil

 

Davi Frazão

Brasil

 

Alex Alexandre da Rosa

Brasil

 

Márcio Evanmarc

Brasil

 

LASANA LUKATA

Brasil

 

Beatriz Gomes

Brasil

 

Carlos Jorge Gomes Azevedo

Portugal

 

David Ariru

Brasil

 

Thaísa Cristofoleti de Vasconcelos

Brasil

 

Diego Sônego de Souza

Brasil

 

Marcony Meneguelli Alhadas

Brasil

 

 Cláudio Bertini

Brasil

 

Victor da Cunha Soares Trindade

Brasil

 

Alexandre Squara

Brasil

 

Bruno Augusto Valverde Marcondes de Moura

Brasil

 

João Victor Martins Ruyz

 

Brasil

 

 Antonio Hudson Carneiro de Souza

Brasil

 

Jéssyca Carvalho

Brasil

 

Lucêmio Lopes da Anunciação

Brasil

 

Tiago Arauto

Brasil

 

Thayanne Khésse Melo Silva

Brasil

 

Julia Aguiar de Araujo

Brasil

 

Kárita Helen da Silva

Brasil

 

Zenair Borin

Brasil

 

 Adônis Delano

Brasil

 

Valtair Evandro de Campos Grando

Brasil

 

Laryson Fonseca

Brasil

 

Jeanete Shimara Ferrão

Brasil

 

Francisco Carlos Rocha Fernandes

Brasil

 

Sara Timóteo

Portugal

 

Simone Lopes Genari

Brasil

 

Diobelso Teodoro de Souza

Brasil

 

Silvano Lyra

Brasil

 

Conceição Maciel

Brasil

 

Maikon Douglas

Brasil

 

Francisca Leide Rodrigues Freitas

Brasil

 

Matheus Jorge do Amaral de Souza

Brasil

 

Tatiane Marques Calloni

Brasil

 

Lúcia de Fátima Carvalho

Brasil

 

Anésio Fraga de Souza

Brasil

 

Jaqueline Rosa Fernandes

Brasil

 

Juliana Karol de Oliveira Falcão

Brasil

 

Telma Maria da Conceição

Brasil

 

Delaine Silva Santos

Brasil

 

Maria Ioneida Braga

Brasil

 

 Renata Alves Torres

Brasil

 

José Wilson Teixeira Cardoso

Brasil

 

Leandro Bonizi

Brasil

 

Sidnéya Day Ramos

Brasil

 

Luis Laercio Pereira

Brasil

 

Jéssica Bastos Nascimento

Brasil

 

Getúlio Pereira

Brasil

 

Maria Gonçalves

Portugal

 

Claudete Soares

Brasil

 

Lúcio Fernandes

Brasil

 

 

Outros poemas serão escolhidos para publicação no blog.

Obrigado e Parabéns!

Até breve.

 

 

 

Novos livros e nova poesia em 2019

por talesforlove, em 15.01.19

Boa tarde Amigos Autores,

 

Nada melhor do que começar o ano com sol e alguma bela poesia!

É interessante verificar que a par da publicação em papel surge imediatamente a publicação em formato digital. É algo que parece ser bom para o ambiente pois existe menor consumo de papel e o gasto de energia dos equipamentos de leitura parece ser negligenciável. A estes factos acresce que o formato digital é menos oneroso que o formato em papel. Para muitas pessoas, o livro continua a ser algo privilegiado na leitura de poemas e outra literatura, sendo que, podemos alegar, ainda contém a magia das coisas sem tempo e eventualmente sem grande complexidade.

 

Assim, com grande alegria, convidamos à leitura do livro “FAZENDO AMOR COM O UNIVERSO EM VERSOS” (Outubro 2018) de Claudete Soares (Brasil – Bento Gonçalves - RS), Editores Valdir Ben e Vânia Bortoletti, o qual nos apresenta um conjunto de poemas de grande sensibilidade estética e humana, a par de uma composição gráfica belíssima. Entre esses trabalhos encontra-se o seguinte:

 

capa do livroOK.jpg

 

 

 

FELIZ

 

Violinos tocam em mim

quando acordo em ti.

O meu anjo doce

estende um tapete de luz

para revestir o meu dia.

E eu caminho nas rosas das horas

entre perfumes e espinhos.

Feliz.

 

 

 

E ainda, este humaníssimo:

 

DOR DE MENINA

 

A menina chorava...

De feições doces, mas tão sofridas!

Quem saberá das suas feridas?

 

Quem saberá das dores

que lhe escurecem a alma?

Nem as flores, cujos perfumes

lambem a sua face,

conseguem serenar o coração aflito.

 

Ele que quer ganhar o infinito,

fugir desse lugar cruel

que lhe tira o mel da vida

e o cobre com véu os sonhos,

lhe roubando a seiva pueril.

 

Que olhos bondosos poderão vê-la,

e agasalha-la em seu colo,

salvando-a da aflição?

 

 

Para adquirir esta obra, com quase 150 poemas, e também disponível em versão digital/e-book, recomendamos os seguintes contactos: claudete@msrg.com.br e bendesign@bendesign.com.br

  

Ainda outro livro de poesia, que vale a pena conhecer, é “Azul Instantâneo” (2018) por Pedro Vale (Portugal – Madeira). A poesia visual é muito importante neste livro e sem dúvida oferece uma diversidade na interpretação do que se pretende transmitir. Assim, não é de estranhar que o design gráfico da obra, nomeadamente na capa, apresente linhas tão simples, não ofuscando, de forma alguma, o conteúdo poético já de si tão gráfico.

 

IMG_6281azul2OK.jpg

 

Um poema, sem nome, a ler será:

 

Talvez um dia recordes

num qualquer espelho torto

quão simples fora a tua salva

e te lembres daquela vez

em que ceáramos apenas meia

laranja e nada de pão naquela casa cega

com o telhado a verter lágrimas

de fel.

 

E ainda este:

cresceaespuma.jpg

 

Para contactar o autor, recomenda-se o seguinte contacto: valedepedro@gmail.com

 

Finalmente, convida-se à leitura de um poema naturalista por Marcelo de Oliveira Souza, IwA (Brasil):

 

Venezuela!

 

Veneza pequena, está ela

Grande emblema, singela!

Motriz da América,

Via da janela.

Braço forte,

Com clientela

Petróleo bruto

Na cancela,

Estado ativo

Virando favela.

 

O Fruto Maduro

Sofre no duro

Distorce o futuro,

Nesse grande enduro,

Não tem futuro...

Sem cair do pé.

Ninguém acode

Nem perde a fé,

O povo grita,

O sofrimento irrita

Até um dia o fruto Maduro

Que apodrece a árvore

Cair na maré!

  

Venezuela!

 

Venecia pequeña, está ella

¡Gran insignia, sencilla!

Motriz de América,

Vía de la ventana.

Brazo fuerte,

Con clientela

Petróleo bruto

En la cancela,

Estado activo

Que se transforma en barrio de lata.

 

El Fruto Maduro

Sufre mucho

Distorsiona el futuro,

En ese gran testarudez,

No tiene futuro ...

Sin caer del pie.

Nadie ayuda

No pierde la fe,

El pueblo grita,

El sufrimiento irrita

Hasta un día el fruto Maduro

Que se pudre en el árbol

¡Caer en la marea!

 

Até breve.

Abraço.

Um poema de Natal por Marcelo Souza (Brasil)

por talesforlove, em 24.12.18

Sonho de Natal 

Muito cansado 
Com o corpo esmaecido 
Voltei do centro animado 
Com as compras do Natal. 

Recolhi-me para dormir 
E tive um sonho encantado 
Onde cada presente comprado 
Ia diminuindo até sumir. 

Ao passo que o presente 
Ficava ausente 
Um necessitado 
Deixava de sofrer, ficando contente! 

Jesus Cristo abençoou 
Todos que estavam em angústia 
E o solitário ficou solidário, 
Esquecendo dos seus problemas. 

O doente voltou ao normal 
E o violento comemorou sem igual 
Num sonho de Natal 
Onde nada é impossível, 
Nada é normal... 

Só basta a gente sonhar 
E realizar, mexendo com as emoções, 
Pois o sonho de amar 
Está incrustado em nossos corações. 


Até breve.

Seleção dos textos - Concurso Literário "Natureza 2018-2019"

por talesforlove, em 19.12.18

Terminou a data limite para a submissão de textos ao nosso concurso e começou a seleção dos trabalhos. Desejamos a todos um Excelente 2019!

roda A5JPG.jpg

Até breve.

Poema - "Va pensiero…" por Regina Gouveia (Brasil/Portugal)

por talesforlove, em 04.12.18

Va pensiero…

Outrora, cruzavam os mares barcos negreiros apinhados de gente

espoliada de tudo- dignidade, crença, família, nome, terra.

Na bagagem levavam apenas revolta e saudade.

Oh mia patria, sì bella e perduta!....

Não imaginavam para onde iam, não sabiam por que razão partiam.

Esperavam-nos o tronco, as minas, os engenhos, a violência,

a discriminação, a mais desumana crueldade.

Di Sionne le torri atterrate …

Hoje, outro mar, outros barcos, igualmente apinhados de gente.

Fogem da violência, do terror, do medo, da fome, da guerra,

Levam na bagagem a esperança de uma vida decente.

O simile di Solima ai fati, traggi un suono di crudo lamento…

Por vezes cúmplices, tempestades, ventos indómitos,

mar revolto e sobranceiro, ondas altivas, poderosas,

tragam, vorazes, barcos e vidas, num repente.

Arpa d'or dei fatidici vati, perché muta dal salice pendi?

Hoje, como outrora, Neptuno, Poseidon, Éolo e outros deuses mais,

não importa a heteronímia, assistem impassíveis a toda a ignomínia.

Hoje, como outrora, indiferentes à brutalidade e ao horror,

homens oprimem outros homens sem o mínimo pudor.

Efémero poder…. Extinguir-se-á na inevitável hora da partida.

Va pensiero sull'ale dorate.…

Qual bálsamo, a música de Verdi permanecerá dulcificando a vida.

 

Até breve.

Em dia de esperança.

por talesforlove, em 22.10.18

Em dia em que se sabe que mais alguns refugiados morrem no Mar Mediterrâneo, recorda-se, por um lado, o Concurso Literário "Natureza 2018-2019" que se iniciou a 15 de Outubro, e por outro, o nosso papel essencial na proteção do meio ambiente. Quem sabe se ter uma pequena planta no parapeito da janela não poderá fazer a diferença? E aquele pedaço de plástico que não vamos atirar para o chão? Quem sabe se essa pequena ação não evitará no futuro que sejamos nós refugiados ambientais? 

Ninguém sabe.
Até breve.

Concurso Literário - "Natureza 2018-2019" - O Universo Nossa Casa

por talesforlove, em 06.10.18
A partir do espaço, a terra é um pequeno ponto de luz azul. Somos um pequeno grande nada, a esperança feita vida. Claro que a maioria de nós apenas teve a possibilidade de ver esse azul em ecrãs de televisão ou computador... ou em uma fotografia num livro. Todavia, acende-se no peito uma emoção estranha, quando nos deparamos com essa imagem.

Esse estado de espírito não nos prende, ainda assim, e somos tentados a olhar em redor, para o universo: para o profundo desconhecido que vai além da nossa imaginação, que nos impõe, as suas cores, as suas químicas, as suas leis da física, as suas vidas.

Enquanto a nossa ação em terra nos faz pensar, dadas as reações da natureza, sob a forma de inundações, tufões e fogos florestais enormes, o universo mantém-se uma "terra" de oportunidades. Até mesmo a literatura parece ter a obrigação de não repetir os erros do passado; tudo deve ser melhor.

A natureza do universo serve-nos de musa para mais este concurso literário. E mesmo um romance de Nicholas Sparks parece ser diferente se pensado nesse contexto imenso e cósmico. Tão impossível quanto um amor dito impossível, tão impetuoso como a vida no meio do nada...
 

natureza3.jpg

 


É neste contexto que, com grande alegria, anunciamos o início do Concurso Internacional de Literatura "Natureza 2018-2019", que este ano vai de 15 de outubro de 2018 a 15 de dezembro de 2018. Em 1 de fevereiro de 2019 são anunciados os pré-finalistas e no dia 28 de fevereiro de 2019 os principais vencedores.

Pode a poesia sobreviver a um universo que parece ser tão avesso à vida? O que temos nós a dizer sobre algo que nos é ainda tão desconhecido? Haverá alguma ligação, alguma comparação, que possamos fazer com a nossa realidade terrestre? Como pode surgir a ciência na literatura neste nosso contexto? Tudo isto é um desafio e nos faz pensar. Acima de tudo, deve ser visto como uma ação de boa disposição e alegria: um exercício de escrita entre amigos.

Todos(as) são bem vindos(as).
 
 

natureza2.jpg

 

 
 
Detalhes do Regulamento 2018-2019:

1. A participação neste concurso é gratuita.

2. Qualquer pessoa de qualquer país pode participar desde que submeta trabalhos escritos em português.

3. Cada participante pode enviar um poema, sem limite de palavras, e um conto, com um máximo de 3000 palavras. 

4. As obras devem ser enviadas por e-mail para Rui M. (ruiprcar@gmail.com) juntamente com nome, país, contacto eletrónico. O assunto do email deve ser "Concurso Literário Internacional  'Natureza - 2018-2019'". Espaçamento entre linhas: espaçamento simples; Dimensão da letra: 12; Tipo de letra: Calibri; textos no corpo do e-mail e não em ficheiro.

5. Os autores participantes concordam em receber e-mails no futuro que tenham como objetivo principal divulgar futuras iniciativas literárias. Devem subscrever o blog (caixa no topo).

6. Os finalistas vencedores de primeiros prémios têm direito a um certificado digital.

7. Todos os poemas selecionados serão publicados em antologia, que estará disponível em formato PDF (possibilidade de existir no Windows), com um custo de 2,5 € (pagamento de uma doação pelo PayPal). Os autores premiados têm direito a uma versão gratuita.

8. Direitos do autor: os autores têm seus direitos sobre os trabalhos publicados, a fim de publicar como quiserem em qualquer outro lugar. A organização do concurso detém direitos totais sobre os trabalhos publicados no contexto da Antologia do concurso.

9. Prazo final para participação: 15 de dezembro de 2018.

10. Pré-finalistas anunciados em 1 de fevereiro.

11. Os resultados finais serão anunciados no dia 28 de fevereiro em http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt e, quando possível, em outros websites a indicar no futuro próximo.

12. O primeiro de cada categoria terá direito a um prémio: obra de arte (uma pintura A4) enviada pelo correio.
 
 
Membros do júri:
[Lista não definitiva]

A) Edweine Loureiro (Brasil - Japão)
Escritor Brasileiro radicado no Japão.
Premiado internacionalmente.
 
B) Membro da Universidade de Lisboa (Portugal)
Anónimo.
 
C) Karina I. (Brasil)
Escritora premiada internacionalmente. 
 
D) Membro da Universidade de Lisboa (Portugal)
Anónimo. Formação em Astrofísica.
 

natureza1.jpg

 

 
Parcerias:
[Lista não definitiva]

Projeto "1 Café 1 Árvore"
https://m.facebook.com/1cafe.1arvore
 
Jornal "Bom Dia" Luxemburgo
http://bomdia.lu/
 
 
Ligação extra:
 
Arte sobre natureza
https://myvisualarte.blogs.sapo.pt/
 
 
Inspiração em:
A) Observatório Astronómico de Lisboa
http://oal.ul.pt/
 
B) E como mil anos podem ser necessários para viajar até aos confins do universo...

 


Christina Perri- A Thousand Years (Official Music Video)
Letra e tradução para breve.
 
C) Imagens da NASA em
https://www.nasa.gov/topics/solarsystem/images/index.html
 
Este ano homenagem a Nelly Furtado.
Quem desejar pode fazer um poema em sua homenagem e terá atenção especial por parte do júri.

 


Força (Radio Edit) Official Video
Vídeo por Pablo Campos
Força
NELLY FURTADO
FOLKLORE
All rights reserved © 2004 DreamWorks Records
 
Até breve e votos de feliz escrita.

No início de Outubro, Alfama, terra da alegria - Primeira Publicação

por talesforlove, em 02.10.18

E ainda que Alfama seja sempre terra de alegria, sempre, pois é feita de pessoas livres como o vento, que lhe seguem os passos, aqui fica um poema mais triste, ironicamente belo e escrito pela poetisa brasileira Viviane P.

 

FADO


Eu fui grande um outro dia, 
O meu nome era alegria,

Eu amava tal Maria,

Sempre sol era o que  eu  via.
Meu sorriso reluzia,
Minh´ alma se expandia,
Eu sonhava e não dormia.
 
 
Era noite,  ouvi um  fado,
Meu  olhar ficou parado,
Nas lembranças do passado,
E eu fiquei logo cansado.
Descobri que ao meu  lado,
A tristeza tinha estado,
Eu  sofria, um coitado!
 
 
Madrugada, eu entendi,
Alegria eu  não vivi,
E em Alfama descobri,
Naqueles bares em que caí,
Os fados todos que esqueci,
Cujas  letras eu bebi,
E embriagado eu me vi.
 
 
E me vi em muita dor,
Em  um fado de amor,
Deste  fado, eu sou cantor,
Mostrando todo  o esplendor,
De ser  fadista, um sonhador,
Vou com ele onde for,
Pois, sou do fado o senhor!

 

 

Recordamos ainda a importância de utilizar a água de forma responsável e quem sabe reutilizar quando possível. Eventualmente, lavando os vidros do carro com água sem detergente e no final utilizar a água suja, no balde, para regar uma planta.

 

É também com enorme satisfação que anunciamos para breve o Concurso Literário "Natureza 2018-2019".

 

Até breve.

 

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D