Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via blogsnat@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via blogsnat@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Julho e Agosto 2019: poesia 2

por talesforlove, em 31.07.19

Agosto começa com as suas promessas habituais de mês a meio caminho do final do ano: “como uma renovação sempre reafirmada na pausa das férias”. E muitos de nós olhamos com um pouco mais de atenção os dias que passam, como se o azul fosse mais azul. Fica hoje o convite para leituras que nos convidam a renovar o nosso olhar de leitor(a) e nos levam a crer em literatura renovada.

 

O livro “Requiem pelo planeta azul”, por Regina Gouveia, é um belo exemplo de obra literária inspirada pela natureza. Vale certamente muito a pena, conhecer este livro para o ler com o interesse de quem procura poesia naturalista e por vezes ativista da causa da conservação da natureza. Chegamos ao fim deste livro e lamentamos o seu final.

 

Cinzel

Entalhando o tempo, burilando o espaço,

um cinzel de artista

esculpiu este planeta azul de fundos oceanos.

Na memória, aprisionado,

o pó de um longínquo passado.

 

13.

 

Água, esquife de Ofélia,

fonte de vida para o lírio,

a bromélia, a rosa, a camélia,

para as flores no altar.

Água de sangues e linfas,

de sereias e ninfas,

dos homens cativa,

cada dia mais ténue o seu respirar.

 

O livro “Thoughts” (Pensamentos) de Mr. Ben (Chimezie lhecuna) é uma Antologia poética bastante introspetiva, que nos faz pensar sobre o mundo e sobre o que sentimos através dos olhos do autor, que nos colocam perspetivas diferentes das que alguma vez teríamos, pelo menos nas formas filosóficas de as conceber. Um bom exemplo é o seguinte poema:

 

Your Imagination is Your Reality

 

The beauty of the world is explained by its imagination

Hence, the reality behind its existence

 

The essence of humanity’s influence is predicated on the perceptive power of

Imagination

Hence, the reality behind its feats

 

The dynamic power of nature has its deep-rooted meaning in imagination

Hence, the reality behind its peculiar principles

 

The experiences you go through as a person have their foundations embedded

in your imaginations

Hence, the reality behind what shaped you as human.

 

Tradução, por Rui M.:

A Tua Imaginação é a tua Realidade

 

A beleza do mundo é explicada pela sua realidade

Portanto, a realidade que suporta a sua existência

 

A essência da influência da humanidade é explicada pelo poder percetivo da

Imaginação

Portanto, a realidade que suporta dos seus factos

 

O poder dinâmico da natureza tem o seu significado fortemente ancorado na imaginação

Portanto, a realidade suporta os seus princípios peculiares

 

As experiências que vives enquanto pessoa têm as suas fundações alicerçadas

nas tuas imaginações

Portanto, são a realidade do que te formatou enquanto ser humano.

 

Podemos encontrar algumas obras deste autor, em Inglês, em:

“Santa In Two Worlds” (“O Pai Natal em Duas Palavras” ou “O Papai Noel em Duas Palavras”)

https://www.ukiyoto.com/books/santa-in-two-worlds

https://pothi.com/pothi/book/mr-ben-santa-two-worlds

https://www.amazon.com/dp/B07RDYKQD6

 

“Twists of Life” (“Mudanças da Vida”)

https://www.amazon.com/dp/B07RC8JGFP

https://www.ukiyoto.com/books/twists-of-life

https://pothi.com/pothi/book/mr-ben-twists-life

 

“The Broken Mirror” (“O Vidro Partido”)

https://www.amazon.com/dp/1096652412

https://pothi.com/pothi/book/mr-ben-broken-mirror

https://www.smashwords.com/books/view/937179

 

Para terminar a nossa viagem poética deste início de Agosto de 2019, fica aqui um poema de Pedro Vale, cheio de e a transbordar de natureza marítima:

 

 

Açores

 

Nos campos de verde-chá 
Dorme a alva frescura habitada.

Sentir o azul cheiro no ar,

 
Sem gente

No lugar.

 

- Ah, o mar, o mar dos Açores!

 
           Ouvir a espuma desse mar enxuto no olhar…

 

 

Esperamos que gostem dos poemas aqui publicados, caso tenham interesse por algum dos autores e falhe aqui algum link para alguma obra, basta contactarem-nos e iremos, se possível, facultar, com todo o gosto.

 

Até breve.

 

13 de Março de 2019

por talesforlove, em 13.03.19

Caros Amigos e Autores,

 

Hoje pensamos um pouco sobre moda e ambiente, depois lemos um poema por Rui M. e finalmente, homenageamos Avicii (Tim Bergling), o DJ Sueco que partiu prematuramente a 20 de Abril de 2018.

 

O ambiente e a moda:

 

O conceito de “armário capsula”, já conhecido por tantas pessoas pode ser algo muito amigo do ambiente. Trata-se de ter um número limitado de peças de roupa que combinam perfeitamente umas com as outras e, portanto, significa ter menos roupa e utilizar mais a que temos.

Assim, se a nossa procura por roupa diminui a produção de roupa, eventualmente, também diminuirá, idealmente na mesma proporção, o que significa um estímulo a uma menor utilização dos recursos naturais.

Não defendo que a nossa vida se torne um suplício, no que diz respeito a vestir algo que gostamos, não o fazendo porque queremos ser mais “verdes”.

Fica apenas um “lembrete” relativamente a esta ideia, que até podemos tentar aplicar em parte. Porque não?

 

“Rosa Azul” por Rui M.

 

I

 

Doce é o vento do teu céu,

Que cai suavemente sobre os vales profundos

E os verdes que neles habitam,

Recobrindo os seus monstros, que neles vivem,

Quando liberto a minha imaginação, pura,

Sem a alegria da novidade, porque,

Tudo em ti me aprisiona com a tua força,

Feita de encantamento, como numa história

Das mil e uma noites e de uma esplanada

Na noite de faculdade.

 

De sonho é esse vento que me abraça,

Que beija as tuas faces e as de todos,

Que vem e tudo preenche,

Tal como quando uma criança adormece,

Embalada com a correria da tarde e já

Não sente o corpo; e seja o prolongamento

Do ambiente que a envolve e lhe garante tudo:

O futuro e ela são, então, suportados pela natureza.

A mãe de todas as cores e também tua mãe,

Que és azul como nunca uma rosa foi.

 

II

 

Não fosse o ser humano parte da natureza,

e tu não serias natural…

Fosse o mar sempre verde esmeralda ou escuro,

e tu não serias da cor dos oceanos…

Fosse eu imensamente desatento,

e tu não me surpreenderias tanto…

Sou atento, já não me julgava capaz de sentir surpresa.

Não fosse este mundo às vezes tão injusto…

Não te seria eu tão grato, por existires.

Não há espinho em ti que não seja meu,

porque o sangue que foge dos meus dedos

é a liberdade de te acariciar tal como és,

quem ama, ama plenitude,

não há dor que suplante o amor.

Estou certo, não sei porquê,

que terias sempre de existir,

para que o universo fosse pleno

e o azul do cosmos que cintila,

nos anéis de gelo e pó de Saturno,

decidiu repousar, em ti,

Vénus século XXI, que o seduziste,

até um só serem.

Como o arco e a mão de criança,

que brinca, brinca, brinca.

 

rosaok3.gif

 

Por Avicii.

Este vídeo, além de ser muito apelativo, mostra-nos muito verde e inspira-nos a seguir sempre em frente.

Avicii - Wake Me Up (Official Video)

 

 

Podemos encontrar o vídeo e gostar em:

https://www.youtube.com/watch?v=IcrbM1l_BoI

 

Até breve.

Quase lá.

por talesforlove, em 04.10.18

Quase lá.

Mais um concurso literário,

dias, noites e estrelas de calor, cá,

um ano decalcado em letras, à porta,

pretas, azuis, vermelhas, ondas espetrais;

as palavras, as tais, que só o seu significado importa,

se denota em cada sonho. Profundo. Livre.

 

Até breve.

Finalmente...

por talesforlove, em 02.05.17

Composição Musical por JV e Rui M.

Letra: "vejo pássaros em revoada" poeta Jardim

 

Poema 1º Lugar da Categoria Poesia "Natureza 2016":

 

vejo pássaros em revoada

buscando o azul de outra estação.

seus pequenos corpos voando em bando

revogam a sentença do tempo

e comunicam sua decisão

a quem como eu

está maravilhado

contemplando o imenso mar.

 

mais parecem flutuar

no fluxo de alguma corrente

real ou inexistente.

em sua busca convicta

há também uma sentença

que decreta a liberdade

e a crença no fluir da vida,

acima dos barcos, nesta manhã

no hemisfério sul.

 

diante do imenso mar

tenho a alma acorrentada

e uma imensa vontade de voar.

 

 

 

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D