Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

No regresso das greves climáticas: um contributo

por talesforlove, em 25.09.20

Microplásticos e a nossa saúde

 

Até recentemente o plástico era considerado um lixo sem impacto significativo na saúde humana. Sabíamos, claro que tem uma durabilidade elevada, cerca de 500 anos, a não ser que tenha características de biodegrabilidade.

Infelizmente, recentemente, foi verificado que este tem sido depositado no meio ambiente em quantidades elevadas, a tal ponto que existem já “ilhas de plástico” a flutuar no mar. Adicionalmente, tem-se verificado que com o tempo este se vai degradando, ou seja, rarefazendo, ou desfazendo em pedaços cada vez mais pequenos até ser um pó finíssimo. Esse pó pode ser então absorvido pelas plantas e depois os animais, comendo as plantas, absorvem também esse plástico microscópico. Sem surpresa, a comunidade médica está já preocupada com o facto de existir este pó nos corpos humanos, facto que pode levar a problemas vários de saúde e mesmo provocar a morte.

Em resumo, parece ser muito importante, por um lado, evitar o uso excessivo de plástico e, por outro, zelar pela reciclagem de todo o plástico possível que possamos utilizar no nosso dia à dia. E sem dúvida, podemos reutilizar todos os plásticos para os quais nos seja possível identificar uma próxima utilização possível, atendendo ao nosso tempo disponível e às exigências dos nossos dias mas também ao princípio superior de garantir um futuro com as mesmas condições de qualidade ambiental como as que possuímos hoje.

 

Fica também a ligação para descarregar a App StayAwayCovid:

https://stayawaycovid.pt/

 

Até breve.

Férias até Setembro 2020

por talesforlove, em 01.08.20

Boa tarde!

Estamos de férias até Setembro. Não se esqueçam de visitar, subscrever, partilhar, olhar.. e serem felizes.

Vem de novo mar e lava tudo o que nos pode fazer olhar turvo,

sem que vejamos o belo e o profundo, como o universo, 

como tu, como a luz do teu azul e do ter verde puro e reluzente.

 

guincho1.jpg

 

Até breve.

Poema de Eduardo Waack - "Vastidão" pela Natureza (Brasil)

por talesforlove, em 12.06.20

Hoje partilhamos um poema que é uma luta pela defesa da natureza, em toda a sua dignidade.

 

VASTIDÃO

 

Outra noite se perdeu,

De mim um pouco mais.

As pessoas falam de tempos futuros.

Que tempos seriam aqueles

Em que não nos matamos?

 

Vejo o inverno passar,

Não sei se sou ou se fui.

Que outras vozes seriam aquelas

Que não nos gritariam por justiça?

 

Eu acredito na fé que remove montanhas,

Embora tema os espinhos

E as farpas sonoras que cravam

Em meu corpo.

 

Infernos cotidianos crises opressões

Há quanto tempo abrimos nossos olhos

Nossas mentes

Há quanto tempo ainda assim

Somos tapados ignorantes, eu me condeno,

 

Resta-me o ocre veneno

Das línguas afiadas, a dor de uma paixão

Que não conhecerá mais cura

O abismo de gentes

A me provocar desertos.

 

Vieste florir esquecida

Nos jardins de minha vida.

As pessoas amam e destroem a natureza.

Onde estás, minha amiga? De qual

Árvore arrancada cantas para mim?

 

Até breve.

Uma flor por 2020 - Dia Mundial do Ambiente

por talesforlove, em 05.06.20

flordiaambienteOK2.png

 

 

Até breve.

Dia do Livro 2020

por talesforlove, em 23.04.20

Um livro deve ser, eventualmente, um quase manifesto de vida e não apenas um objeto comercial; em parte, um apóstolo, "crente" e assumido de um passado de uma autora ou autor que, que por já não ser presente, deixou de ser um "real", como nos habituámos a pensar no nosso dia à dia.

Ou seja, por outras palavras, num tom mais leve, um livro deve ser não  só algo que vamos mostrar aos outros e que, por esse motivo, desejamos que seja do seu agrado. Na minha opinião, e posso estar errado, um livro deve conter um pouco de nós e nessa medida "perpetuar" algo em que acreditamos, algo que nos faça sentido, também porque é o nosso (precioso) tempo que a ele dedicamos.

Há quem diga que a literatura é só  para entreter mas, discordo. Não pode ser só isso.

Hoje um blog literário como este, deve apelar à reconversão da indústria  do petróleo. Com o petróleo podem-se, eventualmente, criar medicamentos e outros produtos. Esta indústria  pode fazer painéis solares e outros geradores de energia limpa. Ninguém quer a miséria das pessoas dessas indústrias. Nós só queremos a nossa saúde e do planeta em que vivemos.

Haja saúde, hajam livros.

Até breve.

A 30 de Junho 2019: plástico, ambiente e solidariedade

por talesforlove, em 30.06.19

Frequentemente falamos sobre questões de preservação do ambiente, sem pensarmos que somos nós próprios altamente beneficiados pela sua preservação, pela preservação da nossa saúde. Isto significa que sem dúvida as espécies vegetais e animais protegidas beneficiam mas muitas vezes pensamos em preservar a natureza que conhecemos e sobretudo aquela que nos dá o maior benefício que conseguimos compreender.

 

Existe um projeto que consiste na recolha de tampinhas que são recicladas e cujo valor angariado é em grande medida utilizado para a compra de material ortopédico. Este blog tem participado na sua modesta possibilidade, sendo algo feito com muito gosto. Vale a pena conhecer um pouco mais sobre este projeto, por exemplo, em:

http://www.ambisousa.pt/pt/projetos/responsabilidade-social/projeto-tampinhas-embalagens/

Há uma beleza muito particular em projetos como este em que a solidariedade faz a diferença e é de estranhar quando se vê em algum local um aglomerado de tampas deitadas para o chão, não só poluindo mas também não sendo dada uma utilização nobre ao material ignorado e abandonado como se de nada mais servisse, após uma única utilização.

O plástico é um material resistente, que pode ter resina na sua constituição mas que, uma vez na natureza, pode contribuir durante muito tempo para a poluição do ambiente e prejudicar a saúde dos animais. Podemos saber um pouco mais sobre este produto em:

https://www.pp-t.com/pt/o-que-e-o-plastico.html

 

Também ligado à área da saúde, verifiquei a existência de um cartão solidário que tem como objectivo apoiar as pessoas que não têm dinheiro para pagar os seus medicamentos. Trata-se do cartão "Abem", sobre o qual podemos saber mais em:

https://abem.dignitude.org/como-funciona/

 

Note-se que este cartão promove a inclusão, uma preocupação que tem tudo a ver com desenvolvimento sustentável, e consequentemente com a poesia que busca a dignidade e preservação da natureza. 

 

Até breve.

A poucos dias do Dia de Santo António

por talesforlove, em 09.06.19

Baseado no romance "Romeu e Julieta" de William Shakespear e porque também estamos em plena Feira do Livro de Lisboa.

André Rieu - Love theme from Romeo and Juliet

Uma nova foto da Feira do Livro:

FeiraFoto2.jpg

Este ano a preservação do ambiente está, finalmente, no centro da Feira, tal como a adopção de sacos de papel o demonstra. Faz-nos lembrar que as árvores são necessárias para o habitat de tantas espécies selvagens, dir-se-ia que de todas, tal como é o exemplo do Lobo, que na A24, em Portugal, foi alvo de um cuidado adicional ao adicionarem-se vedações em ambos os lados da via, com passagens que só abrem no sentido em que os animais ficam seguros.

Sem dúvida, um longo caminho, mas gratificante, o da preservação da natureza.

Até breve.

 

13 de Março de 2019

por talesforlove, em 13.03.19

Caros Amigos e Autores,

 

Hoje pensamos um pouco sobre moda e ambiente, depois lemos um poema por Rui M. e finalmente, homenageamos Avicii (Tim Bergling), o DJ Sueco que partiu prematuramente a 20 de Abril de 2018.

 

O ambiente e a moda:

 

O conceito de “armário capsula”, já conhecido por tantas pessoas pode ser algo muito amigo do ambiente. Trata-se de ter um número limitado de peças de roupa que combinam perfeitamente umas com as outras e, portanto, significa ter menos roupa e utilizar mais a que temos.

Assim, se a nossa procura por roupa diminui a produção de roupa, eventualmente, também diminuirá, idealmente na mesma proporção, o que significa um estímulo a uma menor utilização dos recursos naturais.

Não defendo que a nossa vida se torne um suplício, no que diz respeito a vestir algo que gostamos, não o fazendo porque queremos ser mais “verdes”.

Fica apenas um “lembrete” relativamente a esta ideia, que até podemos tentar aplicar em parte. Porque não?

 

“Rosa Azul” por Rui M.

 

I

 

Doce é o vento do teu céu,

Que cai suavemente sobre os vales profundos

E os verdes que neles habitam,

Recobrindo os seus monstros, que neles vivem,

Quando liberto a minha imaginação, pura,

Sem a alegria da novidade, porque,

Tudo em ti me aprisiona com a tua força,

Feita de encantamento, como numa história

Das mil e uma noites e de uma esplanada

Na noite de faculdade.

 

De sonho é esse vento que me abraça,

Que beija as tuas faces e as de todos,

Que vem e tudo preenche,

Tal como quando uma criança adormece,

Embalada com a correria da tarde e já

Não sente o corpo; e seja o prolongamento

Do ambiente que a envolve e lhe garante tudo:

O futuro e ela são, então, suportados pela natureza.

A mãe de todas as cores e também tua mãe,

Que és azul como nunca uma rosa foi.

 

II

 

Não fosse o ser humano parte da natureza,

e tu não serias natural…

Fosse o mar sempre verde esmeralda ou escuro,

e tu não serias da cor dos oceanos…

Fosse eu imensamente desatento,

e tu não me surpreenderias tanto…

Sou atento, já não me julgava capaz de sentir surpresa.

Não fosse este mundo às vezes tão injusto…

Não te seria eu tão grato, por existires.

Não há espinho em ti que não seja meu,

porque o sangue que foge dos meus dedos

é a liberdade de te acariciar tal como és,

quem ama, ama plenitude,

não há dor que suplante o amor.

Estou certo, não sei porquê,

que terias sempre de existir,

para que o universo fosse pleno

e o azul do cosmos que cintila,

nos anéis de gelo e pó de Saturno,

decidiu repousar, em ti,

Vénus século XXI, que o seduziste,

até um só serem.

Como o arco e a mão de criança,

que brinca, brinca, brinca.

 

rosaok3.gif

 

Por Avicii.

Este vídeo, além de ser muito apelativo, mostra-nos muito verde e inspira-nos a seguir sempre em frente.

Avicii - Wake Me Up (Official Video)

 

 

Podemos encontrar o vídeo e gostar em:

https://www.youtube.com/watch?v=IcrbM1l_BoI

 

Até breve.

Poemas Vencedores - Natureza 2018-2019

por talesforlove, em 28.02.19

Finalmente, anunciamos os vencedores da Categoria Poesia, para a Edição 2018-2019 do Concurso Natureza.

Poesia:
“Vida ao vento” Bárbara Rocha de Brasil - 1º Lugar
“Submarino” por Renato TouzPin de Brasil - 2º Lugar
“Chuva” por Maria Catarina Canas de Portugal - 3º Lugar
 
 
Menções honrosas:
 
“CHAYA” por Anna de Freitas de Portugal
“Preservação da vida” por Cristina Cacossi de Brasil
“O Cosmonauta e o Poeta” por Paulo Caldeira de Brasil
“Dança das Flores” por Silvia Ferrante de Brasil

 

Parabéns a todos os vencedores e vencedoras.

O Concurso Natureza tem feito um percurso de reconhecimento dos autores e autoras que acreditam nesta aventura literária e sobretudo acreditam num mundo diferente, em que o ambiente e a sua preservação, por ser central para o nosso bem estar, tem um papel central nas nossas vidas, enquanto comunidade global. 

Muitos trabalhos serão aqui divulgados, ainda que não premiados com primeiros lugares, assim os(asautores(as) assim o autorizem. 
Até breve e boa escrita.

 

Poema a Brumadinho por João Alberto Araújo

por talesforlove, em 05.02.19

Porque estamos perante uma tragédia ambiental e humana, fica o seguinte poema.

 

Um pouco de minhas lágrimas...

À BRUMADINHO.jpg

 

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D