Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Feira do Livro do Porto e Ana Luísa Amaral

por talesforlove, em 27.08.22

Após o início da Feira do Livro do Porto, ontem 26 de Agosto, aqui fica um pouco mais de poesia e dica/sugestão de preservação da natureza.

 

O poema completo de Rui M. dedicado a Ana Luísa Amaral:

 

Sílabas e veludo

 

Voz de veludo

Que, com poucas sílabas,

Nos davas tudo…

 

Aveludada

como os amieiros,

em ondas de copas…

 

Veludo dito,

já sem falar,

sentir … soletrar…

 

E as quentes areias do rio,

a sós, sem ti,

e a tua verdade de feltro

 

E todos nós neste mar áspero,

de profundidade órfã,

da tua palavra…

tua seiva vulnerável e floral

 

Sugestão do dia para a preservação da natureza:

Frequentemente, as famílias vão de férias para o campo, ainda assim colocam no contentor do lixo os resíduos orgânicos, por exemplo, restos de comida. Todavia, existindo a proximidade da planície ou da floresta, porque não depositar aí esses resíduos? Afinal, restariam apenas os restos de plástico e outros materiais que seriam colocados no contentor do lixo, podendo ser posteriormente reciclados pelas entidades encarregues dessa tarefa.

 

Até breve.

Capítulo II

por talesforlove, em 20.02.22

Bom dia, apresenta-se de seguida o Capítulo II do conto ainda sem nome.

 

Capítulo II

 

Abandonei o Parque Eduardo VII meio atarantado, ou melhor, totalmente atarantado, porque já conseguia imaginar as flores de jacarandá que inundariam de violeta e perfume aquele espaço e depois me levariam, tal qual em hipnose, até Julho e Agosto, meses em que o calor transformaria tudo por ali em algo sobrenatural pois o meu corpo parece então levitar como se perdesse a sua essência de matéria. Talvez isso se chame encantamento, encanto, sonhar acordado ou sentir a eternidade. Todo este sentir inundou-me e caminhei pela Avenida da Liberdade abaixo sem me libertar deste estado de alma.

As plantas nos canteiros reverdeciam naquele silêncio e leve brisa que se ouvia naquele local, quase fantasmagoricamente, quase além do que eu poderia julgar possível sentir. Algumas folhas mais arredondadas pareciam recortar o espaço em seu redor, de uma forma tão completa que eu olhava ainda melhor, até ver um breve recorte ao longo dos seus limites, umas nervuras no meio delas e assim naqueles detalhes seguia caminho. Os pequenos lagos de pedra com águas azul-cinza e reflexos do céu entre as copas das árvores, sobretudo plátanos, emanavam beleza, aos meus olhos. As pequenas estátuas, com a sua silhueta humana, davam um pouco de normalidade aquele espaço. E eu continuava a andar, sempre ao mesmo ritmo, sempre decidido.

A Rua dos Fanqueiros chamava-me como uma praia a um veraneante que sente saudade do mar azul, após um ano de ausência. Talvez seja por causa de saber que Cesário Verde andou por ali a fazer poemas nos intervalos da sua vida, mas ainda assim tornando esses intervalos tão grandes (ou tão intensos) quanto todos os outros momentos que viveu. Terá sido um acaso ou não, mas ele sempre foi recordado pelos intervalos e não pelas grandes partes do seu tempo e não se sabe como ao chegar a outro poeta, Fernando Pessoa, acabou por se levar mais longe, ou melhor, levar mais longe o que fez enquanto a pele que assumiu. E assim, entre estes factos e aquela paisagem urbana, comecei a ficar menos consciente do tempo despendido a olhar tudo em redor, sem mais preocupações. Os azulejos, sempre em padrões diferentes, pareceram-se ser como quadros num museu, feitos para serem vistos ali e num determinado contexto, e no seu todo serem ainda assim algo mais. Não. Pareceram-me ser olhos do passado que me espiavam enquanto o meu caminho se colocava à minha frente tal qual uma qualquer vereda de um bosque, exatamente com o mesmo nível de ruído daquele local… O piar de um pombo acordou-me ou concentrou-me nestes pensamentos, que importa, se ali havia a liberdade de então acreditar no que quer que fosse. Eu era um seu irmão daquele dia, uma pedra que teimava em andar em ser um símbolo do incompreensível, só que ninguém estranhava, afinal nenhum daqueles instantes seriam uma realidade previsível há poucos meses atrás, afinal a humanidade ou o mundo não haviam mudado nada, apenas haviam vestido outras roupas… Nada de significativo aos olhos daquelas aves era diferente e por isso elas se comportavam como há centenas de anos atrás. Mãe natureza porque não me segredaste ao ouvido este dia sem igual?!

Perdi-me por ali, entre aquelas ruas que mais pareciam ser uma só entidade, de tão irmãs se afigurarem ser, e talvez por isso o meu espanto tivesse sido maior quando parei junto de uma montra de Alfarrabista e Livreiro, ali naquela rua que parecia tão igual às demais, sem gente, sem máscaras, sem o caminhar sobre as calçadas, sem sons humanos, onde se respirava medo sem sentido, enigmas de morte. Arrepios de vida e luz. A disposição dos livros expostos fazia lembrar uma constelação de estrelas que brilhavam sem sessar a uma cadência muito suave, meiga, tal qual a esperança de normalidade que simbolizavam dentro de mim; afinal eles estavam onde estariam mesmo sem este vírus anómalo que havia criado para nós esta variante de vida, circunscrita por temor. E, todavia, não me queria vacinar contra esta esperança de respiração quente e húmida, ali plantada naquele horizonte de vidro, sílica roubada ao pó milenar.

Nada detinha o meu olhar sempre a procurar o que o coração não queria ver ou não julgava ser visível. Ali no campo superior direito, reluzente, uma luzinha brilhava refletida sobre o vidro entre mim e um livro, como se ele, pendurado num fio translúcido fosse uma estrela ali parada que eu podia ver de um lado e quase do outro, com as suas cores a mudarem… um pouco mais amarelo, um pouco mais laranja, um pouco mais de uma tonalidade e ali lia o título em letras maiúsculas claras sobre o fundo mais escuro. Além, um pouco a meio, surgia outro livro um pouco mais rosa e também brilhante, porque a sua capa era suposta refletir a luz. Cada um deles uma história e um empenho de alguém que se sentou um dia a escrever algo que lhe parecia fazer sentido existir. Duvido que algum deles tenha simplesmente existido e não tenha sido algo mais que uma confissão dessa sucessão de factos, cada um deles deve ter transformado a vida de alguém e terá transformado algo físico algo que ninguém imagina. Há um segredo em cada história que se conta e este pode ser consciente para o contador ou contadora ou não o ser de todo, talvez ninguém saiba que ele existe ali, mas estou convencido que sim. Mistério. O mistério das páginas de um livro que se abre é sempre o mesmo que o contido nos dias de uma vida, gémeos, pedaços da mesma realidade na qual queremos como se um malmequer se tratasse… E entre aqueles blocos de papel, tais quais bolos mil-folhas, a absorção de luz que criava aquela escuridão profunda digna de um universo infinito, do tamanho dos nossos sonhos, estendia a sua mão e eu seguia-a, cego de tudo aquilo em meu redor, naqueles olhos de ausência de luz, sentia um amor de letras e veludo, tudo ali era um eco de sonar vinda a Primavera que haveria de vir.

E talvez mesmo exista um segredo em cada Alfarrabista, porque afinal se não houvesse esse sentimento profundo por explicar, porque existiria esse alguém a vender, a perpetuar, livros que estariam esquecidos e dados como mortos. Talvez o segredo seja o amor de alguém. Amor pelo livro, pela história, pelo momento, e até pelo segredo que nos leva a procurar uma “chave” naquela história que ali ficou redigida. Há uma ligação, pensei e foi então que o São Pedro lançou umas gostas de chuva que me fizeram limpar o cabelo, a face e um pouco a montra com o cotovelo. Olhei para dentro com cuidado, pela escuridão. Não havia ninguém. Ninguém que eu conseguisse ver, afinal passado um pouco, ouvi o som agudo e estridente de uma ave, voltei-me para o céu, como reflexo e quando volto a encarar a montra, qual o meu espanto quanto vejo um minúsculo ponto de luz a mover-se, por poucos segundos, lá longe entre o breu profundo.

Pequenas formas pareciam estar entre aquele fundo negro, mas não separadas dele, como se nelas o cinza quase negro, suplantasse o negro total, ou como se um reflexo no limite do espectro do visível ali existisse e eu não me apercebesse. Sem dúvida, quem vai a Lisboa e não pode ver uma montra clássica como esta não conhecerá a verdadeira essência da cidade, aquela não é um pedaço de história recuperado para fins turísticos, provavelmente diferente do seu eu profundo original, apenas uma semelhança oficial, mas sim a própria história viva e trazida do passado para o presente, sem interrupções.

O passar breve do reflexo prateado do vulto de uma gaivota pelo vidro escurecido fez-me viajar ao passado próximo. Eu entrava naquela mesma loja de livros e olhava alguns livros sem sequer os tocar, quase com medo de os danificar, pela sua delicadeza imaginária. O cheiro a papel antigo, ali concentrado em grandes quantidades e bem como o mobiliário cor mogno e cerejeira, com contornos tão dignos de um museu quanto alguns dos livros, conferia uma áurea misteriosa que apenas me podia fazer sonhar imediatamente. Afinal, era como se o livro sobre o Robinson Crusoe estivesse enquadrado no tempo que o fez nascer… Não era apenas o livro que era antigo, era também a sua casa, o seu papel, o seu “respirar”. Se o manuseasse seria quase como se me intrometesse no seu tempo e, de se certa forma, estabelecesse uma afinidade com outra realidade, outra dimensão física. O simples facto de conceber a hipótese de o retirar dali seria e de saber que, entretanto, outros livros antigos ali chegariam, era como se aquele local fosse uma estação de viagens no tempo, sem fumos, tal qual a estação de um comboio elétrico.

No chão algumas silhuetas de pessoas em movimento no passeio e pós isso o meu olhar, a cruzar-se com elas além do vidro transparente. Som de sapatos na calçada branca portuguesa, misturada com o som dos automóveis em propagação distorcida pelo fumo de automóveis com motores diesel e outros, e o autocarro enorme, como um mostro, perseguido pelo elétrico solenemente nos seus carris, sempre leais ao seu espaço no meio da estrada.

Claro que durante aqueles dias, não sentia nada de especial em tudo aquilo, aquele tudo era mesmo o dia-à-dia, uma forma de estar que nós assumíamos como garantida. Mas, hoje, agora, neste instante sinto-me tão burro que nem sei descrever: não soube aproveitar toda aquela azáfama com tanto de positivo para conhecer e partilhar numa realidade sempre mais profícua que uma qualquer realidade 3D. Falha humana. Miopia. Sem me deter aquele mundo do tamanho de uma cidade sem proprietário poderia ter sido meu, das cores de trepadeiras primaveris, cheiros de bolos a fugir pelas portas de restaurantes cujas receitas desconhecia, a beber olhares do tamanho de oceanos, vidas do tamanho do turismo feito de alegria pela crença de um desconhecido sempre libertador, sempre digno de um respirar fundo, tão fundo que nos levaria a uma cratera submarina, entre as algas ondulantes em florestas aquáticas, tão irreais quanto esta minha descrição de um tempo perdido, que não fui capaz de ler. Perdoa-me tempo que deixei dependurado nas minhas recordações. A minha ignorância impedia-me de saber o que fazia.

Ao sair dali, fui em peregrinação para o Jardim da Estrela, em passo apressado de peregrino que sente ao longe o seu local de adoração e as figuras que lhe tocam o coração, neste caso as árvores com a sua altitude esquia e ramos a apontar para o céu. Mas, até lá chegar havia que descer aquela rua e depois subir aquela outra. Entre elas separação um calafrio de esperança e desvario, uma libertação que era doce e ácida, partilhando o espaço de um mesmo instante. Fuga, contemplação, cada árvore uma amiga e naquele jardim com nome de vida que persiste, nem um livro cumprido, apenas promessas de histórias.

Quase no início o Cinema Ideal, também fechado, e logo após, à esquerda, tive de olhar ao fundo porque ouvi ou não, não esperem que eu confirme o que não sei, a tal voz, vem, dizia-me e eu para onde, pensei. Parei senti um calafrio e desci até ao primeiro cruzamento um pouco mais abaixo. O rio pareceu mais próximo, e estava, mas a voz não e depois subi para regressar ao meu caminho, mas questionei-me por estar a dar sentido real a vozes imaginárias ainda que todo aquele percurso me fosse agradável, como se visitasse um amigo. Talvez esse amigo fosse aquele pó seco de inverno que se elevava lentamente pelo meu pé ter raspado naquele chão milenar. Ali havia mais movimento para além do meu.

 

 

Como subscrever:

http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/data/rss

 

Até breve.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D