Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade automática:

Concurso Literário - "Natureza 2018-2019" - O Universo Nossa Casa

por talesforlove, em 06.10.18
A partir do espaço, a terra é um pequeno ponto de luz azul. Somos um pequeno grande nada, a esperança feita vida. Claro que a maioria de nós apenas teve a possibilidade de ver esse azul em ecrãs de televisão ou computador... ou em uma fotografia num livro. Todavia, acende-se no peito uma emoção estranha, quando nos deparamos com essa imagem.

Esse estado de espírito não nos prende, ainda assim, e somos tentados a olhar em redor, para o universo: para o profundo desconhecido que vai além da nossa imaginação, que nos impõe, as suas cores, as suas químicas, as suas leis da física, as suas vidas.

Enquanto a nossa ação em terra nos faz pensar, dadas as reações da natureza, sob a forma de inundações, tufões e fogos florestais enormes, o universo mantém-se uma "terra" de oportunidades. Até mesmo a literatura parece ter a obrigação de não repetir os erros do passado; tudo deve ser melhor.

A natureza do universo serve-nos de musa para mais este concurso literário. E mesmo um romance de Nicholas Sparks parece ser diferente se pensado nesse contexto imenso e cósmico. Tão impossível quanto um amor dito impossível, tão impetuoso como a vida no meio do nada...
 

natureza3.jpg

 


É neste contexto que, com grande alegria, anunciamos o início do Concurso Internacional de Literatura "Natureza 2018-2019", que este ano vai de 15 de outubro de 2018 a 15 de dezembro de 2018. Em 1 de fevereiro de 2019 são anunciados os pré-finalistas e no dia 28 de fevereiro de 2019 os principais vencedores.

Pode a poesia sobreviver a um universo que parece ser tão avesso à vida? O que temos nós a dizer sobre algo que nos é ainda tão desconhecido? Haverá alguma ligação, alguma comparação, que possamos fazer com a nossa realidade terrestre? Como pode surgir a ciência na literatura neste nosso contexto? Tudo isto é um desafio e nos faz pensar. Acima de tudo, deve ser visto como uma ação de boa disposição e alegria: um exercício de escrita entre amigos.

Todos(as) são bem vindos(as).
 
 

natureza2.jpg

 

 
 
Detalhes do Regulamento 2018-2019:

1. A participação neste concurso é gratuita.

2. Qualquer pessoa de qualquer país pode participar desde que submeta trabalhos escritos em português.

3. Cada participante pode enviar um poema, sem limite de palavras, e um conto, com um máximo de 3000 palavras. 

4. As obras devem ser enviadas por e-mail para Rui M. (ruiprcar@gmail.com) juntamente com nome, país, contacto eletrónico. O assunto do email deve ser "Concurso Literário Internacional  'Natureza - 2018-2019'". Espaçamento entre linhas: espaçamento simples; Dimensão da letra: 12; Tipo de letra: Calibri; textos no corpo do e-mail e não em ficheiro.

5. Os autores participantes concordam em receber e-mails no futuro que tenham como objetivo principal divulgar futuras iniciativas literárias. Devem subscrever o blog (caixa no topo).

6. Os finalistas vencedores de primeiros prémios têm direito a um certificado digital.

7. Todos os poemas selecionados serão publicados em antologia, que estará disponível em formato PDF (possibilidade de existir no Windows), com um custo de 2,5 € (pagamento de uma doação pelo PayPal). Os autores premiados têm direito a uma versão gratuita.

8. Direitos do autor: os autores têm seus direitos sobre os trabalhos publicados, a fim de publicar como quiserem em qualquer outro lugar. A organização do concurso detém direitos totais sobre os trabalhos publicados no contexto da Antologia do concurso.

9. Prazo final para participação: 15 de dezembro de 2018.

10. Pré-finalistas anunciados em 1 de fevereiro.

11. Os resultados finais serão anunciados no dia 28 de fevereiro em http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt e, quando possível, em outros websites a indicar no futuro próximo.

12. O primeiro de cada categoria terá direito a um prémio: obra de arte (uma pintura A4) enviada pelo correio.
 
 
Membros do júri:
[Lista não definitiva]

A) Edweine Loureiro
Escritor Brasileiro radicado no Japão.
Premiado internacionalmente.
 
B) Membro da Universidade de Lisboa
Anónimo.
 
 

natureza1.jpg

 

 
Parcerias:
[Lista não definitiva]

Projeto "1 Café 1 Árvore"
https://m.facebook.com/1cafe.1arvore
 
Jornal "Bom Dia" Luxemburgo
http://bomdia.lu/
 
 
Inspiração em:
A) Observatório Astronómico de Lisboa
http://oal.ul.pt/
 
B) E como mil anos podem ser necessários para viajar até aos confins do universo...

 


Christina Perri- A Thousand Years (Official Music Video)
Letra e tradução para breve.
 
C) Imagens da NASA em
https://www.nasa.gov/topics/solarsystem/images/index.html
 
Este ano homenagem a Nelly Furtado.
Quem desejar pode fazer um poema em sua homenagem e terá atenção especial por parte do júri.

 


Força (Radio Edit) Official Video
Vídeo por Pablo Campos
Força
NELLY FURTADO
FOLKLORE
All rights reserved © 2004 DreamWorks Records
 
Até breve e votos de feliz escrita.

O Livro "(IN) CONSTANTE" por José Vieira

por talesforlove, em 31.07.18

Tentativa de crítica literária da obra (IN) CONSTANTE (2018)

 

(IN) CONSTANTE é um livro de poesia que parte dos conceitos de inconstante, ou seja, que é instável, e constante, ou seja, que é firme, o oposto do primeiro. Todavia, logo na poesia UM se refere “Era noite e ela partiu.” Assim, física e emocionalmente o autor nos leva a um movimento entre estes dois polos da existência. Em impulso, este livro parece resultar do objetivo aparente de se pretender construir um “pêndulo poético” que confronta o “absurdo”.

Surgem muitas perguntas e muitas respostas ao longo desta obra que nos parece querer confrontar mais que apaziguar e, se nos apazigua, é porque, por vezes, nos relembra o que já sabemos, se o soubermos, como um relógio despertador que nos quer arrancar de um sono letárgico. A obra pode ser vista como um instrumento de questionamento e por essa via de moldagem da ação do leitor.

E, quando encaramos o poema TRINTA, que começa com:

“Viver

É como uma folha de árvore

Que cai numa tarde de Outono”

surge na nossa mente uma questão: “porquê?!” não nos surpreende um poema longo, talvez demasiado, arriscando a repetibilidade, atendendo a que refere o mito de Sísifo, ou talvez não o seja, considerando que a pergunta inicial remete implicitamente, neste caso, para complexidade, cuja resposta ou explicação não é banal.

Sim, este livro pela poesia sem rima, “livre” e questionadora, convida a releitura se a vida para isso nos preparar…

 

Contacto do autor: teresavieiralobo@sapo.pt

 

O livro: https://www.leyaonline.com/pt/livros/poesia/in-constante-ebook/

 

NOTA: Tal foi a força criadora do autor que alguns erros ortográficos passaram para esta primeira edição. Algo que pode esclarecer através do contacto disponível.

 

Até breve.

Um poema...

por talesforlove, em 19.07.18

Imaginem-me Verde…

 

(Parte I)

Verde, como uma árvore de raízes enterradas,

Em água gelada no Verão, terra, húmus e pedras aladas,

Que os teus olhos jamais verão,

Porque esta estação é só minha:

Reflexo nos meus olhos, meu coração,

Na qual sou fixo, Vida que não caminha.

 

Imaginem as minhas folhas no céu,

O vento a tocá-las como a um instrumento musical,

A tocar, a tocar, a tocar… Por séculos

e séculos, e Verões, Outonos, Invernos

e Primaveras sem fim…

E deita-se no chão um corpo, e outro,

e sentam-se, e ambos são elevados pelo

som. Lhes dá paz; infinda.

 

Imaginem as minhas folhas no céu,

um instrumento musical, dedilhado pelo vento,

por séculos, a tocar, a tocar, a tocar,

Invernos, Verões, só estas duas estações,

e tempos sem fim…

E enlevados pela música são dois corpos:

um sentado, olha o céu, filtrado por mim,

o outro, de pé, olha em redor e para cima,

ambos em paz. Universo feito de paz…

 

Por Rui M. a 19 de Julho 2018

Um Ano depois do Fogo de Pedrógão

por talesforlove, em 18.06.18

Em memória da 50ª vítima do fogo de 15 de Outubro de 2017 e de todas as outras vítimas dos fogos de 2017. Um ano após o fogo de Pedrógão.

 

okgataecria2018.jpg

 

Até breve.

Março 2018 - Mês das flores

por talesforlove, em 04.03.18

Março é o mês das flores, no hemisfério norte, da força da natureza em sempre superar os desafios que o mundo mineral lhe apresenta. A força da beleza a inundar os campos, planícies ou montanhas, vales ou terras à beira mar. Mês do dia da mulher. Estamos todos de parabéns por poder ver estas cores a surgir no horizonte e este é um motivo de alegria para todos os que nascem neste mês, incluindo o autor deste blog. 
Observamos pois, atónitos, o colorido selvagem exposto no vídeo que se segue, da autoria de Thomas Blanchard, divulgado no Dia de São Valentim de 2018. 

 

"DANCE DANCE"

 

Do ponto de vista artístico, as flores são apresentadas em 4 estações do ano.

O fogo para o Outono, o gelo para o Inverno, rápidos brotares para a Primavera e diversas cores para o Verão.

 

Musica : Velvet coffee ( Leonardo Villiger and Christophe Dugne Esquevin)

soundcloud.com/velvetcoffee

facebook.com/velvetcoffeemusic/

 

Director : Thomas Blanchard

thomas-blanchard.com/

facebook.com/thomasblanchardgraphiste/

 

Plantar uma árvore entre cinza, por Rui M.

 

Plantar uma árvore, de fruto, para flores, seria já por si um evento mas, plantá-la entre cinzas é algo muito distinto na forma de sentir. Trata-se de subverter a ordem natural das “coisas” no sentido em que a morte, da cinza, não “rima” com a vida que se pretende brote ali mesmo... Sobretudo se for o agente da destruição o mesmo da “criação”: o homem. 
Esta é uma árvore no local certo. Uma amendoeira para dar à luz as flores sinais de esperança no futuro mais verde e mais seguro. 
O eucalipto não é uma árvore natural de Portugal, mas sim da Austrália e quando incluído, massivamente, num meio rural muito abandonado, potencia enormemente os fogos florestais. Sucede mesmo que em terrenos limpos, se os terrenos dos vizinhos estiverem cheios de mato, em caso de incêndio as árvores podem ser queimadas através de chamas levadas pelo vento ou simplesmente secas pelo calor extremo. 
O melhor é esquecer esta possibilidade e olharmos para esta árvore plantada entre a cor cinza da destruição, algures no Distrito de Coimbra (Portugal). 

 

arvoreamendoeira.gif

 

Poesia por Jefferson Henrique

Fotografia por Carol Damascena

 

"O diabo recolhe mentes"

 

Solo promíscuo de mãos que se escondem
De olhos sem direção a eira da estrada
Onde cada mente jogada se mostra terrena
Como raiz de pequeno e pueril desejo

De ser e tornar tudo tão igual quanto fazem
Essa cruz que desvenda a esquina mortífera
Onde paira o rio que forma quando chove
Uma contagem regressiva para a extinção

Lua clara de um céu triste e estrelado
Onde tua luz se esvai para longe da profanação das mãos
Fazendo o dia apontar a cruz dos turbilhões
Onde transeuntes são fantasmas dos aguaceiros

Perdem-se nas vias corpos alagados
Mentes enfeitiçadas por atos e gestos que sempre se repetem
E tudo se faz igual novamente
Contagem regressiva...

Celebrando a vida com morte
Entoam antiga canção que faz o mundo ninar
Por desejos e vontades do absurdo em tudo transbordar
Um a um como com as mãos formam o declínio e fim.

 

IMG-20180228-WA0039.jpg

 

JURUBATUBA, OU O RIO PINHEIROS (Brasil)

por Vitor M.

 

Jurubatuba significa "Terra dos Jerivás", Jerivá é uma das espécies de palmeiras abundante no entorno do rio Pinheiros em São Paulo, também conhecido como Rio Jurubatuba.

Jurubatuba, dos tempos dos índios, em tupi, lugar com muitas palmeiras Jerivás. Rio Pinheiros pelos jesuítas, em 1560. Catequização dos índios e rios. Araucárias, os Pinheiros do Brasil, cobriam a região. Caminho de Pinheiros, hoje rua da Consolação, era o principal acesso à aldeia.

Aos poucos, pontes e ocupação das margens. Na margem direita, Fernão Dias, o bandeirante, passou a possuir terras.

Emboaçava, lugar por onde se passa, por onde passavam índios, já não passavam mais em 1590. Um Forte protegia a Villa de São Paulo de Piratininga dos ataques indígenas. "200.000 arcos" no dizer de Teodoro Sampaio. Entre os atacantes, principalmente, os belicosos Carijós, que ocupavam o território que ia de Cananéia-SP até a Lagoa dos Patos-RS. "O melhor gentio da costa" segundo os primeiros povoadores portugueses. Ser "melhor gentio" não os salvaram de serem escravizados por colonos europeus de São Vicente.

Século XX, italianos e japoneses chegavam se instalando às margens do antigo Jurubatuba. Transformação.

1926, os clubes esportivos resistiam nas margens. Provas. Travessias a nado e regatas.

Industrialização do estado. Estações elevatórias. Energia barata em abundância.

Vão retificar o Pinheiros! 1928, início da obra terminada em 1950. Objetivo um: acabar com as inundações que um dia salvaram tribos, de acordo com Zagni (2004):

"Para os índios estabelecidos nessa região, antes da chegada do colonizador europeu, o fenômeno das cheias regulares do rio, conformando regiões extensas de várzeas ao longo de seu curso, fazia com que um número grande de peixes encalhasse nas regiões que haviam sido inundadas quando as águas voltavam ao seu nível normal, morrendo e secando ao sol. A importância desse fenômeno natural para a sobrevivência das tribos, ao qual se seguia a atividade de coleta desses mesmos peixes, fez com que a designação dada pelos índios ao território fosse ‘Piratininga’, que do tupi traduz- se como ‘peixe seco’ e demonstra o quanto a sobrevivência dessas tribos estava ligada à ocorrência de suas várzeas."

 

Objetivo 2: canalização. Águas direcionadas para Represa Billings. Usina Elevatória de Traição inverte o sentido do rio. Usina Hidrelétrica Henry Borden, em Cubatão, recebe água do Tietê através do Pinheiros e da Billings. Energia Elétrica!

 

Estrada de Ferro Sorocabana, atual Linha Esmeralda da CPTM, é inaugurada em 1957. Em 1970, as margens são desmarginalizadas. Inauguração da Marginal Pinheiros. Tráfego. Isolamento. Solitário vive o Rio Pinheiros, o Jurubatuba dos índios, já não convive mais com a população.

 

Consequência das transformações: o rio perdeu as matas ciliares. Extinção da vegetação natural.

 

Na pequena faixa de terra que restou: linhas de transmissão de energia, interceptores e emissários de esgotos, oleoduto, cabos de telecomunicações, galerias de águas pluviais e também estradas de serviço para as operações de desassoreamento.

 

O Jurubatuba está esgotado! Cansado! Esgoto doméstico e resíduos são jogados nele. O rio Pinheiros e sua bacia são alvo de 290 indústrias e dejetos de 400 mil famílias. Comprometimento da qualidade de suas águas e da sobrevivência da fauna local.

 

Como diria Selton Mello em O Cheiro do Ralo de Lorenzo Mutarelli: "esse cheiro que você tá sentindo é do ralo". "Quem usa esse banheiro?" retruca um dos personagens. A poluição do rio afeta a vida diária das pessoas. Gás Sulfídrico. Mau Odor. Fedor! Risco à saúde. Culex Quinquefasciatus.

 

1992: Protejam a represa! Proibição do bombeamento para a Billings.

 

1998: iniciados os trabalhos de recuperação do rio.

 

2001: Geraldo Alckmin anuncia projeto de despoluição do rio, orçado em 100 milhões de dólares. Flotação. Volta do bombeamento de água pra Represa Billings, que é usada - para lembrar o leitor - pra abastecimento de água. O secretário do Meio Ambiente, Ricardo Tripoli, argumenta a favor da técnica de flotação: seria o mais eficiente, rápido e de menor custo.

 

10 anos depois. 160 milhões de reais gastos. O governo desiste do plano de limpeza do rio Pinheiros pela técnica de flotaçao.

 

Antes disso, em 2010, é inaugurada a Ciclovia Rio Pinheiros no governo José Serra.

 

Em 2016, Vitor Miranda, esse quem vos escreve, ao passar pela ponte da Cidade Universitária, enxerga a beleza desaparecida: o sol já posto no horizonte fluvial de uma natureza morta. O clic!

 

Rio Pinheiros (Jurubatuba) - Copy.jpg

 

"Incêndios sem fim!" (Joinville, Santa Catarina, Brasil)

por João A.

 

Não obstante os fatores climáticos, a ganância, a certeza da impunidade,
a indiferença e a inconsequência humana tem provocado destruição e tristeza ao redor do mundo.
Os desmatamentos descontrolados, o uso irresponsável do solo, a poluição do ar e das águas são alguns
dos muitos exemplos cometidos pela insânia dos indivíduos. Só em Santa Catarina, Brasil, no ano de 2017,
foram registrados mais de 1000 focos de incêndio, alguns de grandes proporções causados pela ação do Homem,
os quais trouxeram imenso prejuízo ao ecossistema, além de muitas perdas materiais. A Mãe Natureza, ao agir
na promoção dos eventos telúricos, tem sempre um papel reequilibrante e transformador. O homem, ao contrário,
atua movido por seus interesses egoísticos e escusos causando irreparáveis danos à humanidade e ao planeta.
Até quando tal desatino haverá de persistir?

 

INCÊNDIOS EM SC.jpg

Um abraço.

Boas leituras e até breve.

 

 

 

 

 

Os 3 Grandes Vencedores do "Concurso Literário Natureza 2017-2018"

por talesforlove, em 28.02.18

É com enorme satisfação e alegria que divulgamos os primeiros classificados desta edição do nosso concurso literário. 


Categoria Poesia: 

Título

Autor

País

Classificação

As tempestades de areia

Arzírio Cardoso

Brasil

1º Lugar

A última árvore do Universo

Celso Lopes

Brasil

2º Lugar

Antropoceno

Gervásio Paulus

Brasil

3º Lugar



Categoria Conto: 

Título

Autor

País

Classificação

Cada rio é uma voz

Wilson Filipe da Silva Vieira

Portugal

1º Lugar

O fio

Sihan Felix

Brasil

2º Lugar

Liberdade

Tiago Monteiro

Brasil

3º Lugar

         


Parabéns!

A Organização do Concurso Literário Natureza 2017-2018 agradece o empenho de Edweine Loureiro enquanto júri. A escolha meticulosa e apaixonada, de contos e poesia que nos tocam, sugere a profundidade de uma dádiva genuína de tempo que nos impele a ler com atenção redobrada os trabalhos seleccionados. A protecção da Natureza elevada à categoria de Arte, embalada pela música de Shawn Mendes. 

 

Acabamos em Festa

Até breve.

Shawn Mendes – “Something Big” – “Algo em grande”

 

 

Para subscrever o canal YouTube:

https://www.youtube.com/channel/UC4-TgOSMJHn-LtY4zCzbQhw

 

Selecionados Categoria Poesia - Excepto 3 Vencedores Principais

por talesforlove, em 19.02.18

Tí­tulo

Autor

Paí­s

Classificação

Vento dos montes (1)

Alberto Arecchi

Itália

Menção Honrosa

Integração (7)

Maria Apparecida Sanches Coquemala

Brasil

Menção Honrosa

Indagações à Natureza (9)

Jober Rocha

Brasil

Selecionado

Oração aos quatro elementos (13)

Christina M. Herrmann

Alemanha

Selecionada

A natureza (20)

Laerte Silvio Tavares

Brasil

Selecionado

Pedrógão (24)

Mário Justino Silva

Portugal

Selecionado

Incêndio (26)

N. Rodrigues Lopes

Portugal

Selecionado

Floresta (28)

Guilherme Sanches Fischer

Brasil

Selecionado

No pomar (33)

Micheline de Souza Ramos

Brasil

Menção Honrosa

       

Poema verde (36)

Renata Alves Torres

Brasil

Selecionada

Deambulação (43)

Duarte d'Orey

Portugal

Selecionado

       

Derradeiro apelo (45)

João Alberto de Faria e Araújo

Brasil

Selecionado

Árvore (53)

Viviane Parreira

Brasil

Selecionada

Á sombra daquela Árvore (62)

Osvaldo Copertino Duarte

Brasil

Menção Honrosa

Vale? (68)

Gabriel Valentim de Oliveira Felipe

Brasil

Selecionado

Majestade amazônica (78)

Luciane Ferreira de Cunha Almeida

Brasil

Selecionada

O fim da primavera (95)

Rafael Torres

Brasil

Selecionado

Crepúsculo no deserto (98)

Sonia Regina Rocha Rodrigues

Canadá

Selecionada

Natureza sem dor (106)

Claudete Morsch Pereira Soares

Brasil

Menção Honrosa

Prométicas (111)

Roque Aloisio Weschenfelder

Brasil

Menção Honrosa

Comburente (114)

Adilson Roberto Gonçalves

Brasil

Menção Honrosa

       

A natureza e o caos (129)

Gustavo Leal de Albuquerque

Brasil

Selecionado

"Oração da Árvore" por Veiga Simões em 1914 - Ontem 3 meses após Pedrógão

por talesforlove, em 18.09.17

Oracao da arvore.JPG

 Nota: Fica o convite para subscrever este blog, incluindo o seu endereço de e-mail na caixa no topo desta página e clicando "subscrever". Obrigado.

Por Castelo Novo (Fogo no Fundão e não só) e Árvore que cai no Funchal

por talesforlove, em 15.08.17
Fernando Pessoa

Como um vento na floresta,

Como um vento na floresta,

Minha emoção não tem fim.

Nada sou, nada me resta.

Não sei quem sou para mim.

 

E como entre os arvoredos

Há grandes sons de folhagem,

Também agito segredos

No fundo da minha imagem.

 

E o grande ruído do vento

Que as folhas cobrem de som

Despe-me do pensamento:

Sou ninguém, temo ser bom.

 

30-9-1930

Resultados da Categoria Conto

por talesforlove, em 21.02.17

É com grande alegria que partilhamos os resultados para a categoria "conto".

Pedimos desculpa pela demora.

Em breve será conhecida a lista de menções honrosas e demais contos que também vão estar incluídos na Antologia.

 

1o Lugar

"Maneco Sunim" por Lênon Alípio, Brasil

e

"Paisagem" por Everson Lira, Brasil

 

2o Lugar

"A Árvore Vermelha Cor de Sangue (Música da Vida)" por Daniel Maciel, Brasil

e

"Ode á Natureza" por Waldir Capucci, Brasil

 

3o Lugar

"Olho Nu" por Ismael Lopes, Portugal

e

"Velho Marinheiro (Carta de amor ao mar)" por João de Carvalho, Brasil

 

4o Lugar

"CHUVA NO DESERTO" por Alberto Arecchi, Itália

e

"UMA VIDA EM CINCO ANOS E CINCO LINHAS" por Eloisa   de  Alcantara, Brasil

 

5o Lugar

"Mistérios Naturais" por Edih Longo, Brasil

e

"Céu" por Marcella Prado, Brasil

 

Muitos parabéns!

Até breve.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D