Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Poemas em 3º Lugar do Concurso Natureza 2020-2021

por talesforlove, em 04.07.21

 

Boa noite caros Amigos e Amigas das letras e da natureza, é sabido que a nossa mãe natureza é uma “caixa de surpresas” em eterna evolução. Já lá vão uns anos desde que Darwin fez a experiência de cortar as pontas de algumas raízes e depois verificou que estas deixavam de crescer tendo em conta a ação da gravidade, ainda assim, a natureza, neste caso as plantas, continuam a conter mistérios que não se conseguem entender….

Seguidamente apresentam-se dois poemas vencedores que ficaram em 3º lugar, o que também é algo inesperado mas que além de revelar o interesse destes trabalhos sinaliza igualmente o mistério de tentar colocar os nossos pensamentos no papel. Afinal…

 

 

3º lugar: (empate técnico)

 

“Cores de Novembro” por Catarina Canas (Portugal)

 

 

as cores de novembro quentes de ouro,

em murais de folhagens encantadas,

conferem aos dias tal tesouro,

fazem esquecer e aquecer as madrugadas.

 

 

dias grandes em noites escuras desaguam,

roubando a luz que ilumina cada hora,

pinceladas invulgares que continuam

a permitir aos grandes dias ir embora.

 

 

é de lembrar que tudo sempre recomeça,

tudo nasce tudo vive tudo morre

numa dança audaciosa e colorida

com atitude na estrada que percorre.

 

 

 

 

 

“Flores Urbanas” por Marcelo Souza (Brasil)

 

 

Numa terra ocupada

O ser humano é o maior culpado

A flor não respira...

Ela piora com a poluição,

Folhas sujas de fumaça

Um cinza que sufoca.

As flores urbanas sofrem.

As pessoas sofrem...

A natureza reluta...

O povo luta.

Mais prédios aparecem,

No amanhecer ninguém conhece.

Ninguém merece...

A floresta empedrou

A pedra dominou,

As flores raras se escondem

As flores de plástico aparecem

E no mundo artificial

A ruína é total

Pobre desse animal

Num desenvolvimento total

Vai sucumbindo, definhando

Até voltar para a natureza.

 

Som

 

Sem dúvida, dois belos poemas, como resultado de muito trabalho e empenho. Parabéns aos Autores.

tronco.jpg

 

 

 

 

Até breve.

meta

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D