Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fernando Pessoa e o teatro?

por talesforlove, em 24.03.24

Será que Fernando Pessoa gostava de teatro?

É o pensamento de hoje. Afinal, para Robert Bréchon (in Estranho Estrangeiro) os heterónimos são as máscaras ou rostos que este escritor assume para melhor se exprimir. Afinal, também, Pessoa viveu vários anos no Largo do São Carlos, via o teatro da sua janela ou ao sair de casa todos os dias…

 

Utilizando a sua máscara de Alberto Caeiro afirmou:

 

     Quando está frio no tempo do frio, para mim é como se estivesse

                                                                                   [agradável,

      Porque para o meu ser adequado à existência das coisas

     O natural é o agradável só por ser natural.

 

Eventualmente o teatro fosse natural para ele de tão habituado estar a ele.

 

Hoje, chegada a Primavera, aqui fica um poema de Luís Amorim, contida na Antologia Natureza 2021.

 

“Nova face de natureza” Luís Amorim por (Portugal)

 

Findo o tempo quente

E mau efeito posto

Houve que mudar rosto

No florestal ambiente.

 

Nova face de natureza

Foi definida ao princípio

Numa rede pelo ofício

À comunidade sua riqueza.

 

Sociedade deu contributo

Com levada aplicação

Na colectiva plantação

Das espécies no ideal reduto.

 

Crescimento terá demora

Mas espera recompensará

Quando alegria já tem hora.

 

É neste dever que contará

Sempre e desde agora

Até cidadania que perdurará.

 

O regar no presente mora

E ao futuro bem chegará

Como tão saudável flora.

 

Notas:

a) Antologias disponíveis em papel;

b) São possíveis críticas literárias a novas obras.

 

Até breve.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D