Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Concurso Literário Internacional Natureza 2022-2023

por talesforlove, em 29.01.23

Voltamos a divulgar a Edição 2022-2023 do Concurso Literário Natureza. Esta Edição tem aqui uma revisão dos seus objetivos pois a realidade atual assim o exige, pelos mais diversos motivos, não sendo justificável restringir ou modificar muito, este ano, as possibilidades de participação. Ainda assim também a equipa do Concurso vive tempos muito diferentes dos vividos em outros anos pelo que não poderemos aceitar contos. Agradecemos a vossa compreensão. Esta versão do regulamento substitui a anterior.

O convite é semelhante ao endereçado em 2020-2021:
https://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/concurso-literario-natureza-2020-2021-92476


Igualmente em:
https://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/a-antologia-natureza-2018-2019-61634

 

O mar é essa imensidão de água que nos acolhe, com o seu ondular e, lá longe, os pedaços de terra a que chamamos continentes. É o vento que eleva as ondas, tal qual um sinal distintivo da sua influência sobre os climas; afinal, existem estudos que afirmam que a velocidade dos ventos marítimos é superior em 6 % à velocidade que se verifica nos ventos terrestres (Barthelmie, R. et al., 1994). Assim, se revela poético este nosso escrever sobre esta outra terra coberta de água sobre a qual não caminhamos, mas sonhamos. Enquanto a maresia, com o seu som profundo, nos inspira… qual sereia fora d’época.

E para que existam lágrimas, de tristeza ou felicidade, nas nossas faces, mas também a criação poética, existe uma imensa evaporação marinha, a grande fonte de água na atmosfera, influenciando o ciclo hidrológico (Peixóto, J.P., 1983). Afinal, a água é vida, diz-se ser esta afirmação lugar-comum, e a poesia o seu espelho de interior encanto. Bebamos um copo de água, como brinde, a este continente lar de algas, focas e baleias azuis tais quais corais viajantes, por tempos e paisagens submersas em sal.

 

O Regulamento para 2022-2023 é o seguinte:

1. A participação neste concurso é gratuita;

2. Qualquer pessoa de qualquer país pode participar desde que submeta trabalhos escritos em português. No caso de trabalhos não submetidos por autores cuja língua materna não seja a portuguesa, fica o convite a que submetam também um poema na língua materna respetiva. Assim, estes autores têm como limite 3 poemas (o poema em português que desejam acompanhado pela sua tradução ou versão na respetiva língua materna e um outro apenas em português);


3. Cada participante pode enviar dois poemas, sem limite de palavras. Este ano os contos em prosa não são aceites por falta de disponibilidade da equipa, todavia pequenos contos em forma de poesia até ao limite de 100 palavras podem ser admitidas;

4. As obras devem ser enviadas por e-mail para Rui M. (blogsnat@gmail.com) juntamente com nome, país, contacto eletrónico. O assunto do email deve ser "Concurso Literário Internacional 'Natureza - 2022-2023'". Espaçamento entre linhas: espaçamento simples; Dimensão da letra: 12; textos no corpo do e-mail e não em ficheiro;

5. Os autores participantes concordam em receber e-mails no futuro que tenham como objetivo principal divulgar futuras iniciativas literárias. Devem subscrever o blog (caixa no topo). A subscrição não é obrigatória mas ajuda quem concorre e o próprio blog. Poderá subscrever, caso aceite este convite, por favor, através da caixa no topo ou por RSS em http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/data/rss ;

6. Os finalistas vencedores dos 3 primeiros prémios têm direito a um certificado digital;

7. Todos os poemas selecionados serão publicados em Antologia, que estará disponível em formato PDF, com um custo de 2,5 € (pagamento de uma doação pelo PayPal). Os autores premiados têm direito à Antologia gratuitamente;

8. Direitos do autor: os autores têm os seus direitos sobre os trabalhos publicados, a fim de publicar como quiserem em qualquer outro lugar. A organização do Concurso detém direitos totais sobre os trabalhos publicados no contexto da Antologia digital do Concurso ou Obra do Concurso em papel, que eventualmente venha a existir no futuro;

9. Prazo para participação: até 1 de Junho de 2023;

10. Os resultados finais serão anunciados cerca de dois meses depois do final do concurso em http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt e, quando possível, em outros websites a indicar no futuro próximo;

11. Este ano não haverá publicação impressa;

12. O primeiro classificado terá direito a um prémio: obra literária pela Escritora Maria Coquemala.

 

Membros do júri:

 

Lince Verde
Escritor Português
Com ligação à Universidade de Lisboa

 

Karina Issa
Escritora Brasileira

 

Teresa B.
Escritora (Poeta) Portuguesa

 


Poema inspirador:

2º Classificado do Concurso Literário Natureza África 2022
"Estação Seca (cacimbo, inverno)"
por Fernando Manuel Bunga (Angola)

Mergulho no rio –
A água transparente revela
o homem no fundo

Vejo os peixinhos
que mordiscam o meu pé –
N'água transparente

Sereno da manhã –
A gota d'água no vidro
baixa lentamente

Sereno da manhã –
A gota d'água pende
na ponta da folha

 

Obrigado. Até breve, com votos de escrita criativa.

 

Imagem inspiradora:

flor arame.jpeg

 

Vi-te nesse teu calor de cor
Amei-te nessa tua imagem de Primavera
Fui o teu servidor, com amor,
Sou o músico que te embala,
em sonhos de cloroplastos e mitocôndrias.
Eleva-se em mim o teu verde vida.

 


Fica ainda esta publicação de interesse:
https://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/um-poema-ao-sr-manoel-de-oliveira-76340

 

Bibliografia

Peixóto, J.P. e Oort, A.H. (1983), “The hydrological cycle and climate”. In: Street-Perrot, A., Beran, M., Ratcliffe, R. (eds) Variation in the global water budget. Springer, Dordrecht. https://doi.org/10.1007/978-94-009-6954-4_2

Barthelmie, R J; Courtney, M S; Hoejstrup, J; Sanderhoff, P (1994), “The Vindeby project. A description”, Technical Report, Risoe National Lab., Roskilde (Denmark).

 

Refeição poética

por talesforlove, em 28.11.20

Hoje ficam dois poemas. Um primeiro, o original escrito por Joan B. e sua tradução aproximada, um segundo, por Rui M. Ambos revelam uma pequeníssima parte da Natureza, tanto na sua dimensão de força como de ternura criadora. Uma verdadeira refeição poética,  para estes tempos.

 

A MORNING SUNRISE (US) por Joan B.

 

Slowly at the first hint of morning

The sun begins its journey

With a radiance of red and gold colors

Beautifully stretched over the sky --

magnifying the beauty of that golden globe.

The sun is brilliant and is a mighty guardian

Of our fragile planet.

When the sun has fully risen,

Our eyes behold the beauty

And majesty of a sun that gives us

Healing, warmth and nourishment

For our fragile nature.

 

 

O Amanhecer por Joan B. (EUA)

 

Lentamente ao primeiro despontar da manhã

O sol inicia a sua caminhada

Irradiando cores avermelhadas e de ouro

Lindamente espraiadas através do céu -

ampliando a beleza do mundo dourado.

O sol é radiante e é um poderoso guardião

Do nosso frágil planeta.

Quando o sol atinge a sua plenitude,

Os nossos olhos contemplam a beleza

E majestade de uma estrela que nos dá

Cura, calor e nutrientes

Para a nossa débil natureza.

 

Mãe Natureza por Rui M. (Portugal)

 

Mãe Natureza reconforta-nos.

Que nos emprestes a Tua esperança de fogo

E uma vez mais permitas este caminhar

Sobre gelo, pedras quebradiças,

Frio até ao centro dos ossos, nestes pés,

Moldados pelo teu Amor.

 

Mãe, Tu que és a nossa Vida reconduz-nos

Àquele sonho de normalidade esquecida,

Dias de paz e murais de cores tranquilas.

O menino corria na rua, a senhora olhava,

Pela sua janela com moldura de flores,

E eu, ao passar, devolvia a bola que vinha

Até mim e sorria de novo, Maradona de mim mesmo.

 

Que venha esse novo dia em que me acordes:

Da forma que Tu inventas-te, pena a elevar-se… suave…

E eu possa de novo esticar os braços, abrir as mãos, devagar, e esticar os dedos, e esticar, e…

até tocar esse Teu Novo Dia de Liberdade quente…

 

Até breve.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D