Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Palcos de Flores e Marco Paulo

por talesforlove, em 16.05.21

Hoje, fica uma homenagem dupla. A primeira a Maria João Abreu, que partiu subitamente… como se o céu deixasse de contar com a companhia do sol, sem qualquer aviso prévio. Nos tempos que correm, esta é uma situação que parece desafiar a nossa capacidade para ir mais além. Mas iremos, claro que sim.

 

A Suave Flor dos Palcos

 

Levantei-me pela manhã e,

Deslumbrante o sol vi, brilhante,

Mas passado um par de horas,

Liguei a TV e vi que partiste!

 

E foi então que a venda dos meus olhos

Caiu sem que o esperasse,

Pois as lágrimas soltavam-se aos molhos.

Partiras ainda que Lisboa te amasse!

 

Demos-te por garantida…

E deixei os meus olhos na calçada.

Branca de Saudade. Fria.

Fria… Plena de Frio… De pedra branca.

 

Que saudade desse teu campo de Teatro,

Feito de flores de todas as cores…

E fonte fresca de águas humanas,

Refrescantes desta vida de mil sabores.

 

Nossa Maria João Abreu…

O que foi que aconteceu?

 

por Rui M., 14 a 16-05-2021

 

E o próximo poema surge como homenagem a Marco Paulo.

 

Intemporal

 

Tocaste o coração de crianças e mulheres...

Senhores e idosas...

Com sentido e comovido cantar,

Marco, vieste a firmar o teu lugar na história

 

Guerreiro perante a contrariedade

De sorriso estampado no rosto

A sua aura emana a positividade

Como um raio de Sol nas intempéries da vida

que veio para mudar a vida dos portugueses...

 

No seu estilo único, música e melodia

Com sentido de humor e o amor nas palavras

 

Força de leão, persistência única

és tu, Marco!

 

Para sempre símbolo de nostalgia

e força 

aos que te seguem e acompanham.

 

por Sílvia Silva, 02-Maio-2021

 

 

Em Junho divulgam-se os textos dos trabalhos vencedores!

Novas imagens de inspiração e novos contos plenos de imaginação.

 

Abraço.

Até breve.

 

Trabalhos em Antologia Natureza 2020-2021

por talesforlove, em 13.05.21

Bom dia!

É com grande satisfação que se divulgam os restantes trabalhos premiados, a incluir também na Antologia Natureza 2020-2021.

 

Menção Honrosa: “Mar de Lixo” por Evandro Nunes (Brasil)

 

Além dos trabalhos nos primeiros lugares, serão ainda incluídos na Antologia 2020-2021 os seguintes trabalhos, sem ordem particular:

 

Poema “No meio do caminho…”Por Sónia Rodrigues (Canadá) VER

Poema “Cuidar do lixo é cuidar da saúde!” por Marcos Pontal (Brasil)

Poema “Ao pé da varanda” por João Araújo (Brasil)

Poema “CHUVA DE DIAMANTES” por Alberto Arecchi (Itália)

Poema “Mãe Natureza” por Vitor Gonçalves (Brasil)

Poema “Tempo” Priscila Carvalho (Brasil)

Poema “Rio Araguaia” por Deuzeli Linhares

Poema “Pequenas observações” por Noi Soul (Brasil)

Poema “Em busca do sonho” por Luisa Andrade (Brasil)

Poema “O clamor da natureza” por Jeanete Ferrão (Brasil)

Poema “Nova face de natureza” Luís Amorim por (Portugal)

 

 

 

Muitos parabéns!

Em breve, esperamos partilhar no blog os trabalhos com os primeiros lugares. Entretanto, fica um poema de Luís Amaro.

 

 

 

Nesta manhã de cinza

Debruçado à janela do meu quarto,

Contemplo a vida

E embalo-me e liberto-me num sonho.

                                          Luís Amaro

 

 

NOTA: A Antologia/Coletânea “Natureza 2015/21” contém alguns dos melhores trabalhos desde 2015 a 2021 que surgiram no contexto do Concurso Internacional de Literatura Natureza. Por existir uma versão do Concurso em Português e outra em Inglês, neste livro existem traduções de vários destes poemas e contos. Este livro é ele mesmo um exemplo de objeto que se deseja ser um caso de aplicação real dos princípios da sustentabilidade, pelo que, nele também se encontram as razões pelas quais essa sustentabilidade é verdadeiramente efetiva neste caso. Listam-se ainda algumas sugestões amigas do ambiente e das pessoas. Em resumo, trata-se de um sonho literário, que ao longo de 120 páginas A5 vai mais além do que este breve texto explica.

Para obter um exemplar contacte através do e-mail no topo do blog. Obrigado.

Até breve.

Concurso Natureza 2020-2021 - Primeiros Resultados

por talesforlove, em 09.05.21

Bom dia!

Divulgam-se os primeiros resultados do Concurso Literário Natureza 2020-2021!

No próximo dia 13 de Maio, esperamos divulgar os restantes trabalhos que serão também incluídos na Antologia. Só depois serão partilhados os poemas a Marco Paulo!

 

POESIA:

1º lugar: “O Gaio” por Teresa Barranha (Portugal)
2º lugar: “Lágrimas de Sereia” por Regina Gouveia (Portugal)
3º lugar: (empate técnico)
“Cores de Novembro” por Catarina Canas (Portugal)
e
“Flores Urbanas” por Marcelo Souza (Brasil)


CONTO:

1º lugar: “O Amigo” por Sónia Rodrigues (Brasil)
2º lugar: “Projecto Urano” por Alberto Arecchi (Itália)
3º lugar: “Conhecendo a Natureza” por Vitor Gonçalves (Brasil)

 

Muitos parabéns!

Muito obrigado aos Membros do Júri pelo trabalho atento de ler todos os poemas e contos recebidos.

Entretanto, como hoje chove em Portugal, partilha-se a canção "Chuva" pela Fadista Mariza.

 

Até breve.

 

 

 

No Dia da Língua Portuguesa

por talesforlove, em 05.05.21

Hoje, por António Gedeão

 

Quero adormecer na areia

loira da praia remota

enquanto no azul vagueia

a asa de uma gaivota

 

Até breve.

A voar

por talesforlove, em 01.05.21

Voo, por Rui M.

 

Eu voo

Sobre sonhos refeitos em cores

E avisto flores, tais quais estrelas

E montanhas, tais quais colinas marinhas.

 

Voo como se nadasse

Sonho como se rastejasse.

Não sou molusco, não sou lobo

Sei talvez ser lince.

 

E a voar ouço o tocar do vento:

essa melodia, sem dedilhar ou quaisquer teclas.

 

Selvagem..............

 

Piano não o vejo, revejo-me acordado.

Certa apenas é esta loucura solitária.

Esse honesto estado de alma.

A que a música dá asas,

sobre montanhas, frios alheios a raios de sol,

propulsionados pelo sentir,

e nos quais não estás e

para os quais não existo.

 

Findo-me.

Parto de novo,

sobre águas, tais quais nuvens.

 

Florian Christl - Fly (Voar)

https://www.youtube.com/watch?v=bs5fxPI53wQ

 

Até amanhã.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D