Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Dois poemas do Brasil

por talesforlove, em 28.01.21

Hoje partilhamos dois poemas do Brasil.

 

Sem nome, por Viviane P. (Brasil, 2021)

 

Eu queria viver em um mundo de sonhos dourados!

Mas, a realidade é uma floresta cheia de perigos e  desafios.

Não sei como permanecer  serena diante de tantos horrores.

Como  manter o meu olhar  nas flores que eu sei que ainda estão pelo caminho

 quando o que os meus olhos enxergam é dor e solidão?

Não, não, me recuso a ser assim infeliz para sempre.

Eu quero  viver no mundo de promessas que minha infância me mostrou nos livros  de contos de fadas!

Quero reis e rainhas que não adoecem nunca,

quero viver em um castelo

poupada da desilusão  de ser apenas um humano fadado à morte!

Ainda que eu saiba que são desejos inatingíveis ,

deixe-me  sonhar ,

porque é isso que torna minha travessia  por esses campos áridos possível.....

 

I wanted to live in a world of golden dreams!

But the reality is a forest full of dangers and challenges.

I don't know how to stay calm in the face of all these horrors.

How do I keep my gaze on the flowers that I know are still in the way

 when what my eyes see is pain and loneliness?

 No, no, I refuse to be this unhappy forever.

I want to live in the world of promises that my childhood showed me in fairy tale books! I want kings and queens who never get sick,

 I want to live in a castle spared the disappointment of being just a human doomed to death!

Although I know that they are unattainable desires,

 let me dream,

because that is what makes my crossing through these arid fields possible.....

 

Circo, por Maria C. (Brasil, 2021)

 

Pequenino, mascarado, espalhafatoso,

rebolando qual  enlouquecido  bailarino,

ele é vendaval  adentrando o picadeiro.

A multidão aplaude, grita, gargalha...

- Viva o palhaço, gritam da arquibancada.

 

           Compenetrado, ele imita os animais:

           ora é touro brabo, o toureiro enfrentando;

          ora é gato tristonho conclamando

          as gatas  todas espalhadas no telhado.

          Depois, é cão amigo, latindo a seu dono.

          Enfim, braços abertos, é pássaro voador.

          Aplausos mil aprovam a performance.

 

Falsa cara de choro, despedia-se o palhaço,

quando interrompido  pela voz infantil:

- Espere, meu palhaço, gosto de você,

volte, não tenho gato nem cachorro.

Você me convenceu, agora quero ter.

 

Ele agradece a todos tantos aplausos,

em especial, abraça e beija a menina.

Voltará logo a sua casa, sem crianças.

Ele é apenas um velhinho solitário.

O circo? Sua única alegria nesta vida.

 

Este segundo poema, lembra o papel do Circo também enquanto entidade que apoia os animais e merece ser apoiada em tempos de pandemia.

 

Até breve,

Rui

 

 

 

 

Tempo de Ciência, Esperança, Pandemia e Poesia

por talesforlove, em 21.01.21

Hoje, é tempo de recolhimento, mais velhos, mais novos, todos juntos, porque todos contam e todos devem estar protegidos, para a esperança prevaleça. Fica este apelo. E que haja sentido de comunidade. Protejam-se.

Fica ainda o apelo a que apoiem não só os Profissionais de Saúde mas também os Profissionais de Ciência.

Podem apoiar aqui:

Carta aberta por um investimento urgente em Ciência em Portugal : Petição Pública (peticaopublica.com)

https://peticaopublica.com/mobile/pview.aspx?pi=movimento8

E participem, em Abril, no Concurso Natureza 2020-2021, algumas publicações atrás neste blog.

Partilha-se ainda um poema de Antonio Cisneros - Então, nas águas de Conchán (Verão de 1978) no programa O Som que os Versos Fazem ao Abrir.

O Som que os Versos Fazem ao Abrir de 20 Jan 2021 - RTP Play - RTP

https://www.rtp.pt/play/p3076/e518950/o-som-que-os-versos-fazem-ao-abrir

 

Até breve.

 

 

 

Bom Dia, Concurso e Ciência

por talesforlove, em 12.01.21

Bom dia!

Fica ainda o apelo a que apoiem não só os Profissionais de Saúde mas também os Profissionais de Ciência.

Podem apoiar aqui:

Carta aberta por um investimento urgente em Ciência em Portugal : Petição Pública (peticaopublica.com)

https://peticaopublica.com/mobile/pview.aspx?pi=movimento8

 

Fica uma canção de TonY Carreira:

 

Em breve uma canção de Nel Monteiro. Saudades do Verão e dos Bailes.

O que seria este blog sem as(os) leitoras(es)...

Até breve.

A Força das Estrelas

por talesforlove, em 10.01.21

Hoje partilha-se neste blog um poema de Henrique Segurado "Post Scriptum" (ou Tílias ou À Sombra das Tílias):

 

Post Scriptum

 

Por baixo das tílias

Há sombras, raízes.

Se escavarmos mais:

Palácios e casas

E lá mais fundo:

Cidades, países,

Reis, imperatrizes

E formigas de asas.

 

Debaixo das tílias

Crescem os jacintos,

Os bicos de lacre

Mais os flamingos.

Debaixo das tílias

Mandam os instintos.

Debaixo das tílias

É sempre domingo!

 

Convida-se ainda a encontrar mais em:

http://bibliotecariodebabel.com/geral/tres-poemas-de-henrique-segurado/

https://omeuinstante.blogs.sapo.pt/tag/henrique+segurado+pavão

 

Partilha-se ainda o trailer do Filme "Alpha", para o qual se promete uma tentativa de crítica quando tal for possível. Aqui o original, sempre preferível com legendas:

Pode ser encontrada versão com legendas aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=GDqNF_PUkaQ

 

O filme parece vindo da Idade do Gelo ou do Frio Físico para a Idade do Frio Psicológico. E relembra a irmandade, sempre no fio da navalha, entre a Humanidade e a Natureza. O filme tem o enorme apelo de ter honestamente um final feliz, o único que se deseja. Vale a pena ver este monumento à Natureza.

 

Relembra-se o Regulamento do Concurso Natureza 2020-2021, já publicado.

Até breve.

Um ano pela positiva.

por talesforlove, em 02.01.21

 

endo em conta as circunstâncias em que vivemos e pela importância de uma mensagem positiva e pela obrigação de uma publicação pública a disseminar neste ano de retoma das nossas vidas "normais", fica aqui o compromisso de que vamos ignorar Olimpicamente qualquer notícia menos positiva deste ano. Ainda que o blog possa parecer um pouco Autista, mas será no bom sentido.

Vamos acreditar e correr para a luz que surge já à nossa frente!

Fica uma nova foto para o nosso Concurso Literário:

fotoflores.jpg

Flores como sóis que nos toldam a vista,

de beleza plena e completa,

que prosperem e tinjam de amarelo, alegre,

os nossos dias.

Mares, ventos cósmicos, pó reluzentes.


Até breve.

Fado e Carlos do Carmo no Novo Ano

por talesforlove, em 01.01.21

Começamos o Ano com uma notícia triste: faleceu Carlos do Carmo, mas fica a sua força e trabalho.

Partilha-se um texto do Autor deste Blog, de 2012… no Jornal “Os Fazedores de Letras”.

E um Fado, claro, porque Fado é também superação e alegria: o legado.

pag1.jpg

pag2.jpg

Em 2014:

 

E pelo próprio:

 

Saúde.

Até breve.

 

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D