Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sede de "Normalidade"

por talesforlove, em 29.11.20

Estaremos de regresso em meados de Dezembro. Por agora partilhamos o trailer do Filme "Listen", uma notícia muito recente, relativa ao Chef Ljubomir, e finalmente um trailer musical do Filme da Bela e o Monstro, porque trás também um sopro de esperança.

Listen (2020) de Ana Rocha de Sousa | Trailer - YouTube

Uma notícia:

Ljubomir Stanisic em greve de fome (msn.com)

 

"Bela e o Monstro"

 

Até breve.

Subscrever RSS - Concurso Natureza 2020...2021

por talesforlove, em 29.11.20

http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/data/rss

 

Até breve.

Refeição poética

por talesforlove, em 28.11.20

Hoje ficam dois poemas. Um primeiro, o original escrito por Joan B. e sua tradução aproximada, um segundo, por Rui M. Ambos revelam uma pequeníssima parte da Natureza, tanto na sua dimensão de força como de ternura criadora. Uma verdadeira refeição poética,  para estes tempos.

 

A MORNING SUNRISE (US) por Joan B.

 

Slowly at the first hint of morning

The sun begins its journey

With a radiance of red and gold colors

Beautifully stretched over the sky --

magnifying the beauty of that golden globe.

The sun is brilliant and is a mighty guardian

Of our fragile planet.

When the sun has fully risen,

Our eyes behold the beauty

And majesty of a sun that gives us

Healing, warmth and nourishment

For our fragile nature.

 

 

O Amanhecer por Joan B. (EUA)

 

Lentamente ao primeiro despontar da manhã

O sol inicia a sua caminhada

Irradiando cores avermelhadas e de ouro

Lindamente espraiadas através do céu -

ampliando a beleza do mundo dourado.

O sol é radiante e é um poderoso guardião

Do nosso frágil planeta.

Quando o sol atinge a sua plenitude,

Os nossos olhos contemplam a beleza

E majestade de uma estrela que nos dá

Cura, calor e nutrientes

Para a nossa débil natureza.

 

Mãe Natureza por Rui M. (Portugal)

 

Mãe Natureza reconforta-nos.

Que nos emprestes a Tua esperança de fogo

E uma vez mais permitas este caminhar

Sobre gelo, pedras quebradiças,

Frio até ao centro dos ossos, nestes pés,

Moldados pelo teu Amor.

 

Mãe, Tu que és a nossa Vida reconduz-nos

Àquele sonho de normalidade esquecida,

Dias de paz e murais de cores tranquilas.

O menino corria na rua, a senhora olhava,

Pela sua janela com moldura de flores,

E eu, ao passar, devolvia a bola que vinha

Até mim e sorria de novo, Maradona de mim mesmo.

 

Que venha esse novo dia em que me acordes:

Da forma que Tu inventas-te, pena a elevar-se… suave…

E eu possa de novo esticar os braços, abrir as mãos, devagar, e esticar os dedos, e esticar, e…

até tocar esse Teu Novo Dia de Liberdade quente…

 

Até breve.

 

Domingo - O Conto “Ilha de Santa Luzia” por Luísa F. - Pandemia

por talesforlove, em 22.11.20

Boa tarde.

Hoje apresentamos um conto por Luísa F. (Portugal) o qual foi premiado na Antologia Natureza 2018-2019. Nestes tempos de pandemia, recomenda-se cuidado na proximidade social em qualquer circunstância, de tal forma que as nossas vidas não sejam ainda mais afetadas. Neste momento, já temos a esperança de uma vacinação algures nos próximos meses.

 

Recomenda-se a leitura do conto “Ilha de Santa Luzia”.

 

Ilha de Santa Luzia


Quando me sentei, senti-os moverem-se debaixo das minhas pernas, sem os ver,
verdadeiramente, como se fossem transparentes; chamavam-lhes caranguejos fantasmas por terem a cor da areia fina e se confundirem com o ambiente. Tive
a clara impressão de estar em família e a sensação estranha de já ter estado
naquela ilha, a única com nome de santa no arquipélago das ilhas Afortunadas.
Por respeito a esses fantasmas tão familiares, por medo do ridículo, mas também
por ignorância, não me atrevi a falar no assunto ao meu pai, Branco (apesar de
ser um ilhéu muito tisnado) e um dos biólogos daquela pequena expedição.
Pedro era o seu assistente e tinha como missão principal a proteção da cagarra
de Cabo Verde, uma ave que nidifica no ilhéu vizinho e que o seu próprio pai
tinha caçado durante trinta e cinco anos, assim como muitos outros pescadores,
por se tratar de uma atividade tradicional. Milhares de crias foram dizimadas
nessa época, e não apenas as cagarras mas também os rabos-de-junco, com as
suas longas caudas, os alcatrazes, parecendo cavalheiros de nariz comprido, as
almas-negras de plumagem escura...que eram depois vendidos como cagarras.
Pedro achava que tinha uma dívida pessoal perante a natureza, contraída pelo
seu pai; mas, no seu entender, cabia-lhe a si e aos outros jovens devolver à ilha
essas espécies quase extintas.
A minha história começara muitos anos antes de eu nascer, mas os episódios
mais marcantes que recordava da infância eram os pesadelos frequentes com
enormes gatos e ratos vindos sabe-se lá de onde, que engoliam crias de aves
cujos ninhos estavam encravados na terra como pequenas manjedouras ou
berços de palha. O pediatra da altura descartou a hipótese de apneia do sono
mas tentou inteirar-se da nossa história familiar. Não foi difícil para o meu pai,
solteiro e dedicado, perceber que a explicação se encontrava naquele espantoso
lugar, que visitaríamos um dia. Explicou-me o que eram animais exóticos:
— Não são, como pensamos, aqueles animais estranhos e com um aspeto
diferente, fora da rotina e muito extravagantes, sabes? Quer dizer, não são só
esses; exóticos e invasores, para nós, são animais que vêm de outros sítios, de
outras terras e climas, estranhos à forma de vida da terra onde nos encontramos.
Exótico, como emigrante ou imigrante, como estrangeiro, está relacionado com
o nosso ponto de vista.
O meu pai não sabia exatamente o que era ser criança, porque ele próprio tinha
sido criado assim pelos meus avós, Luzia e Vicente. Quando as explicações se
alongavam, eu adormecia ao som das suas palavras, do alto dos meus seis anos,
sabendo que nessa noite não voltaria a ter pesadelos mas talvez sonhasse com
belas aves, com peixes-agulha e peixes-voadores muito curiosos e ágeis, com
águas cristalinas através das quais se viam os nossos próprios pés e o fundo do
mar.
Luzia era uma mulher falsamente seca e voluptuosa, que tinha abandonado a
ilha na década de 1970 com Vicente, quando ambos andavam pelos trinta. Não
se sabe em que circunstâncias se terão lá fixado, pois fizeram segredo disso até
à hora da partida, que ocorreu de forma misteriosa, depois de terem criados os
dois filhos, Branco e Raso, cujos nomes homenageavam os ilhéus vizinhos (os
outros dois integrantes da reserva natural), formando o que se tornaria, em
1990, património público, em conjunto com a ilha de Santa Luzia, deserta, mas
não solitária, ou, por assim dizer — deserta por deixar de sê-lo. Nessa época já
os dois irmãos tinham atingido a maioridade.
Acontece que a minha avó não engravidava porque a ilha estava interdita à presença humana,
salvo raras exceções, como eles, alguém que se batesse pelas espécies nativas; mas ainda assim
a santa exigiu que em troca da promessa de fertilidade o casal batizasse os filhos com os nomes
dos ilhéus circundantes, que seriam para sempre os seus orientadores de carácter e mentores,
quando os pais já não pudessem cumprir essa função por darem por terminada a sua vida terrena
(depois de se terem banhado em águas claras e convivido com as mais magníficas espécies de
aves da região, e aprendido a dar os bons dias aos caranguejos-fantasmas).
Os filhos vieram, assim, após inúmeras preces, depois de Vicente ter subido à
Topona, o ponto mais alto da ilha (quase quatrocentos metros acima do nível do
mar) e aí ter rogado a Santa Luzia que os abençoasse com descendência. Vicente
parecia por vezes um pouco distante, porque reservado, mas podia mostrar-se
também muito próximo, afetuoso e atento aos detalhes.
Luzia juntara-se ao marido nessas preces, apesar de estar cada vez mais
convencida de que era estéril; mas quando abandonaram a ilha tinham a certeza
de que seriam pais em breve. Santa Luzia era quem lhes poderia valer, por ser
mulher, por ser santa e por ser, também ela, desabitada de seres humanos.
Branco, o meu pai, ao contrário do meu tio, sempre tinha sido um cético e
escusava-se a falar de coisas que não pudesse explicar pela ciência, mesmo que
fizessem parte da sua história. A verdade é que oito meses depois dava-se ao
mundo, já com um tufo de cabelo como uma crista rochosa, e nove meses mais
tarde nascia o tio Raso, à distância de um olhar. Os dois irmãos sempre se
distinguiram em tudo, no feitio, no aspeto, nos interesses. Raso protegia dezenas
de aves marinhas que sobrevoavam as arribas aproveitando a riqueza das águas
que circundavam o seu patrono, de relevo quase predominantemente plano, e
seis espécies diferentes que aí construíam os seus ninhos. Era cada uma mais
bonita que a outra. O meu tio era um homem pequeno e castanho, mas bastavam
três dias de chuva para lhe converter o ar apagado numa exuberante alegria. Já
o meu pai tinha como mascote o lagarto-gigante, o qual, felizmente, nunca se fez
presente nos meus sonhos; constava que tinha sido extinto no início do século
XX, no entanto ele mantinha a convicção de que alguns espécimenes pudessem
ter sobrevivido nos rochedos escarpados do ilhéu Branco, seu homónimo e
padrinho.
Pedro e eu fomos dar uma volta pelos ilhéus antes de darmos por findo o dia em
Santa Luzia; contei-lhe dos meus pesadelos com gatos e ratos e ele confidencioume que começavam a ser um problema na ilha. Eram espécies exóticas — e não
pude deixar de sorrir ao lembrar-me das explicações detalhadas do meu pai.
Falei-lhe nos meus avós e com surpresa constatei que era um assunto do qual
não tinha o menor conhecimento. O meu pai não falava da família, era austero
e reservado, com um temperamento acidentado e espinhoso, a léguas do seu
irmão, plácido e previsível. Pedro apenas conhecia a lenda — a história que se
contava entre os pescadores — segundo a qual nos anos 1970 o casal que ali
vivia tinha abandonado a ilha de Santa Luzia.
Dizia-se, em conversas de homens do mar, que eles talvez não tivessem dali saído
e que ainda hoje andariam disfarçados de caranguejos confundindo-se com o
vasto areal para permanecerem em paz. Fiquei arrepiada com aquela
interpretação que assumi como uma revelação, uma vez que eu própria já o tinha
intuído. Mais um assunto que o meu pai não entenderia.
Estávamos em 2014, quando eu acabara de cumprir vinte anos e terminava uma
licenciatura em Biologia Marinha. Pedro mostrou-me as pequenas calhandras
do Raso e os seus ninhos no solo e eu tive que confessara-lhe que o meu pai
sempre me pedira que desse continuidade ao seu trabalho na proteção dessa e
de outras espécies exclusivas da região, que chamávamos endémicas. Tal como
as tartarugas-marinhas, também essas espécies estão em vias de extinção,
principalmente por causa da predação humana. Santa Luzia era um local onde
se fazia caça indiscriminada, longe dos olhares indiscretos, mas agora também
os pescadores estão sensíveis aos problemas ambientais e ajudam a protegê-las.
Entretanto os turistas não são ainda bem-vindos, assim como no tempo em que
Luzia e Vicente ali conceberam o seu primeiro filho.
Voltámos finalmente a Santa Luzia e junto com o resto da equipa rumámos a
São Vicente, mesmo em frente. Pedro e eu fomos ficando cada vez mais
próximos e decidimos acampar em Santa Luzia, completamente isolados,
enquanto tentávamos perceber como varia a fauna da região e procurávamos
conhecer-nos melhor. O meu pai acatava tudo o que fosse para o bem da região
e das espécies endémicas, porém reagiu com alguma desconfiança.

Prometemos trazer-lhe resultados em breve, para o convencer. O biólogo
concordava mas o pai resistia. A nossa rotina incluía a vigilância de ninhos de
cagarras para verificar o crescimento das crias. Pedro e eu pesámos
criteriosamente todas essas pequenas aves e sei que, nessa agradável rotina,
ele sentia que resgatava a dignidade do pai. A ilha já não era deserta, mas
tampouco era habitada: nós fomos privilegiados por, durante alguns dias,
poder acompanhar o pulsar da vida naquelas paragens. Agora fazemos idas e
vindas regulares com os pescadores, sem o pai de Pedro, que já cristalizou no
fundo do mar. Tentamos reintroduzir a raríssima calhandra em Santa Luzia,
essa ilha que nos habita e que apadrinha a nossa descendência.

 

Até breve.

 

 

 

Ecologia e Música

por talesforlove, em 15.11.20

Faleceu na semana passada o Arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles, considerado um dos pioneiros da ecologia em Portugal. Partilha-mos aqui a descrição que existe na Wikipédia:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Gon%C3%A7alo_Ribeiro_Telles

A ecologia, eventualmente mais que nunca, está no centro das atenções da muitos de nós, a tal ponto que mesmo a música reflete esse centro da nossa sociedade.

Veja-se o projeto "Sem Adubos" remistura por Miguel Torga (o DJ):

https://infinita1961.bandcamp.com/track/sem-adubos-remistura-ao-natural-do-torga

 

Trata-se de música eletrónica que tem uma letra relacionada com a preocupação ambiental. Outro músico que já se inspirou na causa ambientalista é M-Pex, sendo que não utilizou letra ou texto a palavra para esse efeito:

http://centraldeartistas.pt/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=646&Itemid=0

 

Até breve.

 

Ao Domingo

por talesforlove, em 08.11.20

Poderá não ser apenas ao Domingo mas, em tempo de mais pandemia, justifica-se um pouco mais de partilha. Tentaremos publicar com maior frequência este mês de Novembro.

Fica aqui hoje um conto da Escritora Brasileira Maria Coquemala, incluído no seu livro FLASHES, publicado pela Editora Porto de Lenha (contato@portodelenha.com - Brasil). É um exemplo, claro da profundidade dos temas que procura abordar nos seus contos, de leitura agradável e convidativa. Fica o convite.

Logo que possível publicaremos um trabalho de outro Autor.

Até breve.

 

Settembrini

 

O tempo escorreu ao longo dos dias, meses, anos... Mas nítidas as lembranças do suceder de acontecimentos que nada neste mundo prenunciava. E como num filme de longa metragem, posso me ver e a eles, personagens deste relato que tomaria por inverossímil, não tivesse sido eu co-participante dos surpreendentes episódios no hospital, para onde tinha sido levada numa madrugada, acometida de dores.

            Nos dias de internação que se seguiram, embora com dificuldade, tentava continuar lendo um romance cuja trama romântica me atraía menos que as longas reflexões sobre a vida, a morte, o amor, a paixão, o tempo e a doença. Em especial, o tísico personagem Settembrini me fascinava, querendo salvar o mundo através da Arte, da Razão e da Ciência. Então interrompia a leitura, refletindo sobre suas belas teorias humanistas.

            E foi num momento assim que Settembrini, qual personagem pirandeliano, de algum modo estava no quarto, como descrito no livro, baixinho, meia idade, a fronte alta, os olhos negros, fios brancos nas têmporas, vestindo amplas calças de xadrez amarelado e paletó muito comprido. Inexplicável, mas nenhuma surpresa me causou. Apesar das vestes puídas, ali estava um cavalheiro.

            E sempre gentil me deu o braço, atravessei com ele o longo corredor do hospital, abrindo as portas dos quartos. Enfermos se levantavam de seus leitos, nos acompanhando. Cruzamos com macas, médicos e enfermeiros, ouvindo a tosse cavernosa dos tuberculosos, gemidos, sirene de ambulâncias... Amparada no seu braço, caminhamos lentamente para o jardim. Gotas da chuva recente ainda caíam das árvores, o ar estava limpo e fresco, apanhávamos folhas de ervas cheirosas pelo caminho, que recendiam, esmagadas pelas nossas mãos. Sentamos no banco de um caramanchão, os enfermos nos rodearam sentados no chão, e Settembrini se pôs a declamar na melodiosa língua italiana, um poema de DAnnunzio,

            Su le soglie del bosco non odo parole che dice humane,

            ma odo parole piu nuove  che parlano gotiole i foglie lontane...

            A sonoridade dos versos me parecia reproduzir os pingos remanescentes da chuva caindo sobre o solo, sobre as folhas, a beleza da criação poética humana se mesclando à da natureza. Então, entre outros versos de imorredoura beleza, Settembrini falou de Carducci, Petrarca, Leopardi, Virgílio, poetas que ele amava. E da sua luta, que era a de todos os humanistas, contra a ignorância e a maldade, em favor da dignidade do Homem.

            Como um professor consciente da sua autoridade, ciente da profunda atenção dos ouvintes seduzidos por suas belas palavras, falou da doença, da luta do Humanismo contra o conceito supersticioso de ser ela um nobre caminho para a perfeição do espírito, um caminho para o céu. Na verdade, enfatizava ele, uma humilhação dolorosa do Homem, um insulto à idéia, um rebaixamento que, no caso individual, pode merecer tolerância e cuidado, mas seria uma aberração homenageá-la espiritualmente, sendo ela o início de todas as demais aberrações espirituais.

            Uma enferma se referiu ao fanatismo religioso de todos os tempos, gerador de violência, guerra, sofrimento, morte, qualquer que fosse o nome da crença e dos povos que a tinham.  Da repulsa que lhe causava o sacrifício de animais, enfatizando a morte de cordeiros em cerimônias sangrentas ainda vigentes, dóceis animais, vítimas inocentes de religiões inexplicáveis.

            - Somente através do trabalho, através do progresso, o Homem será libertado da ignorância e da superstição, completava Settembrini.

            Ponderei que os erros dos homens nem sempre eram evitáveis, dado que podíamos traçar os rumos para nossa vida, porém rumos que forças universais condicionam. Mas Settembrini contra argumentava,

            - A inteligência humana sairá vitoriosa do embate com tais forças. Basta que a razão humana queira ser mais forte do que elas, e logo o consegue. E falou com entusiasmo do princípio do movimento, da rebelião e do aperfeiçoamento do mundo, que, por natureza, não é um princípio muito pacífico já que teria que vencer grandes obstáculos antes de triunfar em toda parte e antes de se realizar a república universal, grande e feliz”

            Alguém citou Lutero queimando a Bíblia em reivindicações de livre interpretação, atitude que certamente fora um dos fatores do Iluminismo.

            - E da fogueira luterana surgindo centenas de outras igrejas, numa verdadeira reação em cadeia, acrescentou outro, e cujos representantes, em sua maioria, muito ao contrário do libertário Lutero, se multiplicaram com suas verdades intocáveis.

            Outro enfermo começava a lembrar o Buda, a compaixão e a eliminação dos desejos, como necessários a uma vida tranquila, quando foi interrompido por uma mulher que começou a chorar e enxugando as lágrimas com as costas das mãos, emocionada, falou sobre o filho morto, que Deus levara por sua insondável vontade, as falas a remetendo ao tempo dele criança, adolescente, moço, e que só lhe dera orgulho e alegria. E o acidente no trânsito, a morte em plena juventude. O sofrimento, a revolta, a dor da perda se estendendo por dias e noites. Só na religião encontrara algum consolo. Religião que procurava levar a outras mães e assim preenchendo o vazio da própria vida. Vida de mulher pobre, um dia mãe solteira, casada depois, mas filho nenhum. Pela vontade divina. Um dia aconteceria o reencontro, assim acreditava. Chorando, desculpava-se com Settembrini, mas só a religião a consolava da dor maior da perda, da saudade sem fim que a acompanhava.

            Settembrini tomou-lhe as mãos, nada disse, chorou. Ele sabia ser tão grande no silêncio quanto expondo seus belos pensamentos.

            Alguém lembrou que se pode destruir em minutos o planeta inteiro só com as armas de arsenais americanos e, numa reação em cadeia, atingir até o Universo longínquo, cujos limites nem podemos imaginar, mas não se pode devolver o filho à mãe que grita em desespero. Pode-se destruir uma vida sob quaisquer das suas formas, desde as mais simples às mais complexas, mas é impossível recriá-la.

            Settembrini continuou calado, gentil e compassivo. Também me emocionara, ouvindo, pensando que a religião que eu desejava ainda não chegara. Religião de um tempo em que poder nenhum, divino ou humano, separasse mães e filhos. Um velho enfermo se perguntava até que ponto todos nós que não participáramos da vida do moço morto, que não cruzáramos seu caminho, éramos também inconscientemente responsáveis pelo seu prematuro fim terrestre. Pois nada lhe parecia individual quando se tratava do universo humano, num inter-relacionamento que parecia estender-se ao espaço sideral, ao universo inteiro. Responderíamos todos a um desígnio superior cuja explicação não se alcançaria, exceto pela fé? Ou a própria Natureza, indiferente à dor humana, comandaria a vida e a morte, nossa liberdade de escolhas nada mais sendo que uma ilusão, tendo em vista as nossas inteirações com outros fatores, definindo nossa jornada na Terra?

            Um jovem se referiu a Nietzsche, o homem que tinha tido a coragem de desafiar seu tempo, propondo a vinda do Super-homem contra as forças da ignorância e do atraso, mas que se tornaria ele próprio um sub-homem, doente, ferido no que tinha de mais privilegiado, sua mente maravilhosa. Ele, que declarara ser humilhante a compaixão. E que acabaria por tornar-se objeto dela.

            - A tragédia, acrescentou Settembrini, começa onde a natureza se mostrou para destruir, ou para tornar de antemão impossível a harmonia da personalidade associando um espírito nobre, cheio de vitalidade a um corpo pouco apto para a vida.       

            Alguém se levantou. Era um homem pequeno, magro escanhoado, de uma fealdade chocante. Apresentou-se como Naphta. Olhou-nos de tal modo que era como se soubesse ser ele o portador da verdade única, que expôs em palavras candentes,

            - Todos os castigos da Igreja, inclusive a fogueira, inclusive também a excomunhão, foram impostos para salvar as almas da pena eterna. Toda justiça que não brote da fé no Além é uma sandice bestial. E quanto ao aviltamento do homem, sua história coincide exatamente com a do espírito burguês. O Renascimento, A Época das Luzes, as ciências naturais e a economia política do século XIX, não ensinaram nada, absolutamente nada, que desfavorecesse esse aviltamento, começando pela nova astronomia, em virtude da qual o centro do universo, o magnífico cenário onde Deus e o Diabo disputaram a posse da criatura por ambos almejada, foi transformado num insignificante planetazinho e que pôs um fim provisório à grandiosa posição do homem sobre a qual se fundava a astrologia. A fé é o órgão do conhecimento e o intelecto é secundário.

            Fez-se silêncio perante a convicção do orador, ninguém querendo contradizê-lo.

            Mas, um velho enfermo, com voz tranquila, como se desculpando, falava,

            - Não se pode excluir da existência os nobres ideais de que nos fala Settembrini, razão de ser de uma vida, rumo à dignidade do ser humano. Como também não se pode excluir a fé religiosa de que fala Naphta. Nenhum de nós, como ensinou Platão, pode contemplar a verdade inteira. Sabemos desintegrar uma gota de água, mas não como reconstruí-la, como sabiamente  já se falou aqui em termos de vida humana. Que somos nós? Nosso corpo, nossas ideias e emoções, tudo energia num círculo vicioso, de que falava esse Nietzsche enlouquecido, condenados a um eterno retorno? Como saber? Quem é o Criador de tudo? Nossa mente não alcança. Tracemos, pois um caminho de respeito ao próximo, a suas ideias, emoções e crenças.

            Sua voz ainda provocava diferentes reações, quando Dr. Thomas, o médico pneumologista se aproximou, pedindo-nos que voltássemos aos leitos. 

            Um a um, enfermos foram retornando aos quartos, às enfermarias, as tosses ecoando pelos caminhos. Settembrini me conduziu ao quarto, sorriu, tirou o casaco úmido. Vinda do corredor, ouvimos a sarcástica gargalhada de Naphta. Então começou a tossir, o sangue escorreu do nariz, seu lenço branco se avermelhou. Passado o acesso de tosse, consternado e pálido, despediu-se e entrou no livro.

            Com o passar do tempo, a memória perde conteúdos de pouca importância, porém o registro do essencial no transcorrer da vida é preservado, ensinam os cientistas. São nítidas as minhas lembranças. Mas, hoje me pergunto se tais fatos ocorreram mesmo ou passageira alucinação, fruto do feitiço daquele personagem sedutor de A Montanha Mágica de Thomas Mann, o romance que eu lia no hospital.  Penso também nos medicamentos tomados. Na existência, não se sabe como, se redefinindo em outras paragens. 

            Como quer que seja, ainda hoje, anos passados, vejo Settembrini num gesto de nobreza daqueles que, como ele, acreditam na redenção do Homem pelos instrumentos da ciência, da razão e da beleza.

.............................................................................................................................................

Settembrini e Naphta são personagens de A Montanha Mágica, de Thomas Mann.

 

aa2m.JPG

 

Dia de Luto Nacional em Portugal pelas Vítimas da Covid-19

por talesforlove, em 02.11.20

Não só os que perdem a vida, mas todos nós, que somos afetados por este vírus, somos vítimas da destruição parcial ou total das nossas vidas que ele provoca.

Não nos deixaremos abater e iremos renascer, como um redobrado brilho no olhar, a cada dia que nos surge pela frente.

Jean-Jacques Rousseau dizia:

"Morro aos poucos em todos aqueles que gostam de mim."

longocaminho2020.JPG

 

Cuidem-se e sigam com a vossa vida em frente.

Abraço.

Até breve.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D