Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo :-)

15 de Outubro 2019

por talesforlove, em 15.10.19

A 15 de Outubro de 2017 abatia-se sobre Portugal uma enorme tragédia e que infelizmente parecia ser uma repetição da tragédia de 17 de Junho do mesmo ano. O fogo voltava a consumir enormes áreas de floresta e a destruir, para sempre, vidas humanas, apanhadas num contexto terrível sem que tivessem uma verdadeira oportunidade de fuga. Hoje atualiza-se este blog, em memória dessas vítimas.

 

A sequência é a seguinte:

Parte I – Tentativa de crítica literária de “Flashes” por Maria Coquemala

Parte II – O testemunho “de fogo” do autor do blogue

Parte III – Cantinho da ciência: plantas e exoplanetas

Parte IV – Poesias

Parte V – Tempo de balanço, um adeus até Janeiro 2020

 

Parte I – Tentativa de crítica literária de “Flashes” por Maria Coquemala

 

O livro “Flashes” por Maria Coquemala, é composto por um conjunto de contos e crónicas, assumidamente curtos, pensados para leitores sem tempo para ler. São cerca de 170 páginas de prosa que nos revelam as motivações que levam a escritora a criar este conjunto de obras singulares: dar testemunho, por vezes criticar algumas realidades, incluir a natureza no enredo dos sentimentos humanos, mesmo os mais profundos, em resumo, “ser futura poeira cósmica” com um passado digno de ser respeitado e recordado, porque teve impacto nas nossas vidas.

Do ponto de vista da natureza e do momento histórico em que vivemos, marcado pela preocupação suscitada pelas alterações climáticas e pela destruição dos ecossistemas, existem nestes contos diversas questões que levam à reflexão sobre os nossos comportamentos e supostos desejos de preservação e fruição da beleza natural, que nos faz sentir bem, porque comunica com o mais íntimo de nós. No contexto de uma história imaginária, é frequente o leitor deparar-se com um dilema que o deixa a “pensar na vida”, ou seja, a sua atitude perante os outros seres vivos e o confronto com o seu agir fortemente influenciado pelo contexto social em que ele se insere enquanto indivíduo. Este facto, parece ser favorável a uma experiência enriquecedora enquanto leitor(a) e na minha opinião é mesmo assim; assumindo que o(a) leitor(a) tem pouco tempo para ler, não irá abandonar-se a uma longa leitura do livro, ainda que se apaixone pela história, porque os deveres diários são mais importantes. São?! A forma como o texto surge não é o da filosofia e, todavia, existe profundidade nos temas e na forma como nos são apresentados. Sim, temos uma leitura breve, aparentemente simples, só que se revela impactante, temos uma sequência de factos que não só nos faz pensar como também nos encaminha à imaginação de novas soluções ambientalmente amigas, mesmo que em contextos poéticos pouco comuns. Maria Coquemala consegue redigir “contos breves, com sumo”, ou seja, nos quais o(a) leitor(a) em pouco tempo consegue ler algo de relevante, belo, que faz acreditar que, após o final do conto, se acrescentou algo digno de nota à sua vivência. Talvez mesmo reler parte do texto, seja um pretexto para uma ligação renovada com a mãe natureza. Como exemplo deste “pretexto” sugiro a leitura do conto “Corações na praça”.

Adicionalmente, acrescentam-se a algumas narrativas elementos sentimentais que se dirigem estritamente ao sentir da natureza humana. A pessoa não será antagonista da natureza selvagem, é também ela própria parte de um conjunto, por vezes em conflito, mas que tende para um equilíbrio. A ciência surge como uma chave que permite novas perguntas, como por exemplo no conto “Criogenia”, e o amor como “elemento-esperança”, por exemplo, no conto “Conto Nupcial”. Verdadeiramente, todos estes elementos surgem em quase todas estas breves narrativas, sendo mais vincados em algumas delas.

Se a literatura pode ser breve e bela, esta obra revela-nos que “sim”, mas que poderá perdurar se o(a)s leitores(as) não tenham tempo, não sei, e talvez seja um prenúncio de dúvida, e não uma qualquer coincidência, que leva a que o último conto proposto seja intitulado “Enigma”.

Hoje não se consegue vislumbrar uma resposta para esta última questão, no que diz respeito a esta obra, mas o livro é digno de fazer parte da constelação de obras dignas de fazerem parte da nossa leitura exigente. Sem dúvida, este é um belo fruto de trabalho humilde e persistente, confirmando Maria Coquemala, como uma valorosa “tecelã das letras”.

capaflashes.JPG

 

Para contactar a autora e/ou adquirir um exemplar, recomenda-se o seguinte e-mail: maria-13@uol.com.br

 

Parte II – O testemunho “de fogo” do autor do blogue

por talesforlove, em 15.10.19

Este não é o testemunho de alguém que tenha estado cercado pelo fogo de 15 de Outubro de 2017, mas sim alguém que não esteve lá por mero acaso. Não foi possível uma deslocação para uma das áreas afetadas naquele fim de semana e início de semana e assim, nunca surgiu a hipótese de ir tentar salvar algumas cerejeiras, com 10 metros de altura, que embora estivessem em terreno limpo haveriam de morrer secas com o calor devido ao facto de tudo em seu redor ser mato e floresta de eucalipto. Ali mesmo ao lado, noutra aldeia, dois irmãos morreram no seu apiário, a tentar socorrer as suas abelhas… Ainda que muitos de nós sintam um instinto profundo para ajudar e estar em comunhão com a natureza, é certo que a agricultura é vista como uma atividade ingrata e até suja, como que indigna. Todavia, é ela que nos garante a alimentação e mesmo a experiência de plantar uma árvore e poder acompanhar o seu crescimento. É algo insubstituível, mesmo em termos tecnológicos; um caminho seguro para conhecer o que realmente está em causa quando se fala em proteção ambiental.

Voltando àquele 15 de Outubro, durante a noite as comunicações, fornecimento de eletricidade, haveriam de falhar. Contaram-me, no local, que foram gastos milhares e milhares, de litros de água, por habitação, naquela madrugada, desesperadamente, salvando apenas algumas casas, algumas hortas, algumas árvores. Após a água se esgotar, as poucas pessoas que se recusaram a abandonar as povoações, utilizaram a água de tanques agrícolas para apagar o fogo ali mesmo junto de casa. Os bombeiros ficavam já parados junto das habitações, sem água e sem poder respirar, a aguardar o fogo passar ou a ajudarem como podiam. Era um mar de chamas e de fumo, visível a partir de qualquer ponto alto.

Eu não estava lá, mas sabia o que era estar cercado por outro fogo e quando cheguei ao local, a 1 de Novembro de 2017, vi as diferenças na destruição provocada e percebi que a força era outra. As cerejeiras estavam de pé, com o tronco aparentemente ainda vivo e as folhas secas todas penduradas, nenhuma havia sido queimada. Naquele Outono e Inverno não haveria de chover e morreriam desidratadas, afinal, deveria tê-las regado, em pleno Inverno…

Muitas oliveiras, algumas centenárias, foram queimadas até à raiz, ficando apenas o molde na terra: um buraco com cores cinza, verde oliva, amarelo e vermelhos.

Muitos animais fugiram ou morreram mas, insetos como as formigas haviam sobrevivido. Num caminho algumas movimentavam-se nervosas, como que desorientadas sobre as cinzas. Talvez durante milhares de metros em redor não havia nada. Deixei cair uma uva e dirigiram-se a ela, num ápice: estavam sôfregas, desesperadas.

Recordo também a ida ao centro de donativos onde vi uma pessoa pedir uma tigela, havia perdido quase tudo: casa, árvores, roupa… Exceto o mais valioso, ou seja, a vida e a esperança. Os seus olhos eram vazios e na sua expressão uma urgência com calma imposta pelas circunstâncias em que não havia escolha. No armazém havia um registo de entrada, quem dava e o quê, e depois, eram montes, até ao teto, um pé alto de cerca de 10 metros… Camiões de roupa acumulam-se em algumas aldeias mas, não havia como a escoar: todas as casas tinham ardido e não havia como guardar essa roupa.

Passaram-se meses, fios elétricos e dos telefones ainda nas bermas das estradas, o negro sem ser suplantado pelo verde e sem melhorias na prevenção ou replantações. A seca e o fogo ganhavam.

Em 2019, prevalece o desanimo no que diz respeito a replantações, frequentemente raras e o eucalipto cresce muitas vezes controlo. Sente-se que é necessária substituição de eucalipto por outras espécies…

Este fogo gigantesco de 15 de Outubro, criou uma mancha continua ardida desde a Figueira da Foz até Pedrógão, dizimado pelo de 17 de Junho de 2017. O Pinhal de Leiria foi uma das áreas destruídas junto ao mar. Recentemente, fiquei a saber que a replantação estava a fracassar em parte ou com grandes dificuldades em vingar. Pergunto, se me permitem: não seria melhor semear as árvores do que plantar, pois o crescimento gradual iria permitir uma “gestão” da água mais eficaz pela planta? Ou seja, a raiz estaria sempre desenvolvida o suficiente para, em circunstâncias normais, suportar aquele ser vivo. Acredito que D. Diniz tenha utilizado esta técnica, afinal promove uma utilização mais eficiente de recursos materiais e humanos…

Não podemos esquecer as lições a retirar destas situações, as árvores salvas, o suor. Não podemos esquecer as vidas perdidas.

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D