Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com. Aceitam-se contributos de outros autores, de 4 a 24 de cada mês, relativos ao tema Natureza ou Universo. :)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade automática:

Fogos na Califórnia....

por talesforlove, em 14.11.18

Hoje na Califórnia...

 

https://www.nytimes.com/2018/11/11/reader-center/california-fires-how-to-help.html

 

https://pt.euronews.com/2018/11/13/fogos-na-california-ja-fizeram-mais-de-40-mortos

 

https://www.dn.pt/mundo/interior/fogos-na-california-neil-young-desafia-donald-trump-sobre-ciencia-10169097.html

 

Até breve.

Para breve um texto sobre o filme "Pedro e Inês"

por talesforlove, em 07.11.18

 

Tentativa de Crítica sobre o filme “O que de verdade importa” (27 e 28 de Outubro 2018)

por talesforlove, em 28.10.18

O filme “O que de verdade importa”, realizado por Paco Arango, tem como personagem central Alec (Oliver Jackson-Cohen) o qual possui um negócio de reparação de equipamentos elétricos e leva uma vida desregrada. Além de jogar a dinheiro continuamente, pese embora perca quase sempre, dorme com todas as mulheres que pode, não obstante tal realidade não preencher o vazio que sente no seu coração. Evidentemente, o seu negócio, com a marca “O Curandeiro”, ressente-se e está à beira da falência; facto evidente quando o seu único empregado recebe a visita do senhorio que o ameaça de despejo. É neste contexto que surge o seu tio, oferecendo-lhe a “salvação”: paga-lhe todas as dívidas se ele se deslocar de Inglaterra, onde vive, para Nova Escócia (Canadá).

Não, o objetivo desta tentativa de crítica cinematográfica não é contar toda a história do filme, por este motivo, paro por aqui esta descrição, a qual considero ser já suficiente para enquadrar o leitor neste universo muito particular.

A primeira imagem que me vem à cabeça quando me recordo deste filme, é a luz refletida nas águas de um lago, uma cena que nos transporta para um mundo de paz, serenidade, no qual, tal como na publicidade desta película, tudo é 100 % positivo. Tanto mais que a câmara se vai gradualmente afastando dessa luz cintilante, como um conjunto de pontos nas pequenas ondulações, a fazer lembrar as estrelas no azul celeste, das quais nos afastamos, ao encontro do verde das encostas montanhosas. Numa mesma panorâmica, o verde esperança e a oportunidade cósmica com o calor atómico feito escuro. Aquele dia de sol empresta-nos a calma que merecemos. Aliás, durante os 120 minutos durante os quais esta história se desenrola somos confrontados com estes pontos de vista, contrapondo alguma tensão emergente em dado momento, com a sensibilidade pictórica que nos abraça; torna mais leve o drama que por vezes parece dominar.

Alec, talvez o herói deste filme, é confrontado consigo próprio e são os outros e não ele próprio que o levam a aceitar-se tal qual é: não apenas um “curandeiro” da eletricidade mas também, e principalmente, um curandeiro da saúde de quem o rodeia, ou mais ainda, alguém capaz de reparar a vida dos outros, que afinal já o esperavam antes mesmo de ele chegar… Ele nunca aceitaria tal tarefa, a qual considera estar muito além de tudo o que considera razoável ser possível, ficando pois em plena crise de identidade quando em choque frontal com essa realidade. Tal como Alec, que se perdeu devido à morte do seu irmão, todos podemos reparar as nossas vidas quando também temos as mãos certas estendidas na nossa direção.

Em determinados momentos da vida, somos todos confrontados com estas duas visões sobre a nossa identidade: o nosso ponto de vista sobre nós próprios e o ponto de vista dos outros, quando nos veem, ou julgam ver… e como é de positividade que aqui se fala, quero dizer que queremos sempre em nós negar alguma capacidade que efetivamente temos. Não a conseguimos reconhecer. Por exemplo, apenas uma mínima parcela das pessoas que vão ler este texto é médico(a) mas todos podemos ajudar na luta contra o cancro, com um pequeno donativo para o IPO (Instituto Português de Oncologia), bastando assistir a este filme no cinema, uma ou mais vezes, em Portugal.

No final da película o propósito MAIOR desta história é revelado a todos: apelar à solidariedade. Não admira que o “tema cancro” surja nesta história, encarnado na personagem Abigail (Kaitlyn Bernard), a par e passo com o sofrimento das outras pessoas que julgam nada poder fazer para lutar contra a doença. Afinal, neste contexto, como noutros, todos nós podemos fazer algo de positivo, por pequeno que possa parecer o nosso contributo. É de facto uma excelente iniciativa, uma bela oportunidade para fazermos algo de bom.

100 % solidário é também o comovente sucesso, visível em cada sala de cinema que se apresenta sempre composta. Os cenários, a trama, as interpretações, na minha modesta opinião, são muito boas, sem que seja óbvia alguma pretensão de obter um OSCAR. Parece-me que, para esta equipa de realização, o maior prémio é ser ela própria o agente de cura nas vidas de muitos de nós. E consegue, pois que com a simplicidade despretensiosa com que o drama se interliga com a comédia, somos levados a refletir e a concordar com o que Margarida Rebelo Pinto defende: “é na arte da simplificação que reside 80 % da felicidade”. Quando acaba este filme sentimo-nos felizes.

 

 

Em dia de esperança.

por talesforlove, em 22.10.18

Em dia em que se sabe que mais alguns refugiados morrem no Mar Mediterrâneo, recorda-se, por um lado, o Concurso Literário "Natureza 2018-2019" que se iniciou a 15 de Outubro, e por outro, o nosso papel essencial na proteção do meio ambiente. Quem sabe se ter uma pequena planta no parapeito da janela não poderá fazer a diferença? E aquele pedaço de plástico que não vamos atirar para o chão? Quem sabe se essa pequena ação não evitará no futuro que sejamos nós refugiados ambientais? 

Ninguém sabe.
Até breve.

A dois dias do Concurso Literário "Natureza 2018-2019"

por talesforlove, em 13.10.18

 

agua1.jpg

A força da água......... 

Até breve.

20 anos do Prémio Nobel a José Saramago

por talesforlove, em 08.10.18

FotoJoseSaramago.jpg

 Uma sua citação:

"Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito, é uma tentativa de colonização do outro. "

Fonte: http://www.citador.pt/frases/citacoes/a/jose-de-sousa-saramago

 

José Saramago, podemos dizer, foi, de facto, a semente que germinou, cresceu e deu fruto: ideias, sonhos, livros.

Parabéns!

 

Até breve.

Concurso Literário - "Natureza 2018-2019" - O Universo Nossa Casa

por talesforlove, em 06.10.18
A partir do espaço, a terra é um pequeno ponto de luz azul. Somos um pequeno grande nada, a esperança feita vida. Claro que a maioria de nós apenas teve a possibilidade de ver esse azul em ecrãs de televisão ou computador... ou em uma fotografia num livro. Todavia, acende-se no peito uma emoção estranha, quando nos deparamos com essa imagem.

Esse estado de espírito não nos prende, ainda assim, e somos tentados a olhar em redor, para o universo: para o profundo desconhecido que vai além da nossa imaginação, que nos impõe, as suas cores, as suas químicas, as suas leis da física, as suas vidas.

Enquanto a nossa ação em terra nos faz pensar, dadas as reações da natureza, sob a forma de inundações, tufões e fogos florestais enormes, o universo mantém-se uma "terra" de oportunidades. Até mesmo a literatura parece ter a obrigação de não repetir os erros do passado; tudo deve ser melhor.

A natureza do universo serve-nos de musa para mais este concurso literário. E mesmo um romance de Nicholas Sparks parece ser diferente se pensado nesse contexto imenso e cósmico. Tão impossível quanto um amor dito impossível, tão impetuoso como a vida no meio do nada...
 

natureza3.jpg

 


É neste contexto que, com grande alegria, anunciamos o início do Concurso Internacional de Literatura "Natureza 2018-2019", que este ano vai de 15 de outubro de 2018 a 15 de dezembro de 2018. Em 1 de fevereiro de 2019 são anunciados os pré-finalistas e no dia 28 de fevereiro de 2019 os principais vencedores.

Pode a poesia sobreviver a um universo que parece ser tão avesso à vida? O que temos nós a dizer sobre algo que nos é ainda tão desconhecido? Haverá alguma ligação, alguma comparação, que possamos fazer com a nossa realidade terrestre? Como pode surgir a ciência na literatura neste nosso contexto? Tudo isto é um desafio e nos faz pensar. Acima de tudo, deve ser visto como uma ação de boa disposição e alegria: um exercício de escrita entre amigos.

Todos(as) são bem vindos(as).
 
 

natureza2.jpg

 

 
 
Detalhes do Regulamento 2018-2019:

1. A participação neste concurso é gratuita.

2. Qualquer pessoa de qualquer país pode participar desde que submeta trabalhos escritos em português.

3. Cada participante pode enviar um poema, sem limite de palavras, e um conto, com um máximo de 3000 palavras. 

4. As obras devem ser enviadas por e-mail para Rui M. (ruiprcar@gmail.com) juntamente com nome, país, contacto eletrónico. O assunto do email deve ser "Concurso Literário Internacional  'Natureza - 2018-2019'". Espaçamento entre linhas: espaçamento simples; Dimensão da letra: 12; Tipo de letra: Calibri; textos no corpo do e-mail e não em ficheiro.

5. Os autores participantes concordam em receber e-mails no futuro que tenham como objetivo principal divulgar futuras iniciativas literárias. Devem subscrever o blog (caixa no topo).

6. Os finalistas vencedores de primeiros prémios têm direito a um certificado digital.

7. Todos os poemas selecionados serão publicados em antologia, que estará disponível em formato PDF (possibilidade de existir no Windows), com um custo de 2,5 € (pagamento de uma doação pelo PayPal). Os autores premiados têm direito a uma versão gratuita.

8. Direitos do autor: os autores têm seus direitos sobre os trabalhos publicados, a fim de publicar como quiserem em qualquer outro lugar. A organização do concurso detém direitos totais sobre os trabalhos publicados no contexto da Antologia do concurso.

9. Prazo final para participação: 15 de dezembro de 2018.

10. Pré-finalistas anunciados em 1 de fevereiro.

11. Os resultados finais serão anunciados no dia 28 de fevereiro em http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt e, quando possível, em outros websites a indicar no futuro próximo.

12. O primeiro de cada categoria terá direito a um prémio: obra de arte (uma pintura A4) enviada pelo correio.
 
 
Membros do júri:
[Lista não definitiva]

A) Edweine Loureiro (Brasil - Japão)
Escritor Brasileiro radicado no Japão.
Premiado internacionalmente.
 
B) Membro da Universidade de Lisboa (Portugal)
Anónimo.
 
C) Karina I. (Brasil)
Escritora premiada internacionalmente. 
 
D) Membro da Universidade de Lisboa (Portugal)
Anónimo. Formação em Astrofísica.
 

natureza1.jpg

 

 
Parcerias:
[Lista não definitiva]

Projeto "1 Café 1 Árvore"
https://m.facebook.com/1cafe.1arvore
 
Jornal "Bom Dia" Luxemburgo
http://bomdia.lu/
 
 
Ligação extra:
 
Arte sobre natureza
https://myvisualarte.blogs.sapo.pt/
 
 
Inspiração em:
A) Observatório Astronómico de Lisboa
http://oal.ul.pt/
 
B) E como mil anos podem ser necessários para viajar até aos confins do universo...

 


Christina Perri- A Thousand Years (Official Music Video)
Letra e tradução para breve.
 
C) Imagens da NASA em
https://www.nasa.gov/topics/solarsystem/images/index.html
 
Este ano homenagem a Nelly Furtado.
Quem desejar pode fazer um poema em sua homenagem e terá atenção especial por parte do júri.

 


Força (Radio Edit) Official Video
Vídeo por Pablo Campos
Força
NELLY FURTADO
FOLKLORE
All rights reserved © 2004 DreamWorks Records
 
Até breve e votos de feliz escrita.

Quase lá.

por talesforlove, em 04.10.18

Quase lá.

Mais um concurso literário,

dias, noites e estrelas de calor, cá,

um ano decalcado em letras, à porta,

pretas, azuis, vermelhas, ondas espetrais;

as palavras, as tais, que só o seu significado importa,

se denota em cada sonho. Profundo. Livre.

 

Até breve.

No início de Outubro, Alfama, terra da alegria - Primeira Publicação

por talesforlove, em 02.10.18

E ainda que Alfama seja sempre terra de alegria, sempre, pois é feita de pessoas livres como o vento, que lhe seguem os passos, aqui fica um poema mais triste, ironicamente belo e escrito pela poetisa brasileira Viviane P.

 

FADO


Eu fui grande um outro dia, 
O meu nome era alegria,

Eu amava tal Maria,

Sempre sol era o que  eu  via.
Meu sorriso reluzia,
Minh´ alma se expandia,
Eu sonhava e não dormia.
 
 
Era noite,  ouvi um  fado,
Meu  olhar ficou parado,
Nas lembranças do passado,
E eu fiquei logo cansado.
Descobri que ao meu  lado,
A tristeza tinha estado,
Eu  sofria, um coitado!
 
 
Madrugada, eu entendi,
Alegria eu  não vivi,
E em Alfama descobri,
Naqueles bares em que caí,
Os fados todos que esqueci,
Cujas  letras eu bebi,
E embriagado eu me vi.
 
 
E me vi em muita dor,
Em  um fado de amor,
Deste  fado, eu sou cantor,
Mostrando todo  o esplendor,
De ser  fadista, um sonhador,
Vou com ele onde for,
Pois, sou do fado o senhor!

 

 

Recordamos ainda a importância de utilizar a água de forma responsável e quem sabe reutilizar quando possível. Eventualmente, lavando os vidros do carro com água sem detergente e no final utilizar a água suja, no balde, para regar uma planta.

 

É também com enorme satisfação que anunciamos para breve o Concurso Literário "Natureza 2018-2019".

 

Até breve.

 

"O Que de Verdade Importa" - Filme solidário com o IPO

por talesforlove, em 17.09.18

Vale a pena ver este filme...

 

 Um filme solidário. Pela causa do cancro, em Portugal.

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D