Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com Boas leituras!

Contos das Estrelas

Neste blog são apresentados conteúdos literários. Para qualquer assunto podem contactar o autor via ruiprcar@gmail.com Boas leituras!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade automática:

Revisão crítica de “Adágios” por José Vieira

por talesforlove, em 11.08.17

“Adágios” (2017) é o terceiro livro publicado por José Vieira, pseudónimo da autora Teresa Vieira Lobo, nascida na década de 80 do século passado em Gaula . Esta obra surge após o amadurecimento literário proporcionado pelo primeiro livro “Estranhas Coincidências”, publicado em 2014, e pouco depois, em 2016, com o romance “Dedicação, Palavra e Honra”. Alguns contos publicados na revista literária “Submersa” e na plataforma “Quem conta um conto”, somam-se a esta atividade literária laboriosa.
“Adágio significa provérbio popular com mensagens de teor moral, ditado. Assim, considerando apenas o título “Adágios”, poderíamos supor que no interior deste livro iríamos encontrar uma coletânea de ditados, todavia, tal não é verdade pois, encontram-se 5 contos autónomos, todos eles, é certo, com mensagens morais explícitas com diversa gradação na forma como nos surgem.
Em prosa cativante, em ritmo marcado pela ação e emoção, surgem diante de nós as vidas, realistas, de cinco mulheres que procuram o melhor para si, e para os seus, em contextos frequentemente tormentosos mas também frequentemente felizes, muitas vezes em simultâneo, sem dúvida que a par e passo; em relato de luta entre o bem e o mal.
Na contracapa diz-se que “Adágios é um livro de vidas. De mulheres. De luta. Um dia foram elas... Amanhã seremos nós.” Convém olhar com algum cuidado esta sequência afirmativa. As vidas são, sem dúvida, o núcleo central deste trabalho, são elas que lhe dão corpo. São-no na perspetiva das mulheres, o que adiciona detalhes comoventes e familiares ou mesmo de “amor quase maternal”, como às páginas tantas se menciona, de tal forma que, quando em certo momento se fala de “essência”, já compreendemos, antecipadamente, o que se pretende referir ou pelo menos isso assumimos, dada a profundidade de alguns dos conflitos éticos com que se deparam as personagens.
Quero todavia acreditar que vários destes elementos dramáticos seriam parte destas histórias caso se de homens se tratasse... A luta ética é algo que pode dizer muito a todo o ser humano e é de seres humanos que versam estas páginas, sensíveis e cativantes. Todavia, não se concorda com a afirmação que remete para amanhã esta luta, pois por vezes podemos esquecer mas ela nos envolve a cada momento e em cada ação pois somos seres dotados de livre arbítrio.
Em resumo, a leitura de “Adágios” leva-nos longe, quem sabe a olhar “por dentro” a natureza humana. A certa altura com um prisma religioso e em outros tantos momentos tão só pelo sentir que, de facto, nos transmite. Se assumirmos que a literatura proporciona mudança ou alicerces a quem dela frui, este livro pode ser entendido como um bom caso de “literatura de catarse”. São páginas que valem a pena ser lidas.

 

Referência da obra:

Vieira, J. (2017), “Adágios”, Chiado Editora, Lisboa, pp. 97

 

Tem interesse no livro?

Aqui tem o contacto da Autora: teresavieiralobo@sapo.pt

Breve crítica visual ao filme “Rei Artur: A Lenda da Espada” (2017)

por talesforlove, em 03.08.17

O filme “Rei Artur: A Lenda da Espada” é um filme dirigido por Guy Ritchie, e escrito o guião por Joby Harold, Guy Ritchie e Lionel Wigram, o qual estreou em Maio de 2017.
A lenda da espada está associada, desde a Idade Média, à legitimidade de ocupação do trono na Grã-Bretanha, e deu origem a vários trabalhos literários por exemplo, a trilogia em verso escrita pelo poeta Francês Robert de Boron's Merlin, cerca de 1200 (Timeless Myths; 2017).
Em termos visuais a informação relativa ao tempo da ação é essencial para estabelecer uma relação de “confiança” entre o filme e o espetador, pois este último, atualmente, está bem informado sobre o que corresponde, à Idade Média Europeia, tanto em termos civilizacionais, bem como no que diz respeito a um certo imaginário que conota esta época com uma determinada “Idade das Trevas”. Algo que, em boa verdade, não é totalmente certo, sendo que para este contexto interessa apenas a 1ª impressão mais vulgarmente aceite.
As imagens do filme permitem-nos ser transportados para um tempo diferente do nosso, sendo nós levados, confiantes, pois o retrato corresponde ao que já havíamos preconcebido. Os efeitos visuais, adicionados ao trabalho dos atores, no mesmo plano, conferem um grau extra de impacto ao drama que nos envolve, passo a passo, suavemente, como se nos puxasse para dentro da tela.
Eventualmente, por vezes, os efeitos especiais podem ser usados em demasia em certas zonas de conjunto, a tal ponto que por vezes podemos ficar confundidos com a imagem de um qualquer jogo de computador. Esta situação, não sendo algo necessariamente mau, pode contribuir para que alguns espetadores não se sintam tão atraídos. Adicionalmente, o desempenho dos atores principais parece ser excelente, na minha modesta opinião, sendo que talvez um pouco mais de tratamento da cor da pele dos atores, poderia acentuar o “ar” grave e de extremo contacto com a natureza rude que a ação parece exigir.
O filme é excelente, muito interessante e envolve-nos; sendo que vale a pena ser visto, tanto pelo imaginário Europeu como pelo realismo dramático de várias sequências.

Leva-nos a crer que tem uma certa aura, no sentido de Walter Benjamin.

 

Biografia:

Timeless Myths (2017), https://www.timelessmyths.com/arthurian/excalibur.html.

Texto sobre “Uma pastelaria em Tóquio” (2016)

por talesforlove, em 31.05.17

Cheio de poesia, “Uma pastelaria em Tóquio”, um filme dirigido por NAOMI KAWASE, é uma película que nos aprisiona na tela. Praticamente, esquecemos tudo ao nosso redor, até ao ponto em que quase nos recusamos a ser confrontados com o fim desta maravilhosa peça de arte.
Numa primeira aproximação, a história parece ser trivial: num belo dia da primavera, Tokue, uma senhora de 76 anos aproxima-se de Sentaro, o cozinheiro de uma pequena pastelaria. Sentaro vende principalmente dorayaki, um pequeno bolo cheio de geleia de feijão vermelho (azuki) e Tokue explica-lhe que ela sempre quis fazê-los para o público, ela implora pela oportunidade da sua vida, para realizar um sonho. Ele diz-lhe que "não", mas ela deixa uma pequena amostra ... e ele, por fim, aceita.
Adicionalmente, existe uma adolescente chamada Wakana, uma pessoa muito perspicaz, cliente habitual, que, em última instância, também se aplica ao trabalho na loja. Juntos, são uma família, Tokue, como a mãe de Sentaro e Wakana, um membro "místico" que parece agregar todos os sentimentos desses personagens.
Há medidad que a história se desenrola, não podemos imaginar um possível final, mas Tokue dá-nos pistas muito subtis, por exemplo, quando ela fala com todo o mundo natural, algo que pode ser estranho para nós, porque isso significa atribuir à natureza uma importância incomum no contexto  de uma cidade ... Há um sentimento de diferença, como sendo uma personagem isolada dentro das paredes cinza dos edifícios de betão ao ar livre. Os olhos de Tokue emanam compaixão e resignação de forma misteriosa.
Só somos capazes de compreender estes sentimentos quando o proprietário do restaurante sabe que Tokue é um paciente que vive num leprosário ... e exige que Sentaro a despeça, algo que ele recusa, mas é forçado a aceitar, por fim.
Quando Sentaro e Wakana visitam Tokue, pela primeira vez, em sua casa, no leprosário, a perspicaz Wakana diz-lhe que devem estar preparados para a possibilidade de encontrar pessoas com caras deformadas e, quando as encontram, verificam que estão falando em grupo, sorridentes, felizes, apesar da sua realidade: eles também são uma família. Esse é o poder de ser aceite como somos ... apesar das nossas diferenças, das nossas diferentes maneiras de ver o universo e as diferentes maneiras como somos vistos por ele ...
Além de tudo isto, não há vingança contra a natureza: a natureza da doença. Pelo contrário, Tokue aceita tudo sem hesitar... especialmente sem palavras, simplesmente com a maneira como ela olha para as flores de cerejeira. Ela se vê como uma parte do mundo natural e talvez o facto de a actriz lidar com um cancro na vida real a ajude com essa tarefa ...
No final, lembramos o momento em que ela explica que teve de libertar o canário que Wakana lhe... afinal, ele lhe pediu que o fizesse ... e isso, combinado com o facto de confessar isso mesmo, depois de falecer, com o recurso de uma gravação em cassete, nos deixa um sentimento final: existe uma prova intemporal de que a nossa mente tem uma profunda necessidade de libertar o paciente da memória de estar doente, para que lhe seja possível ser feliz durante todos os momentos da vida. Esse é certamente o segredo para o doce de azuki feito por Tokue.
Este filme explica-nos, detalhadamente: a capacidade que as pequenas coisas têm para mudar as nossas vidas; a importância das pessoas simples e ainda o poder do acaso, que transforma pequenos momentos nas nossas vidas, em algo tão vasto quanto a galáxia. No entanto, apesar da qualidade do guião, a abordagem fotográfica ajuda, adicionalmente, o Diretor com esta tarefa terapêutica, especialmente com perspetivas inesperadas, as bolhas aleatórias dos feijões derretidos a ferver em calda, e, talvez, com o casaco de Tokue, com cores parecidas com as das flores da cereja, transformando-a a ela e às cerejeiras em algo semelhante a um único ser, como que pintado subtilmente.

Em resumo, este é um filme sobre as pessoas mais importantes: as pessoas simples.

Fica o trailer oficial:

 

Finalmente...

por talesforlove, em 02.05.17

Composição Musical por JV e Rui M.

Letra: "vejo pássaros em revoada" poeta Jardim

 

Poema 1º Lugar da Categoria Poesia "Natureza 2016":

 

vejo pássaros em revoada

buscando o azul de outra estação.

seus pequenos corpos voando em bando

revogam a sentença do tempo

e comunicam sua decisão

a quem como eu

está maravilhado

contemplando o imenso mar.

 

mais parecem flutuar

no fluxo de alguma corrente

real ou inexistente.

em sua busca convicta

há também uma sentença

que decreta a liberdade

e a crença no fluir da vida,

acima dos barcos, nesta manhã

no hemisfério sul.

 

diante do imenso mar

tenho a alma acorrentada

e uma imensa vontade de voar.

 

 

 

Resultados da Categoria Conto

por talesforlove, em 21.02.17

É com grande alegria que partilhamos os resultados para a categoria "conto".

Pedimos desculpa pela demora.

Em breve será conhecida a lista de menções honrosas e demais contos que também vão estar incluídos na Antologia.

 

1o Lugar

"Maneco Sunim" por Lênon Alípio, Brasil

e

"Paisagem" por Everson Lira, Brasil

 

2o Lugar

"A Árvore Vermelha Cor de Sangue (Música da Vida)" por Daniel Maciel, Brasil

e

"Ode á Natureza" por Waldir Capucci, Brasil

 

3o Lugar

"Olho Nu" por Ismael Lopes, Portugal

e

"Velho Marinheiro (Carta de amor ao mar)" por João de Carvalho, Brasil

 

4o Lugar

"CHUVA NO DESERTO" por Alberto Arecchi, Itália

e

"UMA VIDA EM CINCO ANOS E CINCO LINHAS" por Eloisa   de  Alcantara, Brasil

 

5o Lugar

"Mistérios Naturais" por Edih Longo, Brasil

e

"Céu" por Marcella Prado, Brasil

 

Muitos parabéns!

Até breve.

A Capa da Antologia "Natureza 2016"

por talesforlove, em 05.02.17

capaPT2016.jpg

 

Resultados do Concurso Literário em Meados de Janeiro de 2017

por talesforlove, em 30.12.16

Com fotos de um Feliz 2017, informa-se que os Resultados do Concurso Literário "Natureza 2016" serão divulgados em Meados de Janeiro de 2017

 

Um grande abraço.

Concurso Literário Internacional “Natureza 2016”

por talesforlove, em 04.07.16

É com grande alegria que vos informamos que tem início o Concurso Literário Internacional “Natureza 2016” o qual tem lugar após o sucesso do Concurso “Natureza 2015”. Volvido um ano, infelizmente, a preocupação com ambiente continua a ser algo plenamente justificado e, felizmente, algo também que é um tema apetecível para a obra literária.

 

Transcrevemos de seguida o texto do ano passado, após o qual informamos sobre as condições de participação em 2016, sendo que este ano, o processo será mais gradual, no que diz respeito aos prémios e sobretudo aos parceiros envolvidos! Acrescenta-se, portanto, um nível extra de dinamismo!

 

Lembra-mos ainda que, a par do concurso em Português, decorre a sua versão em Inglês, a publicitar em: http://talesforlove.blogs.sapo.pt

 

 

A floresta respira e, como resultado, o planeta terra também respira, dando-nos o oxigénio de que necessitamos para viver. Durante o Inverno, no hemisfério norte, onde está a maioria da terra não submersa do Planeta, muitas árvores perdem as folhas, e o dióxido de carbono aumenta na atmosfera, de que resulta um pequeno aumento da temperatura global. Na Primavera e durante o Verão, as árvores criam folhas, que permitem a captura de dióxido de carbono, fazendo com que o clima se torne ligeiramente mais fresco.

Para vos dizer a verdade, considero que as árvores são preciosas onde quer que se encontrem, quer estejam sozinhas numa rua cinzenta quer estejam num pequeno grupo num bonito jardim artificial. Ajudar uma árvore a crescer é como ajudar a crescer uma amizade, é um acto de poesia, e quem sabe que contos podem inspirar os raios solares que atravessam os seus ramos.

Nenhum animal do mundo quer saber de poesia escrita porque lhe basta a poesia visual das flores ou dos recifes coloridos. Os animais simplesmente desfrutam a beleza das dádivas da natureza pura!

Mas você sabe que a subida de temperatura média do mar em dois graus Celcius pode causar sérios danos aos recifes? E sabe que o grande segredo dos cães é a sua amizade e abordagem simpática para connosco? Certamente, sente que toda a criatura viva é Natureza; nós mesmos somos parte da Natureza, e por isso também merecemos um poema… Proteger as flores é proteger-nos a nós.

A vida é especial, e é por isso que fazemos o convite para participar com o seu melhor poema ou conto sobre a Natureza.

Desejamos seleccionar, em 2016, 20 poemas e 4 contos para uma antologia que será publicada como e-book em PDF (e eventualmente para Windows 8 e 10 e Android).

 

O tema em 2016:

Tal como em 2015, a Natureza é o tema central, todavia, quem desejar pode enviar poemas com o objetivo de os ver um dia como a letra de uma canção!

Adicionalmente, a Natureza, a par de valores como a Liberdade, a Paz, o Respeito e o Amor, surge como algo unificador.

 

Nesta edição, procuramos ainda HOMENAGEAR também a comunidade emigrante Portuguesa, através da homenagem a Mikkel Solnado!

Get Up! Levantem-se!

https://www.youtube.com/watch?v=gGe3iXyAb_U

 

Sem, é claro, esquecer os que ficam em Portugal!

 

Detalhes de Regulamento 2016:

  1. A participação neste concurso é gratuita.
  2. Qualquer pessoa de qualquer país pode participar desde que submeta trabalho redigido em português.
  3. Cada participante pode submeter dois poemas, sem limite de palavras, e um conto, com um máximo de 3000 palavras.
  4. Os trabalhos devem ser enviados por e-mail para Rui M. (ruiprcar@gmail.com) juntamente com nome, país, contacto electrónico. O assunto do e-mail deve ser “Concurso Literário Internacional ‘Natureza – 2016’”.
  5. Os autores premiados têm direito a certificado em formato digital.
  1. Todos os poemas seleccionados serão publicados em antologia, a qual estará disponível em formato PDF (possibilidade de vir a existir em Windows), com um custo de 2,5 € (pagamento de donativo por PayPal). Os autores premiados têm direito a uma versão gratuita. Do valor cobrado nas vendas, serão utilizados 50 % para pagar custos do concurso, 25 % para plantar árvores e 25 % para o prémio monetário do próximo concurso literário.
  1. Data limite de participação: 30 de Novembro de 2016.
  2. Os resultados serão anunciados em finais de Dezembro em  http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/.

 

 

Organizador do concurso:

Rui M.

 

Responsável do Júri:

Sra. Anabela Barros Correia

FLUL - CLEPUL - Lisboa

http://www.clepul.eu/Ptg/ViewPerson/30

 

Principal patrocinador:

Rui M. Publishing

 

==================================

Parceiros iniciais 2016 (lista não definitiva):

 

  1. a) Book Park and Arts & Literature (España/Spain/Espanha)
    http://www.thebookpark.com

 

  1. b) Rádio Clube de Arganil

www.rcarganil.pt

 

  1. c) Jornal Bom Dia (Luxemburgo)

http://bomdia.eu/concurso-literario-dedicado-as-comunidades-e-a-mikkel-solnado/

 

Este ano a App LinbonTourism em associação (sem custo; basta seguir botão lado esquerdo):

https://www.microsoft.com/store/apps/9nblggh3335s

 

Para nos seguir:

http://contosdasestrelas.blogs.sapo.pt/data/rss

 

 

Melhores cumprimentos,

Rui M.

 

MINHA ILHA por Shmavon Azatyan - Arménia

por talesforlove, em 04.04.16

MINHA ILHA

 

Tu és a minha ilha celestial

para a qual eu nado

para me aportar

longe da maledicência de todo o mundo.

 

O mar é frio,

o dia é sombrio,

eu estou dormente –

os meus sentimentos tornam-se frígidos.

Todavia tu

tens o poder no meu coração.

 

Eu esforço-me até ti:

o dia de outono encurta

além das águas altas –

a vida esvanece-se,

e o salto do

brilho da venda dos olhos

desperta a minha antecipação.

 

E então a predisposição

que eu divinizo

nos teus gestos

perde a sua superioridade.

 

Quando chega o tempo

em que nós finalmente podemos falar

a ilha já desapareceu.

 

Entre tu e eu

o mar espraia-se sobrecarregado com céus sombrios;

apenas a topografia anónima

que nós ambos nos preocupámos em observar

é o que nos pode levar

para junto um do outro.

 

Nota: poema vencedor do concurso "Nature 2015", original em Inglês "MY ISLAND"

 

 

Poema de Carnaval 2016

por talesforlove, em 06.03.16

Parte I – Natureza revolta

 

É o reverso do estiolar de Verão,

o eterno primeiro momento Primaveril,

do despontar da primeira flor, primeira cor,

do sorriso imaculado da criança crente e mascarada.

 

Sendo a vitória da emoção sobre a razão,

Da furiosa liberdade da floresta encantada,

É fluido de música colorida no qual emergimos,

Na rua, na discoteca, na fita de papel e no que fingimos.

 

Parte II – Se tudo é magia

 

Quando envolta em música e magia emergiste,

Não sei o que sentiste, nem porque sentiste,

Só sei que princesa não eras, nem visão,

E que apenas mentira Medieval também não.

 

A tua mão, fria, dilui-se na máscara de Carnaval,

E os teus olhos, quentes, em cereais de chocolate imaginário.

Talvez fossem, afinal, a mágica tonalidade da música,

Que a electricidade dos nossos corpos ampliava, em súplica.

 

meta

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D